Fevereiro 20, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A energia eólica oferece muitos benefícios para Portugal.  Seu potencial é ainda maior

A energia eólica oferece muitos benefícios para Portugal. Seu potencial é ainda maior

A energia eólica oferece muitos benefícios para Portugal. Seu potencial é ainda maior

&cópia de Natanael Viera, Unsplash

A energia eólica é a principal fonte de eletricidade em Portugal e a cadeia de abastecimento eólica tem uma forte presença nesse país. Embora a energia eólica offshore ofereça novas perspectivas, é importante habilitar e reenergizar rapidamente os parques eólicos offshore para que o país possa continuar a colher os benefícios da energia eólica.

A energia eólica será a maior fonte de produção de energia renovável em Portugal em 2023, à frente da energia hídrica. É responsável por 29% da procura de electricidade em Portugal. Portugal quer produzir 85% da sua eletricidade a partir de fontes renováveis ​​até 2030.

Em 2023, as energias renováveis ​​contribuíram com 71% da produção de eletricidade em Portugal, com a quota a ultrapassar os 80% no mês ventoso de dezembro. Durante 5 dias completos, de 31 de outubro a 6 de novembro, Portugal produziu mais eletricidade do que necessitava inteiramente a partir de fontes renováveis.

Mais energia eólica e outras energias renováveis ​​no mix energético significam maior segurança energética para Portugal, pois reduz a necessidade de importar combustíveis fósseis caros do resto do mundo. Significa também contas de electricidade mais baixas para os portugueses. Um passo estudar As energias renováveis ​​serão responsáveis ​​por poupanças significativas nas faturas de eletricidade dos consumidores até 2022, sendo a energia eólica um dos principais contribuintes.

As empresas renováveis ​​empregam cerca de 45.000 pessoas em Portugal (empregos diretos e indiretos). Só a energia eólica proporciona empregos para quase 20.000 pessoas. A Siemens Gamesa e a ENERCON fabricam pás para aerogeradores em Vagos e Viana do Castelo respetivamente, e a CS Wind fabrica torres metálicas e fundações offshore nas suas fábricas de Sever do Vouga e Gafanha da Nazaré. A Vestas opera um centro de I&D e design no Porto.

READ  Guedes ficou desanimado quando Portugal empatou com a Geórgia

Quase todos os parques eólicos em Portugal são onshore. O país quer atingir 10,4 GW de energia eólica até 2030, dos 6 GW atuais. A repotenciação de parques eólicos que cheguem ao fim da sua vida útil entre agora e o final da década – substituindo turbinas mais antigas por outras mais novas e mais eficientes – deverá ajudá-los a atingir este objectivo. Quase triplica a produção de energia eólica e reduz em um quarto o número de turbinas em um único local. Como os moinhos de vento mais antigos geralmente estão em locais melhores, energizá-los novamente com máquinas mais potentes melhorará o jogo.

Mas permitir que isso realmente faça a diferença. Permitir parques eólicos novos e reciclados em Portugal e em toda a Europa ainda é lento e muito complicado. As novas regras da UE deverão ajudar a acelerar o processo, e o mais recente pacote de energia eólica da Comissão Europeia inclui disposições para digitalizar os procedimentos de licenciamento.

Portugal tem apenas um pequeno parque eólico offshore: WindFloat Atlantic, um projeto piloto eólico flutuante de 25 MW. Mas Lisboa quer aproveitar os seus abundantes recursos eólicos na costa atlântica e fazer mais energia eólica offshore. Lançou a fase inicial do primeiro leilão eólico offshore em novembro de 2023. O objetivo é 3,5 GW de capacidade – principalmente eólica flutuante.

Os portos portugueses desempenharão um papel cada vez maior no desenvolvimento da energia eólica offshore. Os portos de Averio, Figueira da Foz e Setúbal já são membros da Plataforma Portuária da WindEurope, onde 35 portos europeus com operações ativas e interesses em energia eólica offshore partilham as melhores práticas e interagem com a indústria e os decisores políticos.

READ  O escritório português está a expandir a sua presença africana