Julho 16, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Mais de 100 mil armênios já fugiram da disputada região de Nagorno-Karabakh

Mais de 100 mil armênios já fugiram da disputada região de Nagorno-Karabakh

LONDRES – Mais de 100 mil refugiados de etnia arménia fugiram de Nagorno-Karabakh até sábado, disseram as autoridades locais, e agora parece que quase toda a população arménia do enclave partirá, abandonando as suas casas depois do Azerbaijão, apoiado pela Turquia, ter retomado a região. na semana passada com uma ofensiva militar.

Cerca de 85% da população fugiu até agora em menos de uma semana, no que a Arménia condenou como “limpeza étnica”.

Ônibus de evacuação transportando milhares de residentes incapazes de seguir seu caminho foram vistos partindo para a Armênia no sábado.

Assim que os arménios partirem, as forças do Azerbaijão provavelmente irão para a capital da região e celebrarão a sua vitória.

Famílias amontoadas em carros e camiões, com todos os bens que pudessem transportar, chegaram à Arménia depois de o Azerbaijão ter aberto a única saída do enclave no domingo. Os que fugiram disseram que não estavam preparados para viver sob o domínio do Azerbaijão, por medo de serem perseguidos.

“Não haverá mais arménios em Nagorno-Karabakh nos próximos dias”, disse o primeiro-ministro arménio, Nikol Pashinyan, numa reunião governamental televisiva na quinta-feira. “Este é um acto directo de limpeza étnica”, disse ele, acrescentando que as declarações internacionais que o condenam são importantes, mas sem acção concreta apenas “criam estatísticas morais para a história”.

Os Estados Unidos e outros países ocidentais expressaram preocupação com o êxodo de residentes arménios do enclave e instaram o Azerbaijão a permitir o acesso internacional.

Os arménios vivem em Nagorno-Karabakh há séculos, mas o enclave é reconhecido internacionalmente como parte do Azerbaijão. Tem estado no centro de um conflito sangrento entre o Azerbaijão e a Arménia desde o final da década de 1980, quando os dois antigos estados soviéticos entraram em guerra no meio do colapso da União Soviética.

Essa guerra deixou os separatistas étnicos arménios no controlo da maior parte da região de Nagorno-Karabakh e também viu a expulsão de centenas de milhares de civis azerbaijanos. Durante três décadas, um Estado arménio não reconhecido, denominado República de Artsakh, existiu no enclave, enquanto os esforços diplomáticos internacionais para resolver o conflito não produziram nada.

Mas em 2020, o Azerbaijão reabriu o conflito, derrotando decisivamente a Arménia e forçando-a a abandonar as suas reivindicações sobre Nagorno-Karabakh. A Rússia intermediou uma trégua e enviou forças de manutenção da paz que permanecem lá.

Na semana passada, depois de cercar o enclave durante 9 meses, o Azerbaijão lançou uma nova ofensiva militar para completar a derrota das autoridades étnicas arménias, forçando-as a render-se em apenas dois dias.

O líder do estado não reconhecido de Artsakh, a República de Artsakh, anunciou na quinta-feira a sua dissolução, dizendo que “deixaria de existir” até o final do ano.

O autoritário presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, afirmou que os direitos dos arménios em Karabakh serão protegidos, mas já promoveu anteriormente uma narrativa nacionalista que nega que os arménios tenham uma longa história na região. Nas áreas que as suas forças recapturaram em 2020, alguns locais culturais arménios foram destruídos e desfigurados.

Alguns azerbaijanos expulsos de suas casas durante a guerra na década de 1990 retornaram para áreas que o Azerbaijão recuperou desde 2020. Aliyev disse na quinta-feira que até o final de 2023, 5.500 azerbaijanos deslocados retornarão para suas casas em Nagorno-Karabakh, de acordo com o estado russo. . Agência de notícias TASS.

O Azerbaijão prendeu um ex-alto funcionário armênio em Karabakh na quinta-feira enquanto ele tentava deixar o enclave com outros refugiados. Os serviços de segurança do Azerbaijão prenderam Levon Mnatsakanyan, que foi comandante das forças armadas dos separatistas armênios entre 2015-2018. No início desta semana, o Azerbaijão prendeu o ex-líder do estado não reconhecido, Ruben Vardanyan, levou-o para Baku e acusou-o de crimes terroristas.