Março 4, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Descobrindo o ecossistema “alienígena” perdido na Terra

Descobrindo o ecossistema “alienígena” perdido na Terra

Uma equipe de cientistas descobriu um ecossistema “estranho” em uma área remota do deserto do Atacama que é “diferente de tudo” visto antes.

Havia uma impressionante mistura de lagos cristalinos cercados por vastas planícies de sal na Puna de Atacama, na Argentina – um planalto gigante que se eleva a mais de 3.600 metros acima do nível do mar.

Um dos ambientes mais secos da Terra, aqui a chuva raramente – ou nunca – cai e os raios do sol atingem o terreno implacavelmente, criando um ambiente no qual poucos animais ou plantas conseguem sobreviver.

No entanto, em abril do ano passado, o geólogo Brian Hynek, da Universidade do Colorado em Boulder, estava examinando algumas imagens de satélite da área quando se deparou com o que parecia ser uma rede de lagos.

Fascinados, ele e a microbiologista Maria Farias dirigiram o máximo que puderam em direção às misteriosas formações e depois caminharam vários quilômetros sob o sol quente, segundo um pesquisador. Novo lançamento Publicado por CU.

“Em alguns lugares, estávamos mergulhados na lama salgada até os joelhos”, disse Hynek.

Mas assim que chegaram ao site, perceberam que valia a pena o esforço: tinham inventado algo muito legal.

Colinas verdes de estromatólitos florescem no fundo de um dos Lagos Atacama (Brian Hynek)

Lá, eles encontraram uma rede de 12 lagos, abrangendo 25 acres (10,1 hectares) e cercados por montanhas áridas ao longe.

Sob suas águas cintilantes, Hynek avistou enormes montes de plantas verdes, com cerca de 4,5 metros de largura e vários metros de altura.

Ele os identificou como estromatólitos, comunidades microbianas complexas que formam enormes cristas rochosas à medida que crescem, da mesma forma que os recifes de coral se constroem.

READ  A fotossíntese usa um processo surpreendentemente próximo a um condensador de Bose-Einstein

No entanto, estas coisas eram diferentes de tudo o que qualquer um dos cientistas já tinha visto antes.

Observações preliminares sugerem que estas comunidades podem assemelhar-se aos estromatólitos que existiram durante um período da história da Terra denominado Arqueano Primitivo, quando o oxigénio era quase inexistente na atmosfera.

“Este lago pode ser um dos melhores exemplos modernos dos primeiros sinais de vida na Terra”, disse Hynek.

“É diferente de tudo que eu já vi antes, ou, na verdade, diferente de tudo que qualquer cientista já viu.”

Embora existam estromatólitos na Terra hoje, inclusive na costa das Bahamas, esses conjuntos microbianos modernos tendem a ser relativamente pequenos. Eles também crescem passivamente, prendendo grãos de areia e outros detritos que flutuam no mar, observou a Universidade da Califórnia em seu comunicado à imprensa.

Em contraste, os estromatólitos antigos podem se estender até 6 metros de altura, absorvendo cálcio e dióxido de carbono da água circundante, fazendo com que os minerais precipitem ao seu redor.

Hynek usou um martelo de pedra para abrir a formação do estromatólito e expor seu centro rosa(Brian Hynek)

Os montes nos Lagos Atacama pareciam mais com essas comunidades arqueológicas do que com qualquer outra coisa viva na Terra hoje.

Suas camadas rochosas consistem principalmente de gesso, um mineral comum em fósseis de estromatólitos, mas ausente em quase todos os estromatólitos modernos.

Biologicamente, era composto por uma camada externa de micróbios fotossintéticos chamados cianobactérias e um núcleo rosa rico em archaea, organismos unicelulares frequentemente encontrados nos ambientes mais extremos do mundo.

Hynek também observou que o ambiente do lago pode se assemelhar às condições que existiam na Terra antiga, com suas águas salgadas e ácidas e exposição à intensa radiação solar (devido à sua elevada altitude).

READ  Seguro na Terra! SpaceX Crew-5 da NASA cai perto da costa da Flórida

Além disso, as comunidades de estromatólitos poderiam fornecer aos especialistas uma visão sem precedentes sobre como a vida surgiu em Marte, que se parecia com o nosso planeta há milhares de milhões de anos.

“Se a vida em Marte tivesse evoluído até ao nível fóssil, teria sido assim”, disse o geólogo e físico espacial.

“Compreender estas comunidades modernas na Terra pode dizer-nos o que procurar ao procurarmos características semelhantes nas rochas marcianas.”

Hynek (foto) descreveu a descoberta dos lagos como “o maior momento eureka” de sua vida(Brian Hynek)

Hynek e Farias esperam realizar mais experiências para confirmar que estes estromatólitos até então desconhecidos estão a construir ativamente as suas formações rochosas e para aprender como os micróbios são capazes de sobreviver em condições tão extremas.

No entanto, o tempo pode estar se esgotando.

Uma empresa sediada na Argentina já reservou a área para mineração de lítio.

Uma vez iniciado este processo, poderá devastar completamente os Lagos Atacama.

“Todo este ecossistema único pode desaparecer dentro de anos”, disse Hynek. “Esperamos poder proteger alguns desses locais, ou pelo menos detalhar o que existe antes que desapareçam ou sejam perturbados para sempre.”

Ele descreveu a descoberta do ambiente alienígena como “o maior momento de descoberta que já experimentei na minha vida”.

“É incrível que ainda possamos encontrar coisas não documentadas como essas em nosso planeta”, disse ele.

inscrição Para nosso boletim informativo semanal gratuito da Indy100

Compartilhe sua opinião em nossas notícias democráticas. Clique no ícone de voto positivo na parte superior da página para ajudar a mover este artigo para cima no ranking do indy100