agosto 7, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Esta é a preciosa "Chave do Mar Negro" de Vladimir Putin para conquistar mais países

Esta é a preciosa “Chave do Mar Negro” de Vladimir Putin para conquistar mais países

Enquanto Presidente russo Vladimir Putin Tentando redesenhar as fronteiras da Europa, dois legisladores do Capitólio, Washington, D.C. tentam descartar a cartilha antes que possam avançar com ela.

O senador Jean Shaheen (D-N.H), presidente do Subcomitê de Relações Exteriores do Senado para a Europa e Cooperação de Segurança Regional, e o senador Mitt Romney (R-Utah), que atua no mesmo comitê, apresentarão legislação ainda na terça-feira em Tentando conjurar maneiras confundir Putin.

As preocupações giram nos corredores do Congresso sobre se os Estados Unidos fizeram o suficiente para se preparar e impedir a agressão russa em Região do Mar Negropara que Putin não se sinta capaz de bater além da Ucrânia.

“Enquanto Putin continua sua guerra na Ucrânia, os Estados Unidos devem estar preparados para enfrentar os desafios de curto e longo prazo que ele criou para a segurança da Europa e dos Estados Unidos”, disse Sahin ao The Daily Beast. “Isso é exatamente o que nossa legislação procura fazer ao olhar para uma área geopolítica crítica: o Mar Negro.”

Putin sempre se interessou em aproveitar o acesso da Rússia ao Mar Negro para passar por outras nações soberanas e apagar suas fronteiras. A Rússia invadiu a Geórgia, que faz fronteira com o mar, em 2008 e anexou a Crimeia em 2014. A Rússia vem atacando a Ucrânia desde 2014 e invadindo-a novamente este ano. Mas os senadores Shaheen e Romney estão apostando na ideia de que, se os Estados Unidos prestarem mais atenção à região do Mar Negro e fizerem um esforço conjunto para apoiar as preocupações de segurança lá, os Estados Unidos poderão ter uma oportunidade de frustrar os avanços de Putin sobre o imperialismo. Cruzada pela Europa.

READ  Uma autoridade lituana disse que Biden prometeu mais apoio militar à Europa Central

Sahin disse ao The Daily Beast que focar na região do Mar Negro é necessário para isolar Putin na fonte.

“O controle do acesso ao Mar Negro é fundamental para seu sonho delirante de construir um império russo e os Estados Unidos não podem permitir que isso aconteça”, disse ela.

A legislação de Shaheen e Romney, também apoiada pelos senadores Chris Coons (D-DE), Tom Telles (R-NC), Ben Cardin (D-MD) e Roger Wicker (R-MS), exige que o governo dos EUA desenvolva uma estratégia interagências para aumentar a assistência militar com a OTAN e a União Européia e aumentar a assistência de segurança aos países do Mar Negro.

Romney disse ao The Daily Beast que o governo Biden deveria intensificar e injetar uma estratégia antes que seja tarde demais para impedir outra campanha russa.

“O Mar Negro se tornou cada vez mais crítico à medida que Vladimir Putin continua travando sua guerra gratuita na Ucrânia, e ficou claro que os Estados Unidos devem ter uma estratégia e presença na região”, disse Romney. “Nossa legislação visa alcançar isso exigindo que o governo Biden desenvolva uma estratégia para melhorar a coordenação entre os Estados Unidos, a Otan e os parceiros no Mar Negro, em um esforço para aumentar a segurança, apoiar a prosperidade econômica e promover a democracia”.

Já, os líderes mundiais de todo o mundo levantaram preocupações sobre este Putin não está interessado apenas em ir atrás da Ucrânia. O presidente ucraniano Zelensky alertou apenas no mês passado que Putin não iria parar em seu país.

Os aliados de Putin se insinuaram Cenários maiores fora da Ucrânia Em que Putin está travando batalhas de longo alcance para alcançar seus objetivos Fantasias imperiais. O presidente da câmara baixa do parlamento russo alertou na semana passada que os Estados Unidos deveriam lembrar que a Rússia deu aos Estados Unidos o Alasca no século 19 e que Moscou poderia tentar recuperá-lo. Outros sugeriram que Putin poderia competir com a Polônia, os Estados Unidos ou o Reino Unido

READ  A libertação de um homem preso em Paris pelo assassinato de Jamal Khashoggi | Jamal Khashoggi

Se os Estados Unidos e seus aliados tivessem intensificado e desenvolvido uma estratégia mais pesada na região do Mar Negro em anos, talvez não tivéssemos uma guerra russa na Ucrânia agora, de acordo com Ian Brzezinski, ex-vice-secretário adjunto de defesa para a Europa e OTAN. Política.

