Fevereiro 27, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Enorme cidade antiga encontrada na Amazônia

Enorme cidade antiga encontrada na Amazônia

  • Escrito por Georgina Ranard
  • Correspondente científico, BBC News

Fonte da imagem, Stephen Rustin

Comente a foto,

Cientistas encontraram evidências de 6.000 montes que se acredita serem as fundações de casas antigas

Uma enorme cidade antiga foi encontrada na Amazônia, escondida há milhares de anos devido à vegetação exuberante.

Essa descoberta muda o que sabemos sobre a história dos povos que vivem na Amazônia.

As casas e praças da região de Obano, no leste do Equador, estavam ligadas por uma incrível rede de estradas e canais.

A área fica à sombra de um vulcão que criou um rico solo local, mas também pode ter destruído a comunidade.

Embora soubéssemos sobre cidades nas terras altas da América do Sul, como Machu Picchu, no Peru, pensava-se que as pessoas viviam apenas como nômades ou em pequenos assentamentos na Amazônia.

“Este é mais antigo do que qualquer outro local que conhecemos na Amazônia”, diz o professor Stephen Rustin, diretor de investigações do Instituto Nacional.“Temos uma visão eurocêntrica da civilização, mas isso mostra que temos que mudar nossa ideia de o que são cultura e civilização.” O Centro de Pesquisa Científica da França, que liderou a pesquisa.

“Isso muda a maneira como vemos as culturas amazônicas”, diz o coautor Antoine Dorison. “A maioria das pessoas imagina pequenos grupos, talvez nus, vivendo em cabanas e limpando terras – isso mostra que os antigos viviam em sociedades urbanas complexas.”

A cidade foi construída há cerca de 2.500 anos e as pessoas viveram lá por até 1.000 anos, segundo arqueólogos.

É difícil estimar com precisão o número de pessoas que viviam ali num determinado momento, mas os estudiosos dizem que é certamente na região de dez mil, se não cem mil.

Os arqueólogos combinaram escavações terrestres e escanearam uma área de 300 quilômetros quadrados usando sensores laser transportados a bordo de um avião que pode identificar os restos da cidade sob densas plantas e árvores.

Esta tecnologia LiDAR encontrou 6.000 plataformas retangulares com cerca de 20 metros (66 pés) de comprimento por 10 metros (33 pés) e 2 a 3 metros de altura.

Estão dispostos em grupos de três a seis unidades em torno de uma quadra com plataforma central.

Os estudiosos acreditam que muitos deles eram casas, mas alguns serviam para fins cerimoniais. Um complexo, em Kilomobi, inclui uma plataforma de 140 metros (459 pés) por 40 metros (131 pés).

Eles foram construídos cortando colinas e criando uma plataforma de terra no topo.

Fonte da imagem, Stephen Rustin

Comente a foto,

Estradas, caminhos e canais foram encontrados conectando as plataformas, indicando que uma grande área estava ocupada

Havia uma rede de estradas retas e trilhas conectando várias plataformas, incluindo uma que se estendia por 25 quilômetros (16 milhas).

Dr Dorison disse que esses métodos foram a parte mais surpreendente da pesquisa.

“A rede rodoviária é muito desenvolvida. Ela se estende por uma distância enorme e tudo está interligado. Há ângulos retos, o que é muito impressionante”, afirma, explicando que construir uma estrada reta é muito mais difícil do que construir uma. que se ajusta. Com paisagem.

Acredita-se que alguns tiveram um “significado muito forte”, talvez ligado a uma cerimónia ou crença.

Os cientistas também identificaram pontes com valas em ambos os lados que acreditam serem canais que ajudaram a gerir a água abundante da região.

Havia sinais de ameaças às cidades – algumas valas bloqueavam as entradas dos assentamentos, talvez evidência de ameaças de moradores próximos.

Os investigadores encontraram pela primeira vez provas da existência da cidade na década de 1970, mas esta é a primeira vez que um levantamento abrangente é concluído, após 25 anos de investigação.

Revela uma sociedade grande e complexa que parece maior do que as conhecidas sociedades maias do México e da América Central.

“Imagine descobrir outra civilização como a maia, mas com arquitetura, uso do solo e cerâmica completamente diferentes”, diz José Iriarte, professor de arqueologia da Universidade de Exeter, que não esteve envolvido nesta investigação.

Algumas das descobertas são “únicas” na América do Sul, explica ele, apontando para as plataformas octogonais e retangulares dispostas juntas.

Ele diz que as comunidades estavam bem organizadas e claramente interligadas, destacando as longas estradas submersas entre os assentamentos.

Não se sabe muito sobre as pessoas que ali viviam e como eram suas comunidades.

Nas plataformas foram encontrados poços e fogões, além de potes e pedras para moer plantas e sementes queimadas.

Os povos Kilomobi e Obano que viviam lá provavelmente se concentravam na agricultura. As pessoas comiam milho e batata doce e provavelmente bebiam “chicha”, um tipo de cerveja doce.

O professor Rustin diz que foi avisado sobre esta pesquisa no início de sua carreira porque os cientistas acreditavam que não existiam grupos antigos que viviam na Amazônia.

“Mas sou muito teimoso, então fiz isso mesmo assim”, diz ele.”E agora tenho que admitir que estou muito feliz por ter feito uma descoberta tão grande.”

O próximo passo para os investigadores é compreender o que existe numa área próxima de 300 quilómetros quadrados (116 milhas quadradas) que ainda não foi pesquisada.

READ  Reino Unido e UE chegam a acordo comercial pós-Brexit na Irlanda do Norte: atualizações ao vivo