Fevereiro 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

As forças dos EUA realizaram uma série de ataques contra milícias apoiadas pelo Irã no Iraque

As forças dos EUA realizaram uma série de ataques contra milícias apoiadas pelo Irã no Iraque

WASHINGTON/BAGDÁ (Reuters) – Os Estados Unidos realizaram duas séries de ataques aéreos no Iraque contra militantes apoiados pelo Irã, disseram autoridades norte-americanas nesta terça-feira, na primeira resposta anunciada dos EUA no Iraque a dezenas de ataques recentes contra forças no Iraque. Região.

Até esta semana, os Estados Unidos tinham-se mostrado relutantes em responder no Iraque devido à delicada situação política local.

O primeiro-ministro iraquiano, Muhammad Shiaa al-Sudani, tem controlo limitado sobre as milícias apoiadas pelo Irão, cujo apoio precisava para conquistar o poder há um ano e que agora formam um bloco poderoso na sua coligação governante.

Os militares dos EUA disseram em comunicado que o ataque ocorrido na noite de terça-feira teve como alvo duas instalações no Iraque.

“Os ataques foram uma resposta direta aos ataques contra as forças americanas e da coalizão por parte do Irã e de grupos apoiados pelo Irã”, disse o comunicado.

Um oficial de defesa dos EUA, falando sob condição de anonimato, disse que o ataque lançado por caças teve como alvo e destruiu o centro de operações do Kataib Hezbollah e o centro de comando e controle do Kataib Hezbollah perto de Anbar e Jurf al-Saqr, ao sul de Bagdá.

A milícia das Brigadas Iraquianas do Hezbollah é uma poderosa facção armada com laços estreitos com o Irão.

O responsável disse que membros das Brigadas do Hezbollah estavam presentes, mas que as vítimas estavam a ser avaliadas.

Autoridades americanas disseram que há cerca de 24 horas, as forças americanas foram atacadas em uma base aérea a oeste de Bagdá, e uma aeronave militar americana AC-130 respondeu em legítima defesa, matando vários militantes apoiados pelo Irã.

READ  China discute orçamento militar e alerta para escalada de ameaças

Duas autoridades norte-americanas afirmaram que a base aérea de Ain al-Asad foi atacada por um míssil balístico de curto alcance, ferindo oito pessoas e causando pequenos danos à infra-estrutura.

Até agora, os Estados Unidos limitaram a sua resposta aos 66 ataques contra as suas forças no Iraque e na vizinha Síria, pelos quais facções iraquianas aliadas ao Irão assumiram a responsabilidade, a três conjuntos distintos de ataques na Síria.

Pelo menos 62 soldados norte-americanos sofreram ferimentos leves ou lesões cerebrais traumáticas nos ataques.

Os ataques começaram em 17 de Outubro e grupos armados iraquianos ligaram-nos ao apoio americano a Israel no bombardeamento de Gaza na sequência dos ataques lançados pelo movimento palestiniano Hamas contra Israel.

Os ataques a alvos americanos puseram fim a uma trégua unilateral de um ano declarada com Washington por facções iraquianas, algumas das quais formadas na sequência da invasão americana em 2003 para combater as forças americanas, e outras em 2014 para combater o ISIS.

Contas de mídia social ligadas a facções iraquianas aliadas ao Irã publicaram um comunicado sob o nome “Resistência Islâmica no Iraque”, lamentando a morte de um membro que disseram ter sido morto em batalha contra as forças americanas na terça-feira, sem entrar em detalhes.

A sua morte é a primeira vítima anunciada publicamente no Iraque ligada à guerra de Gaza, que atraiu outras facções da rede iraniana de milícias regionais conhecidas como Eixo da Resistência, como o Hezbollah do Líbano.

Os Estados Unidos têm 900 soldados na Síria e 2.500 soldados no Iraque numa missão que diz ter como objetivo prestar aconselhamento e assistência às forças locais que tentam impedir o regresso do ISIS, que em 2014 assumiu o controlo de grandes áreas do território dos dois países. antes de sua derrota.

READ  Aprovação alemã da participação da China na COSCO no porto de Hamburgo desencadeia protestos

(Reportagem de Taimur Azhari em Bagdá e Phil Stewart e Ali Idris em Washington; Preparação de Mohammed para o Boletim Árabe) Edição de Andrew Heavens, Alexandra Hudson, Chizuo Nomiyama, Mark Porter e Leslie Adler

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenção de direitos de licenciamentoabre uma nova aba

O Correspondente de Segurança Nacional concentra-se no Pentágono em Washington, D.C., reportando sobre as atividades e operações militares dos EUA em todo o mundo e seu impacto. Ele fez reportagens em mais de vinte países, incluindo Iraque, Afeganistão, grande parte do Oriente Médio, Ásia e Europa. De Carachi, Paquistão.

Phil Stewart fez reportagens em mais de 60 países, incluindo Afeganistão, Ucrânia, Síria, Iraque, Paquistão, Rússia, Arábia Saudita, China e Sudão do Sul. Correspondente de segurança nacional premiado baseado em Washington, Phil apareceu na NPR, no PBS NewsHour, na Fox News e em outros programas e moderou eventos de segurança nacional, incluindo o Fórum de Defesa Nacional Reagan e o Fundo Marshall Alemão. Ele recebeu o Prêmio Edwin M. Hood por Correspondência Diplomática e o Prêmio Joe Galloway.