Fevereiro 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Federico Gatti – o ex-construtor que se tornou o novo herói da Juventus

Federico Gatti – o ex-construtor que se tornou o novo herói da Juventus

Federico Gatti trabalhou na construção civil.

Durante o dia, ele colocava tijolos e telhados. À noite, ele de alguma forma encontrava energia para jogar futebol nos campos lamacentos, muitas vezes enevoados, perto de Rivoli, a cidade a oeste de Turim onde cresceu.

Gatti vem de uma família de torcedores do Torino. Eles adorariam vê-lo jogar em seu clube. Mas quando Gatti deixou a escola e vestiu o capacete, um emprego em qualquer lugar da Série A parecia improvável.

Já se passaram quase dois anos desde que ele visitou seu precoce avô Domenico, que mora ao lado do estádio da Juventus, no norte de Turim. Na época, Gatti jogava na Série B pelo Frosinone, a uma hora de carro a sudeste de Roma. Ele voltou para o norte porque o Torino, clube da Serie A, estava prestes a contratá-lo. Foi a realização de um sonho para a família.

“Quando recomendo um jogador, o clube tem que sair e comprá-lo”, disse o técnico do Torino, Ivan Juric.

Para sua consternação, Gatti não se juntou a eles. Quando apareceu em frente à casa de Nuno, Gatti tinha acabado de fazer os exames médicos com a rival da cidade, a Juventus.

“Ele é o jogador deles agora”, lamentou Juric. “Como clube, temos que melhorar a forma como comunicamos internamente. Não é sempre que um jogador desta qualidade sai das divisões inferiores.

Depois que Gatti largou a pá e deu um descanso à betoneira, ele começou sua escalada pelos trechos da Itália. O defesa-central de 25 anos jogou em todos os níveis; Ligas amadoras, semiprofissionais, D, C e B.

Quando Roberto Mancini lhe deu sua primeira internacionalização contra a Inglaterra, em Molineux, pelo Wolverhampton Wanderers, em junho do ano passado, ele ainda não havia jogado na Série A.

A história de Gatti lembra a de Moreno Torricelli, o carpinteiro de uma fábrica de móveis que participou de um amistoso entre o semiprofissional Caratesi e a Juventus no verão de 1992. Giovanni Trapattoni, então treinador da Juventus, perguntou-lhe se gostaria de treinar com a sua equipa durante o resto da pré-temporada.

Roberto Baggio, vencedor da Bola de Ouro, deu a Torricelli o apelido de Gepeto, em homenagem ao carpinteiro de Pinóquio. Foi um conto de fadas, porque o lateral Torricelli ganhou um contrato permanente e muito mais.

Ele conquistou a Copa da UEFA (hoje Liga Europa) no final da primeira temporada, o título da Liga Italiana três vezes em quatro temporadas de 1994 a 95, a Copa da Itália em 1995 e 2001, e a Liga dos Campeões e a Copa do Mundo de Clubes em 1996. Ele também jogou 10 vezes pela seleção italiana e participou da Copa das Nações Europeias de 96 e da Copa do Mundo dois anos depois.

READ  Espera-se que o Conselho de Árbitros da NBA vote em tornar o jogo permanente no torneio

A subida de Gatti foi mais comedida e menos vertiginosa. Não surgiu completamente do nada.

O diretor esportivo do Frosinone, Guido Angeluzzi, que viajou para o norte com Gatti em janeiro de 2022, aparentemente para selar o acordo com o Torino, tentou vendê-lo. Ele disse: “Federico se parece com (Giorgio) Chiellini, com pés de (Leonardo) Bonucci”.

O exagero funcionou. A Juventus concluiu um acordo no valor de 10 milhões de euros (8,6 milhões de libras/10,8 milhões de dólares às taxas de câmbio atuais) e emprestou Gatti de volta ao Frosinone pelo resto da temporada 2021-22.

(Cláudio Villa/Getty Images)

Quando apareceu pela primeira vez no campo de treino do seu novo clube, o pai de Gatti, Lodovico, afirmou que Chiellini o cumprimentou dizendo: “Este é o meu herdeiro”. O ungido deveria ser Christian Romero. Depois foi Matthias de Ligt, depois Merih Demiral. Mas foram todos vendidos para render dinheiro quando o contrato de Cristiano Ronaldo e a pandemia de Covid-19 colocaram a situação financeira da Juventus sob pressão.

Resta saber se Gatti terá uma carreira semelhante à de Chiellini. Este pode ser mais um momento no canteiro de obras; É tão difícil pensar agora quanto foi para ele imaginar-se tendo uma carreira no futebol naquela época. Mas Gatti já é, se não um ícone da equipa da Juventus, então um herói de culto.

Na sexta-feira passada, quando o Monza empatou nos acréscimos, parecia que a Juventus perderia dois pontos. Só que Gatti não havia terminado. Aos 94 minutos, ele surgiu e marcou o gol da vitória. É um daqueles momentos que, em retrospectiva, poderá parecer decisivo se a Juventus voltar a ser campeã em Maio.

“O que posso dizer?” Gatti riu e bufou, tentando recuperar o fôlego depois de correr até o fim. “Não sei. É inacreditável marcar um gol tão grande.”

