Fevereiro 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Egípcios vão às urnas em eleições ofuscadas pela guerra de Gaza

Egípcios vão às urnas em eleições ofuscadas pela guerra de Gaza

  • Sisi está se preparando para garantir um novo mandato presidencial de seis anos
  • As eleições surgem na sequência de uma longa campanha de repressão contra a oposição
  • A votação ocorrerá durante três dias e os resultados estão previstos para aparecer no dia 18 de dezembro

CAIRO (Reuters) – Os egípcios foram às urnas neste domingo para votar em uma eleição presidencial na qual Abdel Fattah al-Sisi deve ganhar um terceiro mandato, enquanto o país enfrenta uma crise econômica e uma guerra em sua fronteira com o Egito. Gaza.

Uma vitória daria a Sisi um mandato de seis anos em que as suas prioridades imediatas seriam controlar a inflação quase recorde, gerir a escassez crónica de divisas e evitar as repercussões do conflito entre Israel e o Movimento de Resistência Islâmica (Hamas) em Gaza.

A votação se estende das nove da manhã às nove da noite (07h00-19h00 GMT) durante três dias, e os resultados estão programados para serem anunciados em 18 de dezembro.

Quando a votação começou na manhã de domingo, pequenas multidões reuniram-se nas assembleias de voto no Cairo, onde circularam fotos de Sisi nas semanas que antecederam as eleições. As forças de controle de motins foram posicionadas nas entradas da Praça Tahrir, no centro da capital.

Os críticos vêem as eleições como uma mera farsa, após uma década de repressão à oposição. O órgão de comunicação social do governo descreveu-o como um passo em direcção ao pluralismo político.

READ  Manifestantes anti-vacina tentam invadir o parlamento búlgaro

Três candidatos são elegíveis para concorrer contra Sisi e nenhum deles é uma figura proeminente. O potencial rival mais proeminente suspendeu a sua candidatura em Outubro, dizendo que funcionários e bandidos tinham como alvo os seus apoiantes, acusações negadas pela Autoridade Eleitoral Nacional.

Autoridades e comentaristas de meios de comunicação locais fortemente controlados instaram os egípcios a votar, embora algumas pessoas tenham dito que não tinham conhecimento da data das eleições nos dias que antecederam a votação. Outros disseram que votar faria pouca diferença.

Aya Mohamed, uma gestora de marketing de 35 anos, disse: “Eu sabia que haveria eleições, mas não tinha ideia de quando seriam. Só soube disso por causa das enormes campanhas de Sisi nas ruas”.

“Sinto-me apática em relação às eleições porque não haverá mudanças reais”, disse ela.

Como chefe do exército, em 2013, Sisi liderou a derrubada do primeiro presidente democraticamente eleito do Egito, Mohamed Morsi, da Irmandade Muçulmana, antes de ser eleito presidente no ano seguinte com 97% dos votos.

Desde então, ele supervisionou a repressão a ativistas liberais e de esquerda, bem como a islamistas. Grupos de direitos humanos dizem que dezenas de milhares de pessoas foram presas.

Sisi e os seus apoiantes dizem que a campanha foi necessária para estabilizar o Egipto e enfrentar o extremismo islâmico. Apresentou-se como um baluarte da estabilidade quando o conflito eclodiu nas fronteiras do Egipto, na Líbia, e no início deste ano no Sudão e em Gaza.

Sisi foi reeleito em 2018, novamente com 97% dos votos.

Preços crescentes

No entanto, as pressões económicas tornaram-se a questão dominante para a população de 104 milhões de habitantes do Egipto, em rápido crescimento, com algumas pessoas a queixarem-se de que o governo deu prioridade a megaprojectos caros, enquanto o Estado contrai mais dívidas e os cidadãos lutam para lidar com o aumento dos preços.

READ  Forças ucranianas rompem as defesas russas no sul e avançam no leste

Imad Atef, um vendedor de vegetais no Cairo, disse: “Chega de projectos e infra-estruturas. Queremos que os preços caiam. Queremos que os pobres comam e as pessoas vivam.”

A campanha eleitoral foi caracterizada pela calma, já que Sisi seguiu um programa típico de abertura de uma exposição de comércio de armas, inspeção de estradas e realização de testes para candidatos ingressarem nas academias militares e policiais na semana anterior à votação.

Alguns analistas afirmam que as eleições, que deveriam ser realizadas no início de 2024, foram antecipadas para que as mudanças económicas – incluindo a desvalorização da já fraca moeda – pudessem ser implementadas após a votação.

O Fundo Monetário Internacional disse na quinta-feira que está em negociações com o Egito para chegar a acordo sobre financiamento adicional no âmbito de um programa de empréstimos existente de 3 mil milhões de dólares, que vacilou devido a atrasos nas vendas de ativos estatais e a uma mudança prometida para uma taxa de câmbio mais flexível. .

“Todas as indicações são de que avançaremos muito rapidamente após as eleições em termos de avançar com a reforma do FMI”, disse Hani Genena, economista-chefe do Cairo Financial Holding Bank, um banco de investimento.

(Reportagem de Farah Saafan, Sarah El-Safty e Sayed Shaasha). Escrito por Aidan Lewis, editado por Helen Popper e David Goodman.

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba