Fevereiro 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Economista-chefe da Argentina oferece tratamento de “choque” a Miley aos bancos

Economista-chefe da Argentina oferece tratamento de “choque” a Miley aos bancos

Escrito por Jorgelina do Rosário e Jorge Otaola

BUENOS AIRES (Reuters) – O ex-governador do banco central argentino Luis Caputo, favorito para ocupar o cargo de novo ministro da Economia, se reuniu com autoridades de bancos locais e internacionais nesta sexta-feira para apresentar os planos econômicos do presidente eleito, Javier Miley, três fontes e um grupo bancário disse.

A reunião no Centro de Convenções La Rural, em Buenos Aires, ocorre no momento em que Miley, que prometeu fornecer “terapia de choque” à economia sitiada, corre para montar sua equipe econômica. Caputo foi apontado como o favorito para o papel.

Mas duas fontes afirmaram que Caputo recusou durante a reunião confirmar que seria o novo ministro da Economia. Miley ainda não confirmou uma data.

No entanto, sinais de que Miley, do lado de fora, está inclinado para uma equipe mais tradicional e políticas econômicas galvanizaram os mercados esta semana, com os títulos subindo quase 14% e as ações mais de 40% desde que ele venceu o segundo turno das eleições no domingo passado.

Caputo enfatizou a ideia de um ajustamento económico súbito, necessário para reduzir a inflação para quase 150%, evitar uma recessão iminente, reverter uma série de controlos de capitais e reconstruir reservas líquidas que atingiram menos 10 mil milhões de dólares.

“A nossa abordagem é um choque fiscal e monetário desde o primeiro dia”, disse Caputo aos representantes dos bancos reunidos, de acordo com uma fonte bancária sénior que participou na reunião. “O roteiro é convencional e não tem loucuras.”

Caputo, ex-ministro das Finanças e chefe do banco central durante o governo conservador do ex-presidente Mauricio Macri, é visto como uma escolha mais tradicional para a nova administração liberal de Miley, que tomará posse em 10 de dezembro.

READ  Eleições em Montenegro: antigo líder Milo Djukanovic sofre derrota

A associação bancária local ADEBA confirmou a reunião.

O presidente da Adiba, Javier Bolzico, disse à Reuters: “Foi uma reunião em que trocamos opiniões sobre os desafios da economia e como enfrentá-los”.

“A reunião foi muito positiva, com Caputo enfatizando o equilíbrio fiscal como base do modelo e uma abordagem abrangente de mercado às obrigações de compensação do BCRA. A visão de Caputo nos deu tranquilidade e confiança”.

A equipe de Miley não respondeu a um pedido de comentário.

O partido conservador de Macri apoiou Miley no segundo turno, e seus aliados estão buscando cargos no gabinete.

Caputo não forneceu detalhes sobre como o governo de Miley planeja lidar com os gastos públicos nem o que pretende fazer com a enorme pilha de notas Lilic de curto prazo do banco central, que Miley tem como alvo porque expande a oferta monetária em pesos locais.

Caputo disse que o governo de Miley suspenderia as restrições cambiais rapidamente, disseram a primeira fonte e uma segunda fonte bancária familiarizada com a reunião, mas isso não aconteceria imediatamente. A primeira fonte acrescentou que não há planos para o dólar no curto prazo, pois há necessidade de estabilidade financeira e monetária.

“Primeiro é preciso um programa de estabilização”, disse Caputo, segundo a primeira fonte presente na reunião.

Miley fez do encerramento do banco central e da dolarização da economia elementos-chave da sua campanha eleitoral, mas admitiu que estas questões levariam algum tempo à luz da crise económica. Mas ele disse na sexta-feira que o fechamento do banco central era “inegociável”.

Caputo também disse aos representantes dos bancos que o combate agressivo à inflação é uma prioridade máxima, embora não tenha fornecido detalhes sobre como um futuro governo poderá controlar os preços.

READ  Potências mundiais, o Irã não se reunirá na Assembleia Geral das Nações Unidas

A segunda fonte do banco disse que Caputo discutiu a necessidade de atacar totalmente a inflação e reduzir a pilha Lilik, embora não tenha detalhes sobre como fazer isso.

Uma terceira fonte bancária que confirmou a reunião disse: “Dado o seu conhecimento do mercado, ele é um dos responsáveis ​​por medir a posição dos bancos perante o novo governo”.

(Reportagem de Jorgelina do Rosario e Jorge Otaola; edição de Adam Jordan e Alistair Bell)