outubro 2, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Analistas alertaram que as sanções aumentam significativamente a chance de a Rússia dar calote em sua dívida internacional

Analistas alertaram que as sanções aumentam significativamente a chance de a Rússia dar calote em sua dívida internacional

Uma placa do lado de fora dos escritórios do JP Morgan Chase & Co em Nova York, EUA, 29 de março de 2021. REUTERS/Brendan McDermid

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

LONDRES (Reuters) – Analistas do JPMorgan e de outros países alertaram nesta quarta-feira que as sanções contra a Rússia aumentaram dramaticamente a chance de inadimplência de sua dívida governamental em dólares e outros mercados internacionais.

A Rússia tem mais de US$ 700 milhões em pagamentos de títulos do governo com vencimento neste mês. Embora teoricamente tenha reservas suficientes para cobrir dívidas, certos congelamentos de ativos e outras ações podem afetar sua capacidade de pagamento. Consulte Mais informação

“Sanções de entidades governamentais russas pelos Estados Unidos, contramedidas dentro da Rússia para restringir pagamentos estrangeiros e interrupção de cadeias de pagamento apresentam obstáculos significativos para a Rússia pagar títulos no exterior”, disse o JPMorgan em nota aos clientes.

Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

“As sanções… aumentaram significativamente a probabilidade de o governo russo deixar de pagar os títulos em moeda forte.”

O banco central e o Ministério das Finanças não responderam a um pedido da Reuters para comentar sobre a possibilidade de um calote.

Analistas do JPMorgan disseram que a primeira data de crise é 16 de março, quando o cupom de títulos vence, embora, como grande parte da dívida da Rússia, esses títulos tenham “períodos de carência” de 30 dias, o que pode atrasar qualquer momento oficial de inadimplência. 15 de abril.

A Rússia tem pouco menos de US$ 40 bilhões em dívidas do mercado internacional, ou dívida em “moeda forte”, como é conhecida. Embora seja uma quantia pequena para uma economia de importância para a Rússia, qualquer impulso perdido desencadeará uma cadeia de eventos.

READ  Agravamento da crise ucraniana desestabiliza estoques e leva a preços mais altos do petróleo

As principais agências de classificação de crédito, como S&P Global, Moody’s e Fitch, todas com grau de investimento para a Rússia na semana passada, rebaixarão coletivamente suas classificações.

O JPMorgan estimou que US$ 6 bilhões em swaps de inadimplência (CDS) que os detentores de títulos compraram como apólice de seguro também precisariam ser pagos, embora o processo possa ser complicado se mais multas por dívida forem impostas.

Os temores de default vêm logo após um alerta do Instituto de Finanças Internacionais (IIF) nesta semana, que observou como quase metade dos US$ 640 bilhões em reservas cambiais da Rússia foram congelados devido a sanções internacionais. Consulte Mais informação

A Capital Economics também alertou na quarta-feira sobre o risco crescente de inadimplência. Ele disse que prejudicaria principalmente os investidores internacionais – estrangeiros detinham US$ 20 bilhões em dívida do governo russo denominada em dólares e rublos no final do ano passado, segundo o Banco Central da Rússia -, embora também afetasse a reputação de Moscou nos mercados internacionais.

“A possibilidade de que o governo e as empresas sejam incapazes ou não queiram pagar a dívida externa aumentou dramaticamente”, disse Jackson.

O calote da Rússia na dívida internacional se aproxima
Registre-se agora para obter acesso ilimitado e gratuito ao Reuters.com

(Reportagem de Mark Jones) Edição por Karen Stroecker e Mark Potter

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.