Março 4, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A estranha separação entre Espanha e Portugal

A estranha separação entre Espanha e Portugal

Abra o Editor’s Digest gratuitamente

Um e-mail muito inócuo me causou problemas. Sem pensar, digitei apressadamente minha assinatura habitual. A reprimenda do oficial português foi rápida e severa. “Por favor, não diga ‘salutos’.” É uma palavra muito espanhola.

Claro que é. Era “carinhosamente” espanhol e a minha assinatura tocou num nervo, atraindo-me para um mundo psicodélico Portugal-Espanha feito de história, orgulho e estereótipos estranhos.

Serão as generalizações abrangentes sobre os vizinhos ibéricos inúteis, se não ofensivas? Eles quase convidam você a montá-los. Eles coexistem numa península separada do resto da Europa pelos Pirenéus e do mundo pelo mar. Eles compartilham praias e vinhos, impérios e ditadores do passado, pequenas fábricas e famílias unidas. Eles são chamados de “países irmãos”. As multinacionais estrangeiras tratam-nos como um mercado único. Caramba, sou o correspondente do FT em Espanha e Portugal. Mas tenha cuidado com generalidades.

Há um velho ditado que diz que a dupla está “nas costas de dois países”, procurando amigos, comércio e ideias em qualquer lugar, menos na vizinha. Ainda há muita verdade nisso, especialmente se desconsiderarmos as palavras calorosas obrigatórias do governo sobre as relações bilaterais. Mas suas visões de mundo também diferem bastante.

João IV tornou-se o primeiro rei de Portugal em 1640, após 60 anos de ocupação. © Museu Militar, Lisboa

Enraizado em séculos de invasões, derramamento de sangue e ameaças de Espanha, Portugal nutre um medo profundo do seu vizinho maior. O dia 1º de dezembro marcou a sua libertação em 1640 dos 60 anos de ocupação de Castela, que se transformou no Reino de Espanha. O seu vizinho Portugal está sempre à procura de aliados marítimos, sendo o mais antigo a Inglaterra. É cerca de um quinto da Espanha em população e área territorial. Se recuar, “a forma de Portugal se defender é nunca provocar, manter distância”, afirma Rafael Valladares, historiador espanhol do país.

READ  Moda: originalidade, economia e diversidade são os elementos de destaque

Portugal é um país de imigrantes, mas apenas 106 mil dos seus cidadãos vivem em Espanha – em comparação com 1,2 milhões em França. A atitude de Espanha em relação a Portugal foi de indiferença. Uma expressão desdenhosa é “Portu-que?” Isso resume tudo. Quando perguntei a um amigo de Madrid o que me lembrava o país, ele fez uma pausa e depois disse “pedaços” (da sua indústria têxtil). Os espanhóis visitam nos feriados – mas podem irritar os habitantes locais desfilando em seu próprio idioma. Um cientista social português afirma: “O que precisamos de compreender é o pressuposto de que as classificações.

Na verdade, muitos portugueses conseguem entender o espanhol porque as línguas são próximas e a fonética do espanhol é muito simples (possui cinco sons vocálicos). Mas o inverso não é verdade. Os portugueses adoram responder na sua língua, o que deslumbra os espanhóis, com as suas consoantes escorregadias e até 15 sons vocálicos.

Portugal pode ter deixado de ser o país mais rico do mundo (graças ao ouro brasileiro) para se tornar o mais pobre da Europa Ocidental, mas o seu povo muitas vezes sente-se culturalmente superior ao espanhol, e alguns podem ser rudes e arrogantes. Enquanto Espanha tem bares animados, Portugal tem pastelarias tranquilas. A recepcionista de um hotel reclamou dos espanhóis falando alto ao telefone no check-in e me disse que “é preciso haver regras”.

Os portugueses gostam de ser os europeus do Norte da Europa do Sul. Os espanhóis os descreveram para mim como reservados e frios. Mas um chefe do executivo português disse-me o contrário: “Temos a ideia de que os espanhóis são a parte mais feliz de nós”.

READ  TAP e ANA fazem parceria para entregar primeiro voo SAF para Portugal

Nas fronteiras, as diferenças desaparecem. Os galegos têm mais em comum com o norte de Portugal do que com o resto de Espanha. Os portugueses compram a sua gasolina em Espanha, onde os impostos são mais baixos. Os espanhóis compram comida barata em Portugal. Os adeptos do clube espanhol Celta Vigo, a cerca de 30 quilómetros da fronteira, são insultados pelos rivais como “portugueses” – e alguns até aceitam isso.

Mas há também a aldeia fronteiriça de Olivença, um território disputado desde a sua ocupação pela Espanha em 1801. O governo de Lisboa, chamando-a de Olivença, insiste que pertence a Portugal. Já sei o que direi aos portugueses sobre a tentativa de reconquista da aldeia. “Bom trabalho” significa aproximadamente “boa sorte com seu trabalho”. Como agora sei, este é um login de email comum em Portugal.

barney.jopson@ft.com