Junho 15, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Apesar da crise política, Moody’s elevou o rating de Portugal em dois níveis

Apesar da crise política, Moody’s elevou o rating de Portugal em dois níveis

A sede do banco português “Banco Português de Negócios” é vista em Lisboa, a 2 de novembro de 2008. O governo de Portugal nacionalizou o Banco Português de Negócios (BPN), um pequeno banco privado atingido pela crise financeira internacional no domingo. País ibérico. REUTERS/José Manuel Ribeiro (Portugal) Obtenha direitos de licenciamento

Lisboa, nov. 18 (Reuters) – A Moody’s elevou a classificação de emissor de longo prazo de Portugal para A3, de Baa2, em meio a uma crise política após a renúncia do primeiro-ministro do país em meio a uma investigação sobre supostas irregularidades em seu governo.

A agência de classificação disse num relatório na noite de sexta-feira que a atualização “reflete os efeitos positivos do crédito provisório das reformas econômicas e financeiras contínuas, da entrega do setor privado e do fortalecimento do setor bancário”.

A melhoria na classificação ocorreu apesar da renúncia do primeiro-ministro Antonio Costa na semana passada, em meio a uma investigação sobre suposta corrupção governamental em contratos multibilionários de lítio, hidrogênio “verde” e centros de dados.

O Presidente Marcelo Rebelo de Sousa convocou eleições antecipadas para 10 de março.

A Moody’s disse que as instituições do país parecem estar a lidar com a crise de “maneira eficaz e transparente”.

No entanto, a agência alertou que a incerteza política prolongada devido a possíveis atrasos no investimento privado e público poderia ter um impacto negativo na actividade económica e levar a um défice mais amplo no médio prazo do que o actualmente previsto.

O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse que a atualização mostra que “os fundamentos da economia são fortes e Portugal tem um lugar no grupo de países com elevada qualidade de crédito e excelente credibilidade internacional”.

“Precisa ser protegido”, acrescentou Medina.

O orçamento para 2024, que deverá ser aprovado pela maioria parlamentar socialista em 29 de Novembro, verá o crescimento económico abrandar para 1,5% em 2024, face ao crescimento de 2,2% esperado para este ano.

Projeta um excedente de 0,2% do PIB no próximo ano, depois de um excedente de 0,8% em 2023, e prevê que o rácio da dívida pública caia de 103% para 98,9% do PIB.

A Moody’s afirmou: “Com um forte crescimento e orçamentos amplamente equilibrados, os encargos da dívida cairão rapidamente entre as economias avançadas”.

Apela a “investimentos públicos e privados significativos e à implementação de novas reformas estruturais”, ambos ligados ao plano de recuperação do país.

Reportagem de Sergio Gonçalves; Edição de David Latona e Clélia Ozill

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.

Obtenha direitos de licenciamentoAbre uma nova aba