Fevereiro 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Foi comprovado que comer menos alimentos aumenta significativamente a expectativa de vida • Earth.com

Foi comprovado que comer menos alimentos aumenta significativamente a expectativa de vida • Earth.com

Cientistas em Instituto Buck Eles fizeram uma descoberta notável no campo da saúde cognitiva, do envelhecimento cerebral e da longevidade. O estudo concentrou-se no papel da restrição alimentar (comer menos) no retardamento do declínio cognitivo e no prolongamento da vida humana.

Os especialistas identificaram uma resposta específica dos neurônios mediada por um gene chamado OXR1, que é potencializada por estratégias como jejum intermitente e dietas hipocalóricas.

“Quando as pessoas restringem a quantidade de alimentos que comem, geralmente pensam que isso pode afetar o sistema digestivo ou o acúmulo de gordura, mas não necessariamente sobre como isso afeta o cérebro”, disse o Dr. Kenneth Wilson, primeiro autor do estudo. “Acontece que esse gene é importante no cérebro.”

Como comer menos ajuda você a viver mais

A pesquisa, realizada com moscas da fruta e células humanas, revelou como a restrição alimentar atrasa o envelhecimento e retarda a progressão de doenças neurodegenerativas do cérebro.

“Encontramos uma resposta específica de neurônios que medeia a neuroproteção à restrição alimentar”, disse ele. Professor Pankaj Kapahi.

“Estratégias como jejum intermitente ou restrição calórica, que limitam os nutrientes, podem aumentar os níveis deste gene para mediar os seus efeitos protetores.”

Professor Buck Lisa Ellerbe“O gene é um fator importante na plasticidade cerebral e protege contra o envelhecimento e doenças neurológicas”, acrescentou Ph.D., co-autor principal do estudo.

Embora a equipe do PAC já tenha provado isso Idade e saúde pode ser melhorado por restrições alimentares, eles encontraram muitas variações na resposta à redução de calorias entre diferentes indivíduos e tecidos. O presente estudo se propôs a descobrir as razões dessa discrepância.

Os especialistas examinaram cerca de 200 linhagens de moscas com diferentes origens genéticas e dietas. Eles identificaram cinco genes, incluindo dois com contrapartes genéticas humanas, que influenciam significativamente a longevidade sob restrições alimentares.

READ  A tempestade solar mais poderosa em anos atinge a Terra, surpreendendo meteorologistas

Restrição alimentar e saúde cerebral

Centrando-se no gene da mostarda (mtd) encontrado nas moscas da fruta e no seu equivalente humano, OXR1, os investigadores descobriram o seu papel na proteção das células contra danos oxidativos.

A perda de OXR1 em humanos leva a defeitos neurológicos graves e morte prematura, enquanto o seu excesso em ratos aumenta a sobrevivência em modelos de esclerose lateral amiotrófica.

A relação entre envelhecimento cerebral, neurodegeneração e expectativa de vida humana foi estudada por meio de testes aprofundados.

Descobriu-se que o OXR1 afeta o complexo retrómero, que é crítico para a reciclagem de proteínas e lipídios celulares e para a manutenção dos neurônios.

Esta via é vital na proteção dos neurônios sob restrições alimentares, conforme confirmado pelas descobertas da equipe.

“A retromerização é um mecanismo importante nos neurônios porque determina o destino de todas as proteínas que são trazidas para dentro da célula”, disse Wilson.

A disfunção do retromer está associada a problemas cerebrais relacionados à idade, incluindo as doenças de Alzheimer e Parkinson, contra os quais a restrição alimentar pode proteger.

Resultados e implicações

A pesquisa conduzida pela equipe de Kapahi revelou o papel fundamental dos hábitos alimentares na saúde do cérebro e na longevidade. Suas descobertas baseiam-se na descoberta de que a restrição alimentar retarda significativamente o envelhecimento do cérebro.

Isto ocorre principalmente através da atividade de um gene conhecido como mtd/OXR1, que desempenha um papel crucial na manutenção da retromerização – uma via celular envolvida na reciclagem de proteínas.

“Este trabalho mostra que a via retromérica, que desempenha um papel essencial na reutilização de proteínas celulares, é essencial para proteger os neurônios em condições de limitação de nutrientes”, explica Kabahi.

A pesquisa da equipe sugere que o mtd/OXR1 é vital não apenas para manter a função do retromero, mas também para manter neurônios saudáveis, promover o envelhecimento saudável do cérebro e prolongar a vida útil sob restrições alimentares.

READ  Astrônomos e entusiastas do espaço em seus exoplanetas favoritos

Para explorar ainda mais o efeito da dieta neste gene, Wilson observa: “A dieta afeta este gene. Ao comer menos, você está, na verdade, melhorando o mecanismo para a classificação adequada das proteínas em suas células, porque elas aumentam a expressão de OXR1.

Coma menos, seja mais inteligente, viva mais

A pesquisa da equipe também descobriu que o aumento dos níveis de MMT nas moscas levou a uma expectativa de vida mais longa. Esta descoberta levou os investigadores a especular que o aumento da expressão de OXR1 pode ter benefícios semelhantes no prolongamento da vida em humanos.

Em resumo, as descobertas do estudo sugerem que as escolhas alimentares têm um impacto profundo na saúde celular, na função cerebral e na longevidade.

“Nosso próximo passo é identificar compostos específicos que aumentam os níveis de OXR1 durante o envelhecimento para retardar o envelhecimento do cérebro”, diz Ellerbe, sugerindo o potencial para futuros desenvolvimentos terapêuticos.

Wilson também está pensando nas implicações mais amplas desta pesquisa, dizendo: “Esperamos que a partir disso possamos obter mais informações sobre por que nossos cérebros se deterioram em primeiro lugar”. Esta afirmação enfatiza a busca por uma compreensão mais profunda dos processos de envelhecimento cerebral.

Nas suas observações finais, Wilson enfatiza o impacto global da dieta. “A dieta afeta todos os processos do seu corpo. Acredito que este trabalho apoia os esforços para seguir uma dieta saudável, porque o que você come afetará mais do que você imagina.”

Esta declaração serve como um lembrete das consequências de longo alcance das nossas escolhas alimentares, não apenas na saúde do cérebro, mas na saúde geral.

O estudo está publicado na revista Comunicações da Natureza.

Gostou do que li? Assine nosso boletim informativo para obter artigos envolventes, conteúdo exclusivo e atualizações mais recentes.

READ  Nave psíquica da NASA para explorar um asteróide único para evidências do sistema solar inicial

Visite-nos no EarthSnap, um aplicativo gratuito oferecido a você por Eric Ralls e Earth.com.

—–