Março 4, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A cor da luz não afeta os padrões de sono ou o relógio interno • Earth.com

A cor da luz não afeta os padrões de sono ou o relógio interno • Earth.com

A visão, um processo complexo, depende da conversão de diferentes comprimentos de onda de luz em impulsos elétricos que são decodificados como cores e brilho no cérebro.

Os fotorreceptores na retina, conhecidos como cones, facilitam a visão nítida, detalhada e colorida sob luz suficiente.

Por outro lado, os bastonetes contribuem para a visão em condições de pouca luz, permitindo-nos distinguir entre diferentes tons de cinza, mas com menos precisão.

Os impulsos elétricos são então transmitidos às células ganglionares da retina, que são então processadas pelo córtex visual do cérebro, resultando na percepção de uma imagem colorida.

Cor clara e seu efeito no sono

É importante notar que a luz ambiente não só nos permite ver, mas também afeta o nosso ciclo de sono e o ritmo circadiano.

Células ganglionares especializadas, como cones e bastonetes, são sensíveis à luz e reagem fortemente à luz de comprimento de onda curto em cerca de 490 nm.

Quando somos expostos à luz que consiste apenas em comprimentos de onda curtos entre 440 e 490 nanômetros, percebemos isso como azul.

Se essa luz ativar as células ganglionares, elas enviarão um sinal ao relógio interno de que chegou a hora. A intensidade da luz de cada comprimento de onda torna-se o fator decisivo, não a cor percebida.

Barras, cones e cores

Dra. Christine Bloom do Centro de Cronobiologia da Universidade Universidade de Basileiaque investiga os efeitos da luz nos humanos, levanta a questão de saber se os cones e, portanto, a cor da luz, também influenciam o relógio interno.

“As células ganglionares sensíveis à luz também recebem informações dos cones. Isto levanta a questão de saber se os cones e, portanto, a cor da luz, também influenciam o relógio interno.”

READ  Como sabemos se nosso cérebro é capaz de se reparar?

“Em última análise, as mudanças mais marcantes no brilho e na cor da luz ocorrem ao nascer e ao pôr do sol, marcando o início e o fim do dia”, diz Bloom.

Num estudo de 2019 em ratos, foi sugerido que a luz amarela tem um efeito mais forte no relógio interno do que a luz azul. No entanto, em humanos, o principal efeito da luz no relógio interno e no sono é provavelmente através das células ganglionares fotossensíveis.

“Há razões para acreditar que a cor da luz, que é codificada pelos cones, também pode estar relacionada com o relógio interno”, acrescenta o Dr. Bloom.

Estude os efeitos das cores claras

Para descobrir a verdade por trás dessas hipóteses, a equipe de pesquisa expôs 16 voluntários saudáveis ​​a estímulos de luz azul ou amarela durante uma hora tarde da noite. Um estímulo de luz branca foi incluído como condição de controle.

Os estímulos luminosos foram cuidadosamente projetados para ativar diferencialmente os cones sensíveis à cor na retina, enquanto a estimulação das células ganglionares sensíveis à luz permaneceu constante nas três condições. Isso permitiu aos pesquisadores isolar os efeitos específicos da cor no relógio interno e no sono.

“Este método de estimulação luminosa permite-nos isolar propriedades da luz que podem desempenhar um papel na forma como a luz afeta os humanos de uma forma experimental limpa”, diz Manuel Spechan, professor de cronobiologia e saúde na UCLA. Universidade Técnica de Muniqueque também participou do estudo.

No laboratório do sono, os pesquisadores avaliaram se a cor da luz afetava os relógios internos dos participantes.

Eles também avaliaram o tempo que os voluntários levaram para adormecer, a profundidade do sono no início da noite, o cansaço relatado e a capacidade de interação, que diminui naturalmente à medida que a sonolência aumenta.

READ  O lançamento do Telescópio Espacial James Webb foi adiado até 22 de dezembro

Resultados sobre cor da luz, sono e relógios internos

Os resultados do estudo indicam que o contraste da cor da luz, ao longo da dimensão azul-amarelo, não desempenha nenhum papel relevante no relógio interno ou no sono humano. Isto contradiz os resultados do estudo com ratos mencionado acima.

“Não encontramos nenhuma evidência de que a diferença de cor da luz ao longo da dimensão azul-amarela desempenhe um papel relevante no relógio interno ou no sono humano”, diz o Dr.

“Em vez disso, nossos resultados apoiam os resultados de vários outros estudos de que as células ganglionares fotossensíveis são as mais importantes para o relógio interno humano”, diz o cientista.

Manuel Spechan acredita que este estudo contribui para colmatar a lacuna entre a investigação básica e as aplicações práticas.

“Nossas descobertas mostram que talvez seja muito importante levar em consideração o efeito da luz nas células ganglionares fotossensíveis ao planejar e projetar a iluminação, “diz ele.” Os cones e, portanto, a cor desempenham um papel muito menor. “

Efeitos da “luz azul” e pesquisas futuras

Resta examinar se a cor da luz não tem efeito sobre o sono sob parâmetros variáveis, como exposição prolongada à luz ou intervalos de tempo diferentes. São necessários estudos de acompanhamento para responder a estas questões e fornecer mais informações sobre a relação entre a cor da luz, o relógio interno e o sono.

Os especialistas costumam alertar que a “luz azul” de comprimento de onda curto emitida por smartphones e tablets perturba nossos ritmos circadianos e padrões de sono.

Como resultado, é recomendado usar esses dispositivos no início da noite ou ativar o modo noturno, que reduz a luz de comprimento de onda curto e confere uma tonalidade amarelada.

READ  Pode Andrew Forrest da Fortescue, empresário de minério de ferro, salvar o planeta?

No entanto, o Dr. Bloom aponta que esta modificação amarela é um subproduto desnecessário. “Tecnologicamente, podemos reduzir a luz de comprimento de onda curto nestes ecrãs sem alterar a cor, mas os telemóveis comerciais ainda não adoptaram esta abordagem”, explica ela.

Em suma, este estudo dissipa o mito que cerca o efeito da cor da luz no relógio interno e no sono humano. Embora as células ganglionares fotossensíveis desempenhem um papel importante, a cor da luz, codificada pelos cones, é menos importante.

À medida que pesquisas futuras exploram este tópico, é essencial reconhecer o papel fundamental das células ganglionares fotossensíveis na concepção de soluções de iluminação que promovam padrões de sono saudáveis ​​e apoiem o bem-estar geral.

O estudo completo foi publicado na revista A natureza do comportamento humano.

—–

Gostou do que li? Assine nosso boletim informativo para obter artigos envolventes, conteúdo exclusivo e atualizações mais recentes.

Visite-nos no EarthSnap, um aplicativo gratuito oferecido a você por Eric Ralls e Earth.com.

—–