dezembro 5, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Bombardeiros russos sinalizam apoio à Bielo-Rússia à medida que a crise migratória se intensifica

Bombardeiros russos sinalizam apoio à Bielo-Rússia à medida que a crise migratória se intensifica

  • Rússia envia bombardeiros nucleares sobre a Bielo-Rússia
  • A União Europeia chegou a acordo sobre a base jurídica para impor novas sanções à Bielorrússia
  • Alemanha acusa líder da Bielo-Rússia de ‘jogo de poder cínico’
  • Bielo-Rússia nega encorajar migrantes a tentarem entrar na União Europeia
  • O Kremlin diz que a UE está tentando “estrangular” a Bielo-Rússia

MOSCOU (Reuters) – A Rússia deu a rara iniciativa de enviar dois bombardeiros estratégicos com capacidade nuclear para patrulhar o espaço aéreo bielorrusso na quarta-feira, em uma demonstração de apoio a seu aliado próximo, enquanto prendia um migrante. confronto com a União Europeia.

A decisão de Moscou de aumentar a aposta veio quando o bloco de 27 países considerou impor sanções na quarta-feira para punir Minsk pelo que descreve como uma crise artificial, o que a Bielo-Rússia nega.

Varsóvia disse na quarta-feira que migrantes presos na Bielo-Rússia fizeram várias tentativas de entrar na Polônia à força durante a noite, anunciando que havia reforçado a fronteira com guardas extras.

A coordenadora de direitos humanos da ONU, Michelle Bachelet, pediu aos países que reduzam a situação e resolvam a crise “insuportável”.

“Essas centenas de homens, mulheres e crianças não deveriam ser forçados a passar outra noite em um clima congelante sem abrigo adequado, comida, água e cuidados médicos”, disse ela.

A União Europeia, que impôs repetidamente sanções à Bielo-Rússia por abusos de direitos humanos, acusa Minsk de puxar migrantes do Oriente Médio, Afeganistão e África e, em seguida, forçá-los a cruzar para a Polônia para tentar semear o caos violento no lado oriental do bloco.

Os 27 embaixadores do bloco concordaram na quarta-feira que isso equivale a uma “guerra híbrida” do presidente bielorrusso, Alexander Lukashenko – uma base legal para novas sanções.

READ  Protestos climáticos liderados por jovens se espalharam pelo mundo: atualizações ao vivo

“Estamos enfrentando um ataque híbrido brutal em nossa fronteira com a UE. A Bielo-Rússia está transformando a situação dos migrantes em uma arma de uma forma satírica e chocante”, disse o Presidente do Conselho da União Europeia, Charles Michel.

A Bielo-Rússia e sua aliada, a Rússia, culparam a Europa e o Kremlin a acusou de não cumprir seus ideais humanitários e de tentar “estrangular” a Bielo-Rússia com planos de fechar parte da fronteira. Ela disse que é inaceitável que a União Europeia imponha sanções à Bielo-Rússia por causa da crise.

Os lançadores Tupolev Tu-22M3 que a Rússia enviou para a Bielo-Rússia são capazes de transportar mísseis nucleares, incluindo mísseis hipersônicos do tipo projetado para escapar das sofisticadas defesas aéreas do Ocidente.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse esperar que os europeus não permitam que as autoridades “sejam arrastadas para uma espiral bastante perigosa”.

Um porta-voz do governo alemão disse que a chanceler alemã, Angela Merkel, pediu a Putin que pressionasse a Bielo-Rússia sobre a situação na fronteira. O Kremlin disse que Putin disse que a União Europeia deveria falar diretamente com a Bielo-Rússia.

ponto de pressão

A crise está atingindo a União Europeia em uma região vulnerável.

Em 2015, o bloco foi profundamente abalado pelo influxo de mais de um milhão de pessoas fugindo do conflito na Síria, Iraque e Afeganistão, levando a profundas divisões entre os Estados membros, sistemas de seguridade social tensos e reforçando o apoio aos partidos de extrema direita.

