Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Intel recebe US$ 8,5 bilhões em subsídios para construir fábricas de chips

Intel recebe US$ 8,5 bilhões em subsídios para construir fábricas de chips

O presidente Biden concedeu na quarta-feira US$ 8,5 bilhões em subsídios à Intel, um grande investimento para impulsionar a produção de semicondutores do país, durante uma visita a estados decisivos com o objetivo de promover sua agenda econômica.

Falando no campus da Intel em Chandler, Arizona, Biden disse que o prêmio apoiará milhares de novos empregos na indústria, incluindo empregos que não exigem diploma universitário.

“Isso transformará a indústria de semicondutores”, disse Biden. “Onde diabos está escrito que nunca mais seremos a capital industrial do mundo novamente?”

O prêmio, que irá para a construção e expansão das instalações da Intel nos Estados Unidos, é o maior concedido pelo governo federal com financiamento da Lei CHIPS, que os legisladores aprovaram em 2022 para ajudar a restabelecer os Estados Unidos como líder. Na fabricação de semicondutores.

A administração Biden, equipada com 39 mil milhões de dólares em subsídios para distribuição, está a liderar um esforço ambicioso para aumentar a produção dos microchips que alimentam tudo, desde smartphones a computadores e carros. Estes esforços estão no cerne do objectivo de Biden de reduzir a dependência da América de países estrangeiros: embora os semicondutores sejam inventados nos Estados Unidos, apenas cerca de 10% dos chips mundiais são fabricados internamente.

“Quase todos os principais fabricantes de chips em toda a indústria foram transferidos para o exterior, para a Ásia, anos atrás”, disse Biden. “É por isso que o investimento de hoje é grande: permitiremos que a fabricação avançada de semicondutores retorne aqui na América.”

Além das doações, o governo federal planeja conceder à Intel até US$ 11 bilhões em empréstimos em termos que a empresa descreveu como generosos. A Intel também deverá reivindicar créditos fiscais federais que poderiam cobrir 25% das despesas com projetos de expansão nos Estados Unidos, que deverão custar mais de US$ 100 bilhões em cinco anos.

As doações destinam-se a ajudar a financiar os planos de construção da empresa no Arizona, Ohio, Novo México e Oregon. Espera-se que esses projetos criem mais de 10.000 empregos na indústria e cerca de 20.000 empregos na construção, de acordo com funcionários do governo Biden.

A secretária de Comércio, Gina Raimondo, cujo departamento supervisiona a distribuição de subsídios, disse que o prémio ajudará a aumentar a produção do país dos semicondutores mais avançados, que são utilizados em inteligência artificial, smartphones, supercomputadores e nos dispositivos militares mais sensíveis. Os Estados Unidos atualmente não produzem nada.

Sra. Raimondo disse que o prêmio da Intel será o maior concedido pela fabricante de chips no âmbito do novo programa. Ela disse que o investimento ajudará a colocar os Estados Unidos no caminho certo para produzir quase 20% dos principais chips do mundo até o final da década.

“Este investimento permitirá à Intel produzir os chips mais novos e avançados do mundo que fortalecerão nossa segurança econômica e nacional”, disse Raimondo no campus da Intel na quarta-feira.

No Arizona, o dinheiro ajudará a financiar a recente construção de duas fábricas avançadas pela Intel e a modernização de outra instalação. Os fundos também ajudarão a construir uma unidade totalmente nova perto de Columbus, Ohio, começando com duas fábricas, marcando sua primeira mudança para uma nova região dos EUA em mais de 40 anos.

Em Rio Rancho, Novo México, a Intel usará fundos federais para converter duas fábricas em instalações de embalagens avançadas, onde os chips serão montados para aumentar o desempenho e reduzir custos. A empresa também expandirá e modernizará seu centro de inovação em Hillsboro, Oregon, o que deverá fortalecer a liderança tecnológica da empresa e desenvolver novas inovações.

Biden e seus aliados democratas veem os investimentos em semicondutores como uma forma fundamental de tentar mudar a percepção da economia entre os eleitores em estados decisivos como o Arizona.

“Não conversamos com as pessoas sobre as questões que o presidente Biden levantou e é isso que estamos determinados a fazer”, disse Yolanda Bejarano, presidente do Partido Democrata do Arizona, na terça-feira, acrescentando que os democratas precisarão conversar mais. Sobre os impactos dos investimentos em semicondutores.

Embora a Intel tenha que atingir alguns marcos antes que o dinheiro seja distribuído, altos funcionários do governo Biden disseram que esperam que o dinheiro comece a fluir para a empresa até o final deste ano.

O CEO da Intel, Patrick Gelsinger, disse aos repórteres em entrevista coletiva na noite de terça-feira que os incentivos governamentais representam um momento de orgulho para sua empresa e uma grande conquista para os políticos de ambos os partidos. Embora estivesse satisfeito com os incentivos atribuídos à Intel, ele disse que as autoridades podem precisar investir mais na indústria para reverter décadas de transferência de investimentos dos Estados Unidos para países da Ásia.

“Este problema não pode ser resolvido num programa de três a cinco anos”, disse Gelsinger. “Acho que precisaremos de pelo menos CHIPS 2 para terminar este trabalho.”

A Intel é a quarta empresa a receber um prêmio federal no âmbito do novo programa, e as doações anunciadas totalizam mais de US$ 10 bilhões. As três primeiras subvenções – concedidas à GlobalFoundries, Microchip Technology e BAE Systems – destinaram-se a fabricantes de chips mais antigos, que são criados utilizando processos de produção mais antigos, mas que ainda são utilizados em muitos produtos, como automóveis e máquinas de lavar louça.

Espera-se que os funcionários do governo Biden anunciem mais prêmios nos próximos meses para outros grandes fabricantes de chips, incluindo Taiwan Semiconductor Manufacturing Co., Samsung e Micron Technology. Essas empresas também fizeram investimentos significativos em fábricas de semicondutores novas ou ampliadas nos Estados Unidos nos últimos anos.

A dependência dos Estados Unidos da Ásia para fabricar os seus chips tornou-se mais evidente com o surgimento da inteligência artificial. Quase todos os chips usados ​​para alimentar os mais recentes serviços de IA são fabricados em Taiwan pela TSMC, embora tenham sido projetados pela Nvidia no Vale do Silício.

A Intel está tentando mudar isso desenvolvendo novas tecnologias de fabricação, começando a fabricar chips projetados por outras empresas e pressionando fortemente por legislação. O investimento na Intel visa ajudar a permitir que as empresas norte-americanas liderem a indústria de IA, garantindo um fornecimento doméstico de chips avançados.

Biden disse que cerca de US$ 50 milhões em financiamento federal serão alocados à Intel para gastar no treinamento e no desenvolvimento de “uma nova geração de trabalhadores na indústria de semicondutores”. Muitas empresas de semicondutores e grupos industriais expressaram preocupações sobre uma potencial escassez de técnicos, engenheiros e outros trabalhadores para preencher todos os empregos que serão criados quando as instalações forem construídas.

No total, as empresas privadas anunciaram mais de 240 mil milhões de dólares em investimentos na produção de semicondutores e eletrónicos desde que Biden assumiu o cargo, segundo funcionários do governo. No entanto, alguns fabricantes de chips encontraram obstáculos ao tentarem expandir a sua capacidade de produção nacional, o que levou a atrasos.