Abril 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

As negociações de cessar-fogo continuam em meio a preocupações sobre Rafah

As negociações de cessar-fogo continuam em meio a preocupações sobre Rafah

Ele joga

As negociações continuaram na quarta-feira no Cairo, Egito, pelo segundo dia, enquanto vários países tentavam chegar a um acordo diplomático para parar os combates em Gaza e libertar os reféns.

As reuniões foram prorrogadas a partir de terça-feira, quando os líderes dos Estados Unidos, Israel, Egito e Catar não alcançaram um avanço, mas concordaram em continuar a “consulta e coordenação”. De acordo com a Reuters.

Entre as principais questões que impedem um acordo estão a promessa de Israel de esmagar o Hamas e continuar responsável pela segurança em Gaza após a guerra, e as exigências do Hamas para um cessar-fogo permanente e a retirada de todas as forças israelitas dos territórios devastados pela guerra.

As negociações decorrem antes do esperado ataque militar israelita à cidade de Rafah, localizada no extremo sul da Faixa de Gaza, onde 1,4 milhões de pessoas se reúnem em busca de segurança da guerra. Israel afirma que a operação é necessária para desmantelar o último reduto do Hamas, enquanto organizações humanitárias, incluindo as Nações Unidas, alertam que uma invasão da cidade seria desastrosa.

O presidente Joe Biden alertou no domingo Israel contra a invasão de Rafah, a menos que houvesse um plano para garantir a segurança dos civis lotados na cidade, que tinha uma população pré-guerra de 280.000 habitantes.

Nos dias que se seguiram, Israel lançou ataques aéreos mortais contra Rafah em operações que disse fazerem parte de missões de resgate de reféns, que trouxeram dois dos cativos para um local seguro no domingo. Dezenas de palestinos foram mortos em ataques aéreos contra a cidade de Rafah desde o fim de semana. Os civis da cidade densamente povoada já começaram a fugir.

Desenvolvimentos:

∎ Os militares israelitas realizam uma série de ataques aéreos no Líbano depois de um ataque com foguetes daquele país ter ferido pelo menos oito pessoas no norte de Israel. De acordo com o jornal Times of Israel. O Hezbollah, o grupo armado apoiado pelo Irão que opera no Líbano, não assumiu a responsabilidade pelo ataque.

∎ Mais de 28 500 pessoas, a maioria mulheres e crianças, foram mortas em Gaza desde 7 de Outubro, quando o Hamas lançou um ataque a Israel, matando cerca de 1 200 pessoas e fazendo 250 reféns, desencadeando a guerra.

A proposta de evacuação israelense para Rafah inclui 15 locais com cerca de 25 mil tendas montadas no sudoeste de Gaza e hospitais de campanha controlados pelo Egito. O Wall Street Journal informouCitado por autoridades egípcias.

No domingo, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu disse à ABC que Israel forneceria corredores seguros para os civis fugirem de Rafah e irem para áreas desocupadas pelo exército.

Mas grupos de ajuda humanitária disseram que não havia para onde ir as pessoas que se refugiaram em Rafah e que a maior parte das outras partes da Faixa foram destruídas por operações militares israelitas, incluindo a Cidade de Gaza e Khan Yunis. A Agência das Nações Unidas de Assistência e Obras aos Refugiados da Palestina afirmou que pouca ajuda chegou ao norte de Gaza nas últimas semanas e que, como resultado, centenas de milhares de pessoas sofrem de fome extrema.

Enquanto isso, autoridades egípcias e um diplomata ocidental disseram que se ondas de palestinos que tentam fugir da invasão israelense de Rafah entrarem no Egito, o país suspenderá o tratado de paz alcançado em Camp David no final da década de 1970, informou a Associated Press.

Contribuindo: Associated Press, John Bacon, Jorge L. Ortiz