Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Netanyahu revela um plano para o futuro de Gaza na era pós-Hamas

Netanyahu revela um plano para o futuro de Gaza na era pós-Hamas

Ronen Zvulun/Reuters

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, discursa na Conferência dos Presidentes das Principais Organizações Judaicas Americanas, em meio ao conflito em curso entre Israel e o grupo islâmico palestino Hamas, em Jerusalém, em 18 de fevereiro.

Nota do editor: Uma versão desta história aparece no boletim informativo da CNN sobre o Oriente Médio, uma revista três vezes por semana sobre as maiores histórias da região. Registre-se aqui.


Jerusalém
CNN

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, revelou um plano para este projeto Gaza Um futuro pós-Hamas, que inclui a “desmilitarização completa” do enclave e o encerramento da Faixa A fronteira sul com o Egitobem como reformar a administração civil e os sistemas educativos em Gaza.

A CNN obteve uma cópia do plano que Netanyahu apresentou aos membros do gabinete de segurança israelense na noite de quinta-feira. O Gabinete do Primeiro Ministro disse à CNN que o relatório foi distribuído como base para discussão, em preparação para futuras conversações, e surge depois de Netanyahu ter enfrentado semanas de críticas por não ter um plano concreto para Gaza no pós-guerra.

O plano surge no momento em que Israel envia uma equipe de negociação liderada pelo diretor do Mossad, David Barnea, a Paris na sexta-feira para continuar as negociações sobre um possível cessar-fogo e cessar-fogo. Acordo de libertação de reféns Isto poderia pôr fim à guerra que já dura há quatro meses.

Mais de 29 mil pessoas foram mortas em Gaza desde o início da guerra, segundo o Ministério da Saúde da Faixa. O ataque do Hamas em 7 de outubro matou 1.200 pessoas em Israel, segundo as autoridades israelenses.

O documento estabelece uma série de princípios, desde mudanças nos níveis de segurança e civil até planos de longo prazo para quem governa a região.

No que diz respeito ao ficheiro de segurança, o plano previsto inclui Israel fechar a fronteira sul de Gaza com o Egipto, dando a Israel controlo total sobre a entrada e saída da Faixa. Actualmente, o Egipto controla o acesso de e para a fronteira sul de Gaza através da passagem de Rafah.

O plano de Netanyahu diz que Israel cooperará “tanto quanto possível” com o Egipto, em coordenação com os Estados Unidos.

Não está claro se Israel obteve a aprovação do Egipto para este elemento do plano, ou para qualquer parte dele. Mas uma autoridade israelense disse à CNN que o plano é “compatível” com os Estados Unidos.

Não houve reação oficial imediata dos EUA à proposta.

O plano confirma, como Netanyahu disse anteriormente, que “Israel desfrutará do controlo de segurança sobre toda a área a oeste da Jordânia”, que inclui toda a Cisjordânia e Israel, além de Gaza.

Os palestinianos há muito que procuram estabelecer um Estado independente na Cisjordânia ocupada, em Jerusalém Oriental e na Faixa de Gaza.

O plano diz que Israel será responsável por “investigar e supervisionar” a desmilitarização da Faixa, exceto quando necessário para manter a ordem pública.

Yahya Hassouna/AFP/Getty Images

Uma vista aérea dos edifícios destruídos por ataques aéreos israelenses no campo de refugiados palestinos de Jabalia, na Cidade de Gaza, Faixa de Gaza, em 11 de outubro.

A nível civil, Netanyahu está a detalhar uma revisão abrangente da administração civil e dos sistemas educativos de Gaza, incluindo um aparente corte no financiamento do Qatar para Gaza – algo que o anterior governo de Netanyahu tinha decidido. Aprovado e facilitado.

O plano diz que as entidades locais que dirigem a função pública “não estarão ligadas nem receberão fundos de países ou entidades que apoiam o terrorismo”.

Embora seja provavelmente uma referência ao Qatar, não está claro se também se aplicaria à Autoridade Palestiniana, que os Estados Unidos afirmaram que deveria gerir uma versão renovada de Gaza no futuro.

O plano de Netanyahu também apela à “desradicalização” do sistema educativo, que Israel e os seus aliados há muito acusam de promover o anti-semitismo e o ódio a Israel.

O plano reitera que Israel trabalhará para fechar a UNRWA, a principal agência da ONU que apoia os refugiados palestinianos, e trabalhará para substituí-la por “agências de ajuda internacional responsáveis”.

Israel acusa cerca de uma dúzia de funcionários da UNRWA de estarem diretamente envolvidos no ataque do Hamas em 7 de outubro. A agência emprega cerca de 13.000 pessoas em Gaza.

Finalmente, o plano reitera a insistência de Israel de que não será forçado pela comunidade internacional a fazê-lo Reconhecimento do Estado PalestinoÉ uma possibilidade que o Reino Unido e o presidente dos EUA, Joe Biden, tenham começado a flutuar.

O plano de Netanyahu afirmava que “Israel rejeita categoricamente os ditames internacionais relativos ao acordo permanente com os palestinianos”, sublinhando que reconhecer o Estado palestiniano agora seria “uma enorme recompensa pelo terrorismo sem precedentes”.

Os principais partidos opõem-se a muitas das propostas. O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, já o fez inaceitável A ideia de uma zona tampão. O Egito tem inaceitável A sugestão de que Israel poderia controlar a sua fronteira com Gaza. Os Emirados Árabes Unidos disseram que sem um roteiro claro para o estabelecimento de um Estado palestino independente – o que Netanyahu descartou – não seria útil. Pagando a conta da reconstrução de Gaza.

A promessa de Netanyahu de abolir a UNRWA, a agência de ajuda da ONU que fornece a Gaza a maior parte da ajuda internacional, teria sido difícil de alcançar mesmo antes de 7 de Outubro. Agora, enquanto as Nações Unidas alertam que quase toda a população de Gaza está em risco…Fome iminente“A tarefa será enorme.

Não há qualquer menção no plano à Autoridade Palestiniana, que administra partes da Cisjordânia ocupada. Netanyahu já havia rejeitado a sugestão de que poderia assumir o controle de Gaza. Não é claro se ele aceitaria agora uma versão reconstituída do poder – e não é de todo claro se isto seria aceite pelos palestinianos, muitos dos quais votaram no Hamas nas eleições de 2006.

Neste momento, a prioridade de Netanyahu continua a ser a destruição do Hamas e o regresso de mais de uma centena de reféns que foram raptados em 7 de Outubro e permanecem em Gaza. Colocar as negociações sobre os reféns de volta aos trilhos é o principal objetivo da delegação de alto nível que Netanyahu enviou a Paris na sexta-feira. Os Estados Unidos e outros esperam que um acordo impeça que isso aconteça Operação terrestre em Rafah Isto poderia aumentar o número de mortos em Gaza para mais de 30.000.

A maioria dos observadores acredita que quando a guerra terminar, as eleições em Israel tornar-se-ão inevitáveis, e este é o caso de Netanyahu e dos seus aliados. E ele esperava Perder. Mas não é nada claro se um líder diferente – o membro do gabinete de guerra e antigo líder da oposição Benny Gantz foi descrito como favorito – teria uma visão diferente para Gaza.