maio 28, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

NASA detalha plano para se aposentar e derrubar a ISS no oceano

Vista da ISS à noite.

Vista da ISS à noite.
foto: NASA

O fim da Estação Espacial Internacional está finalmente se aproximando, com a NASA declarando a aposentadoria de o posto avançado orbital em 2030 e uma dramática desórbita no início do ano seguinte.

Nada dura para sempre, nem mesmo a Estação Espacial Internacional. A escrita está na parede há algum tempo, mas a NASA tornou oficial no início desta semana, anunciando que as operações da ISS durarão até 2030, mas não mais. Após a aposentadoria, a estação espacial realizará uma reentrada controlada e colidirá com uma parte remota do oceano Pacífico conhecida como Point Nemo. Tudo faz parte do plano da NASA de entregar as responsabilidades da estação espacial ao setor privado e economizar muito dinheiro no processo.

“O setor privado é técnica e financeiramente capaz de desenvolver e operar destinos comerciais de órbita baixa da Terra, com a assistência da NASA”, disse Phil McAlister, diretor de espaço comercial da NASA, no comunicado. “Estamos ansiosos para compartilhar nossas lições aprendidas e experiência de operações com o setor privado para ajudá-los a desenvolver destinos seguros, confiáveis ​​e econômicos no espaço.”

Em uma transição detalhada relatório enviada ao Congresso, a NASA disse que espera economizar US$ 1,3 bilhão no ano após o desaparecimento da ISS e US$ 1,8 bilhão por ano até 2033. A agência espacial planeja gastar essas economias estimadas em projetos de exploração do espaço profundo, permitindo “explorar mais e mais rápido em espaço profundo”, de acordo com o relatório. Mas, ao estender a missão até 2030, a NASA “continuará mais uma década produtiva de avanço na pesquisa e permitirá uma transição perfeita de capacidades em órbita baixa da Terra para um ou mais destinos de propriedade e operados comercialmente no final de 2020”.

Em um e-mail, Jonathan McDowell, astrônomo do Harvard-Smithsonian Center for Astrophysics, alertou que o novo relatório não inclui alegações de que outros parceiros da ISS, como a Rússia, concordarão em sustentar a ISS até 2030, “portanto, mais cedo”, explicou. ponto justo. A Rússia, ao que parece, já fez check-out, como evidenciado por ameaças de sair e o deteriorando estado de seus ativos de ISS.

A ISS está em órbita desde 2000, hospedando uma sucessão contínua de astronautas ao longo de seus 22 anos de história. É o maior posto avançado orbital já construído – uma colaboração impressionante envolvendo 15 países diferentes. No final do ano passado, o governo Biden discretamente estendido A vida útil da estação de 2024 a 2030, mas como o novo relatório aponta, esta extensão da missão representa a última.

Em seu plano, a NASA descreve o processo de descomissionamento, incluindo uma estratégia potencial para destacar alguns módulos e anexá-los a outras estações espaciais. Em algum momento de 2030, a tripulação final terá que deixar a ISS, no que será, sem dúvida, um momento emocional e histórico.

No início de 2031, e sem ninguém a bordo, os controladores usarão propulsores para diminuir a altitude da estação para um pouco acima da atmosfera da Terra. A ISS fará seu mergulho fatal através dos destroços, seguido por pedaços de respingos na Área Desabitada Oceânica do Pacífico Sul (SPOUA) nas proximidades de Point Nemo. Este local leva o apelido “cemitério de naves espaciais”, pois é onde as agências espaciais colocaram centenas de peças espaciais, incluindo a estação espacial russa Mir, nos últimos 50 anos. Point Nemo está longe de áreas habitadas, sendo o mais próximo a 1.670 milhas (2.690 km) de distância.

Parece simples, mas o grau de precisão exigido exigirá algum trabalho extra. O desafio é que a ISS não está equipada com um motor grande o suficiente para permitir viagens diretas de sua posição atual para sua órbita baixa final necessária em uma única queima, como explicou McDowell. Os operadores da ISS terão que “abaixar sua órbita em etapas antes da queima final”, disse ele. “Mas você não pode abaixá-lo muito ou o arrasto (ventos) fará você perder o controle de atitude e a estação começará a tombar por causa das forças.” A estação terá que ser baixada o suficiente antes de fazer a queima final, exigindo o uso de duas naves espaciais Russas Progress para abaixar a órbita e “depois uma terceira para despejá-la”, disse McDowell.

De fato, e como a NASA explica em seu relatório, a estação “realizará as manobras de órbita usando as capacidades de propulsão da ISS e seus veículos visitantes”, ou seja, Progress e possivelmente a espaçonave Cygnus. Em seguida, “depois de realizar manobras para alinhar a pista terrestre do alvo final e a pegada de detritos” acima do SPOUA, os operadores da ISS “realizarão a queima de reentrada da ISS, fornecendo o impulso final para abaixar a ISS o máximo possível e garantir uma entrada atmosférica segura, “De acordo com o relatório.

Com o fim da ISS firmemente à vista, a NASA estará se transformando no setor privado para manter uma presença humana contínua no espaço. Para isso, a NASA já atribuído US$ 415,6 milhões como parte de seu programa Commercial Low Earth Destinations, com os fundos sendo distribuídos para Blue Origin, Nanoracks e Northrop Grumman. Existe a preocupação, no entanto, de que as estações espaciais construídas por essas empresas não estejam prontas a tempo e que um vai existir lacuna quando o ISS for aposentado daqui a apenas oito anos.

Essa situação pode piorar se, como McDowell alertou, outros parceiros da ISS não se comprometerem com a extensão de 2030. A Rússia, como a China, tem planos de construir sua própria estação espacial nos próximos anos. Parece que estamos no fim de uma era. É justo dizer que uma colaboração internacional como essa não acontecerá tão cedo.

Mais: Lançamento do novo megafoguete da NASA adiado até pelo menos março.

READ  Um estudo recente diz que o COVID-19 está evoluindo para se tornar cada vez mais circulante no ar