Uma política mais assertiva está muito atrasada. “O fracasso dos Estados Unidos e aliados da OTAN em ter uma defesa mais robusta de seus interesses no Mar Negro já irritou a Rússia e levou Putin a se tornar mais agressivo”, disse Brzezinski ao The Daily Beast. “Ele vê isso como um sinal de fraqueza e uma oportunidade para realizar suas vingativas ambições regionais”.

Cais em Odessa, Ucrânia, no Mar Negro, em 21 de fevereiro.

OLEKSANDR GIMANOV / AFP via Getty Images

“Aprendemos apenas com a Ucrânia que o fracasso de uma resposta forte à agressão convida Putin a novas agressões”, acrescentou Brzezinski.

Não se trata apenas da possibilidade de futuros ataques russos. Putin já aproveitou o Mar Negro a seu favor, mantendo as exportações de grãos e trigo como reféns através dos portos do Mar Negro da Ucrânia, potencialmente causando fome na Somália, Quênia, Etiópia e além. Comitê Internacional de Resgate para cautela.

Bill Taylor, ex-embaixador dos EUA na Ucrânia, disse ao Daily Beast que os Estados Unidos não têm uma estratégia abrangente para a região do Mar Negro, e a agressão da Rússia mostra que precisamos intensificá-la.

Há uma estratégia política que deve ser articulada. “Nós não tínhamos isso de forma coerente e precisamos disso”, disse Taylor.

Sahin disse que o bloqueio da Rússia aos portos ucranianos mostra o quanto uma política melhor na região do Mar Negro pode ajudar a controlar Putin.

“Já estamos vendo as consequências da mudança de Putin para esse fim, estrangulando os principais portos da Ucrânia, o que levou a uma crise global de alimentos”, disse Sahin ao The Daily Beast. “Sua hostilidade em relação à Ucrânia hoje está colhendo consequências globais, e é por isso que a ação estratégica é crucial para frustrar esses esforços.”

A legislação proposta abordaria mais do que apenas a ação militar. Isso exigirá que o governo produza um relatório sobre democracia, segurança e iniciativas econômicas na região e novas opções de políticas para um engajamento mais assertivo na região.

A estratégia incluirá planos para aumentar as capacidades da OTAN na região, incluindo forças terrestres e aéreas, e assistência militar especificamente para a Ucrânia, Romênia, Bulgária e Geórgia. A estratégia também incluirá planos para melhorar a coordenação com as forças da OTAN, melhores operações e sistemas de inteligência para rastrear as operações russas na região e ajudar na defesa contra a guerra híbrida – incluindo planos para apoiar uma mídia mais independente para combater as operações de influência russa.

O Conselho de Segurança Nacional e outros departamentos terão a tarefa de apresentar um plano para acelerar as transições de equipamentos militares russos antigos, de acordo com um projeto de lei. A legislação também iniciaria uma avaliação do estabelecimento de uma sede multinacional de três estrelas no Mar Negro para coordenar todas as atividades militares.

Isso também exigirá um detalhamento dos planos para reduzir A dependência da região da energia da Rússiauma questão que foi deixada sem solução por anos e tem sido um grande ponto de discórdia na diplomacia em torno da invasão da Ucrânia pela Rússia nos últimos meses.

O Pentágono já está começando a determinar o que Shaheen e Romney devem assinar. O general Mark Milley, presidente do Estado-Maior Conjunto, disse em abril que as medidas que o Pentágono estava tomando na região agora deveriam se concentrar em dois objetivos principais: “Assegurar aliados e dissuadir qualquer adversário – especificamente a Rússia”.

Testemunhando no Capitólio em abril, o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, observou que a decisão de Putin de ir à guerra na Ucrânia mudou para sempre a geopolítica da região.

“Esta agressão ilegal e injustificada de Putin teve o efeito de alterar a arquitetura de segurança na região por algum tempo”, disse Austin.