E ontem à noite, ele estava de volta. Chame-o de Jati Gul.

Um jogador de origem humilde, cujo currículo inclui os clubes pouco conhecidos Bavarollo, Saluzzo e Verbania, marcou o gol da vitória contra o campeão Napoli para devolver a Juventus ao topo da Série A.

READ  A lição mais importante de Patrick Willis detalhada pelo ex-estrela do 49ers Eric Reid - NBC Sports Bay Area e Califórnia

Apenas a dupla do Leverkusen, Alex Grimaldo (sete) e Jeremy Frimpong e o ex-atacante do Atalanta no Union Berlin Robin Gosens (ambos quatro) marcaram mais gols entre os defensores do que os três de Gatti nesta temporada nas cinco principais ligas da Europa.

A defesa é atualmente a melhor forma de ataque da Juventus.

Federico Chiesa não marca nenhum gol pelo seu clube desde setembro. Seu companheiro de ataque, Dusan Vlahovic, defendeu um pênalti contra o Monza e estragou a primeira chance da Juventus contra o Napoli. Moise Kean continua sem gols e precisou de uma substituição no final de outubro, quando a frustração aumentou com dois gols anulados contra o Verona. Arkadiusz Milik não é tão eficaz como nesta fase da temporada passada.

Felizmente, cinco dos últimos oito golos da Juventus foram apontados por defesas. Bremer e Daniele Rugani assumiram o comando do Cagliari no mês passado, e o gol de Andrea Cambiasso aos 96 minutos contra o Verona foi concedido, ao contrário dos gols de Kane.

A defesa faz a diferença nas duas caixas, com RSua vitória resultou no nono jogo sem sofrer golos da Juventus em 15 partidas. Eles permitiram o menor número de chutes na área nas cinco principais ligas da Europa. Cinco dos nove gols sofridos vieram do exterior. Quatro aconteceram num jogo fora de casa contra o Sassuolo, numa noite de Setembro em que tudo correu mal: Wojciech Szczesny cometeu um erro atípico, não conseguindo manter a vantagem de Armand Llorente. Quanto a Gatti, ele marcou um gol contra ridículo no final do jogo, o que poderia ter deixado sua confiança em frangalhos, já que a Juventus perdeu pela única vez nesta temporada.

Ambos os jogadores certamente se recuperaram desde então. Por exemplo, Szczesny fez uma grande defesa no 0-0 de Olivier Giroud na vitória por 1-0 sobre o Milan, em San Siro, em Outubro. Ele repetiu o mesmo feito na sexta-feira, negando ao capitão do Napoli, Giovanni Di Lorenzo, um chute à queima-roupa com as mãos mais fortes. Entretanto, Gatti defendeu o autogolo com uma série de grandes momentos de elevação do moral que reforçaram a convicção da equipa da Juventus de que este poderia ser o seu ano.

READ  Escolhas/previsões de especialistas da semana 7 da NFL: Moneyline, Spread, Over/Under

O técnico da Juventus, Massimiliano Allegri, continua a insistir que o objetivo é apenas terminar a temporada bem o suficiente para devolver o clube à Liga dos Campeões. Mas os seus jogadores continuam a desviar-se da linha partidária.

Depois do empate em 1 a 1 com o Inter de Milão no clássico italiano há duas semanas, Adrien Rabiot, um dos capitães de Allegri, disse: “O gol, para mim “O assunto, o que conversamos entre nós no vestiário, é o Scudetto, porque somos um grupo de campeões, os melhores jogadores, e temos que pensar assim.”

(Valério Benesino/Getty Images)

Em vez de parecer arrogante, é este aspecto da humildade que chama a atenção. Juve perdeu Ópera – O espírito operário – dos anos Ronaldo na virada da década. Esta é agora uma coleção que os trabalhadores de uma das linhas fabris da Fiat em Torino podem conhecer melhor.

Weston McKennie tocou no assunto depois do jogo da noite passada.

Todos do seu lado do campo passaram por dificuldades. Gatti trabalhava em uma construção quando tinha 17 anos. Cambiasso, que marcou seu gol, também jogou na Série A e superou uma terrível lesão no joelho que sofreu em 2019. McKennie não parece ter futuro no clube. Ele foi emprestado ao Leeds United na segunda metade da temporada passada, sofreu o rebaixamento da Premier League e, inicialmente, não parecia que estaria na equipe da Juventus para a pré-temporada neste verão.

De forma mais geral, a turbulência do ano passado, quando o escândalo Prisma levou à demissão de Andrea Agnelli e à sua direcção e os pontos foram deduzidos, suspensos e novamente deduzidos, fraudaram os números e tornaram esta equipa resiliente.

Resta saber se a Juventus conseguirá ir longe ou não. A suspensão do futebol europeu irá ajudá-los em termos de congestionamento de jogos e não perderão nenhuma das suas estrelas na Taça das Nações Africanas, que dura um mês a partir de meados de Janeiro.

Allegri manda a equipe ficar no presente e não avançar muito. Mas os presságios são bons.

A Juventus lançou as bases para disputar este título.

Gatti e seus colegas devem construir sobre isso, tijolo por tijolo.

(Imagem superior: Daniele Badolato – Juventus FC/Getty Images)