Fevereiro 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Espanha e Portugal doam 4,8 milhões de dólares. Colonna da França lidera investigação da UNRWA

Espanha e Portugal doam 4,8 milhões de dólares. Colonna da França lidera investigação da UNRWA

PARIS (Reuters) – As Nações Unidas anunciaram na segunda-feira que um painel de revisão independente investigará as alegações israelenses de que 12 funcionários da Agência de Assistência e Obras da ONU (UNRWA), que atende os territórios palestinos, participaram do ataque do Hamas em 7 de outubro contra Israel. Catherine Colonna, ex-ministra das Relações Exteriores da França, liderará o estudo. Irá investigar as alegações contra os 12 membros da UNRWA e avaliar se o grupo fez tudo o que estava ao seu alcance para garantir a sua própria neutralidade.

Colonna receberá ajuda de três institutos de pesquisa, incluindo o Instituto Raoul Wallenberg da Suécia e o Kicher da Noruega, de acordo com um comunicado do gabinete do secretário-geral da ONU, Antonio Guterres. Instituto Michelson e Instituto Dinamarquês de Direitos Humanos. O painel deverá começar a trabalhar em 14 de fevereiro e apresentará um relatório provisório ao Secretário-Geral da ONU até o final de março e um relatório final até o final de abril. “O relatório final será tornado público”, afirmou.

Os EUA suspenderam a sua contribuição para a agência em 26 de janeiro, após as alegações. “Os Estados Unidos estão profundamente preocupados com as alegações”, disse na altura o porta-voz do Departamento de Estado, Matthew Miller, acrescentando que Washington estava a rever “as medidas que as Nações Unidas estão a tomar para as resolver”. Em 29 de janeiro, os republicanos da Câmara introduziram legislação para encerrar permanentemente o financiamento da agência de refugiados do governo dos EUA.

Vários países doadores anunciaram rapidamente que estavam a suspender as suas contribuições para a agência, incluindo Alemanha, Itália, Países Baixos, Estónia e Roménia. A Suécia e a França disseram que não fariam quaisquer doações no primeiro semestre de 2024, esperando uma investigação completa.

READ  Celebrando a deslumbrante cultura do vinho em Portugal

Alguns estados membros da UE assumiram a posição oposta. A Espanha anunciou na segunda-feira que doará 3,8 milhões de dólares à Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina. Espanha junta-se a Portugal, que na semana passada se comprometeu a continuar as suas contribuições para a agência e a disponibilizar um milhão de dólares adicionais para o primeiro semestre de 2024.

Dirigindo-se aos legisladores espanhóis na segunda-feira, o ministro das Relações Exteriores, José Manuel Alvarez, disse que “a situação da UNRWA é desesperadora e há o risco de as suas operações humanitárias em Gaza serem paralisadas dentro de semanas”. O anúncio da Espanha ocorreu um dia antes de Albarez partir para uma viagem ao Médio Oriente, passando pelo Qatar, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos, no que o seu ministério chamou de “uma nova iniciativa para promover soluções para a crise do Médio Oriente”. Álvarez visitou o Líbano e o Iraque pela última vez em 23 de janeiro, onde prometeu que a Espanha estaria envolvida de forma mais significativa na região.

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, João Gómez Gravinho, que participou na Cimeira Europeia em Bruxelas na passada sexta-feira, disse ter-se reunido com o comissário-geral da UNRWA, Philippe Lazzarini, e estar totalmente confiante e satisfeito com as suas explicações. Dentro da UNRWA.” O ministro português acrescentou: “O trabalho da UNRWA é essencial, por isso continuaremos a apoiar a UNRWA.” Explicou que o seu país faria uma contribuição adicional especial para a agência, acrescentando: “Este milhão adicional virá agora em diferentes situações, já que alguns países anunciaram que vão congelar o seu financiamento. No contexto”, enfatizou.

Espanha e Portugal não são grandes doadores da agência. Espanha ocupa o 17º lugar na lista de doadores com 13 milhões de dólares em 2022, e Portugal ocupa o 60º lugar com 105 mil dólares. Os maiores doadores para a UNRWA em 2022 foram os Estados Unidos (343 milhões de dólares), a Alemanha (202 milhões de dólares), a União Europeia (114 milhões de dólares), a Suécia (60 milhões de dólares) e a Noruega (34 milhões de dólares). À medida que a crise humanitária em Gaza crescia, Madrid decidiu expandir significativamente a sua ajuda humanitária aos territórios palestinianos e Espanha aumentou a sua doação para 2023 em Dezembro, dando à agência um total de 20 milhões de dólares por ano.

READ  Portugal corta irrigação de campos de golfe em pólo turístico algarvio atingido pela seca | Poderoso 790 KFGO

Um diplomata belga disse ao Al-Monitor sob condição de anonimato: “Na actual crise humanitária, a UE deve expandir a sua ajuda humanitária aos residentes de Gaza, e a liderança belga da UE irá pressionar nessa direcção. Não bloquear a UNRWA. Bastante o oposto.”

Na quinta-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros norueguês, Espen Barth Eide, criticou a decisão de vários países europeus de congelar as suas contribuições para a UNRWA. “Muitos países” percebem que a situação atual não pode durar, disse Eide à Reuters, “e estão procurando uma saída. Talvez agora, se a UNRWA vier rapidamente com uma boa resposta que seja levada a sério, eles retomarão com prazer. Eide disse que está “razoavelmente confiante” em retomar o financiamento.

O ministro das Relações Exteriores de Israel, Israel Katz, elogiou o anúncio da ONU, dizendo: “Apresentaremos todas as evidências que destacam os laços da UNRWA com o terrorismo e seus efeitos nocivos sobre a estabilidade regional”, acrescentando: “É imperativo que este comitê traga a verdade à luz. A UNRWA chefe deve renunciar imediatamente.”

O New York Times sugeriu que os militares israelenses não concordavam necessariamente que a empresa deveria ser fechada. Um relatório divulgado no sábado citou autoridades das Forças de Defesa de Israel dizendo que ficaram surpresos com o fato de informações de inteligência sobre 12 trabalhadores da UNRWA suspeitos de envolvimento no ataque de 7 de outubro terem sido vazadas para autoridades americanas. O jornal sugeriu que a UNRWA, e não os serviços de inteligência de Israel, vazou a informação para a administração Biden após ouvir o Ministério das Relações Exteriores de Israel.