A UE parece mais unida desta vez, mas há alguns sinais de atrito interno com Bruxelas alertando a Polônia de que não deve usar dinheiro da UE para construir muros de fronteira e arame farpado.

Milhares de pessoas se reuniram na fronteira esta semana, onde cercas temporárias de arame farpado e soldados poloneses negaram repetidamente a entrada. Alguns imigrantes usaram troncos, pás e outras ferramentas na tentativa de romper.

READ  O Havaí relatou seu primeiro caso de omicron

“Não foi uma noite tranquila. Na verdade, houve várias tentativas de penetrar na fronteira polonesa”, disse o ministro da Defesa polonês, Mariusz Blaszczak, ao PR1.

Um vídeo da fronteira obtido pela Reuters mostrou bebês e crianças entre as pessoas presas ali.

“Há muitas famílias aqui com bebês entre dois e quatro meses. Eles não comeram nada nos últimos três dias”, disse a pessoa que forneceu o vídeo à Reuters.

A Reuters encontrou passagens rasgadas de companhias aéreas do Oriente Médio, documentos de agências de turismo e recibos na floresta perto da cidade polonesa de Hagnoka, no que parece ser um acampamento abandonado. Sapatos, garrafas plásticas de água, sacos de dormir e sacos de lixo também foram encontrados.

O primeiro-ministro da Polônia disse que a União Europeia precisa proibir voos do Oriente Médio para a Bielo-Rússia.

reforços

Os guardas de fronteira poloneses relataram 599 tentativas de cruzar ilegalmente a fronteira na terça-feira, com 9 presos e 48 devolvidos. Plaszak disse que a força de soldados poloneses estacionados na fronteira aumentou de 12.000 para 15.000.

A União Europeia acusa Lukashenko de usar táticas de “estilo gangster” no impasse na fronteira de meses em que pelo menos sete migrantes foram mortos. Três diplomatas da UE disseram à Reuters que as novas sanções da UE terão como alvo cerca de 30 indivíduos e entidades, incluindo o ministro das Relações Exteriores da Bielo-Rússia. Consulte Mais informação

A crise estourou depois que a União Europeia, os Estados Unidos e a Grã-Bretanha impuseram sanções à Bielo-Rússia por sua violenta repressão aos protestos de rua em massa provocados pela controversa vitória eleitoral de Lukashenko em 2020.

Lukashenko recorreu à Rússia, um aliado tradicional, em busca de apoio e financiamento para resistir aos protestos. A Rússia considera a Bielo-Rússia uma zona-tampão estratégica contra a OTAN.

READ  Um homem foi esmagado até a morte por seu próprio carro no McDonald's no Canadá

A Polônia nega as acusações de grupos humanitários de que está violando o direito internacional de asilo ao retornar os migrantes à Bielo-Rússia, em vez de aceitar seus pedidos de proteção. Varsóvia diz que suas ações são legais.

Alguns migrantes reclamaram de serem repetidamente empurrados para frente e para trás por guardas de fronteira poloneses e bielorrussos, colocando-os em risco de exposição e sem comida e água.

Reportagem adicional de Alan Sharlish em Suprasl, Polônia, Andrius Setas em Kapsiamists, Lituânia, Kasper Pemble e Felix Huska em Hajnoka, Joanna Ploczynska, Anna Cooper e Paul Florkewicz em Varsóvia, Robin Emmott em Bruxelas, Kirsty Knolly em Berlim, Dmitriy Kitshenskátonov e Dmitriy Kitshenskátonov e Dmitriy Kitshenskátonov e Kitschen Antonov em Moscou e Matthias Williams em Kiev; Escrito por Matthias Williams, Andrew Osborne e Mark Trevelyan; Edição de John Stonestreet e Philippa Fletcher

Nossos critérios: Princípios de confiança da Thomson Reuters.