Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Um grande torneio feminino da NCAA não merece mais erros amadores

Um grande torneio feminino da NCAA não merece mais erros amadores

PORTLAND, Oregon – Nos minutos finais que antecederam o Tip-Off da Elite Eight na tarde de domingo, a rotina habitual do técnico do Texas, Vic Schaefer, antes do jogo, foi interrompida bruscamente.

Em vez disso, ele e o técnico do N.C. State, Wes Moore, estavam visitando a quadra do Moda Center antes de disputar uma viagem para a Final Four.

“Eu realmente gostaria de ter feito o que costumo fazer nos últimos 12 minutos antes do jogo, em vez de ficar andando por aí, tentando ver se o piso estava danificado ou não”, disse Schaefer.

Com um grupo de árbitros por perto, ele e Moore se revezaram caminhando da linha de lance livre até o topo do arco, outros pegando uma fita métrica. Numa estranha série de eventos que a NCAA ainda não explicou completamente, ambos os treinadores receberam a notícia de que havia uma discrepância entre as suas duas linhas de três pontos na quadra. Moore disse mais tarde que a submissão do banco do Texas estava correta. Schiffer disse que a audiência da Assembleia Estadual da Carolina do Norte foi mais curta.

Os dirigentes perguntaram aos treinadores como proceder. Se ambos os treinadores concordarem em continuar o jogo, o jogo terminará conforme programado. Havia a opção de trazer alguém para relinear as linhas corretamente, mas levaria cerca de uma hora, disse Schaefer. Os treinadores se perguntaram se tal atraso custaria aos jogadores o cobiçado espaço televisivo na ABC, bem como os possíveis efeitos que isso poderia ter no ritmo e na rotina de seu time.

Schaefer inicialmente relutou em jogar. Mas Moore não queria atrasar o jogo.

“Wes queria jogar e nós jogamos”, disse Schaefer. “Eu não seria o cara que disse: 'Não, não quero fazer isso'”.

Assim, o jogo começou como planejado, com NC State vencendo por 76-66 pela primeira vaga do time na Final Four desde 1998.

“Odeio dizer isso, mas tenho muitos colegas que diriam: ‘Só no basquete feminino’”, disse Schaefer sobre o assunto posteriormente. É realmente uma pena que isso tenha acontecido.

Bingo.

O que aconteceu no domingo em Portland não foi apenas uma vergonha, mas uma mancha inaceitável para a NCAA, que depois de tanta boa fé aparentemente não conseguiu organizar adequadamente o torneio feminino depois de ser exposta à desigualdade em relação ao torneio masculino em 2021.

Não é tudo culpa da NCAA, mas esta é pelo menos a quarta controvérsia que o torneio desta temporada vê desde o início da primeira rodada, em 22 de março. A seleção feminina de basquete do estado de Utah trocou de hotel por questões de segurança depois que cantos racistas foram relatados na equipe. Em Idaho. O prefeito disse que o hotel do time estava localizado a 30 milhas a leste de Spokane, Washington, onde estavam programados os jogos dos Utes, uma distância que estava dentro das regras, mas em uma cidade que tem problemas com grupos extremistas. A NCAA providenciou a transferência da equipe após o incidente.

“Para que nossos jogadores e funcionários não se sentissem seguros no ambiente do torneio da NCAA, que é caótico, mudamos de hotel”, disse o técnico Len Roberts.

No jogo da primeira rodada do NC State contra o Chattanooga, um árbitro foi afastado no intervalo porque só foi descoberto após uma denúncia de conflito de interesses. Uma rápida pesquisa no Google mostra que Tommy Paris tem mestrado em Chattanooga. No início deste fim de semana, a estrela de Notre Dame, Hannah Hidalgo, perdeu quatro minutos cruciais de jogo na derrota para o Oregon State, depois que um oficial pediu a ela para remover o piercing no nariz que ela usou durante toda a temporada.

E agora isso.

É hora de os momentos embaraçosos deixarem de ofuscar o que se tornou um grande momento no basquete feminino, tanto competitivamente quanto em termos de poder de estrela do jogo. O técnico da UConn, Geno Auriemma, estava certo quando disse no domingo que os jogos da Elite Eight deste ano – com JuJu Watkins contra Paige Bueckers, Angel Reese contra Caitlin Clark e muito mais – podem acabar sendo os mais divertidos que o esporte já viu em anos.

Esses jogadores são dominantes demais e esses treinadores são apaixonados demais pela hora amadora para assumir o que geralmente é a pós-temporada mais divertida do esporte.

“É o que é”, disse Schaefer sobre a questão dos três pontos. “É uma pena. É tudo o que posso dizer.”

Em duas declarações divulgadas no domingo, a NCAA culpou seu fornecedor – Connor Sports – pelo erro, em vez de assumir qualquer responsabilidade. A organização forneceu poucos detalhes em duas declarações – e não respondeu a várias perguntas de acompanhamento O atleta – Que o próprio Schaefer teve que explicar a situação imediatamente após sua equipe perder uma partida emocionante para o Wolfpack.

“Quer dizer, não sou o culpado aqui. Você está me perguntando sobre algo sobre o qual não tinha controle”, disse ele, rindo. “Então Vic Schaeffer não é o problema.”

A NCAA disse em comunicado que lamenta que o erro não tenha sido descoberto antes e que o tribunal será corrigido para o jogo UConn-USC de segunda-feira.

“Na conclusão do jogo e treino (de domingo) em Portland, a NCAA medirá todas as linhas e marcações da quadra no Moda Center”, dizia parte do comunicado.

“Embora o fornecedor da NCAA tenha se desculpado pelo erro, iremos investigar como isso aconteceu em primeiro lugar. A NCAA está agora trabalhando para garantir a precisão de todas as marcas de corte para jogos futuros.”

“Não temos conhecimento de quaisquer outros problemas em nenhum dos locais anteriores para partidas do campeonato masculino ou feminino.”

Moore disse que linhas incorretas foram traçadas em campo durante o torneio regional em Portland, que começou sexta-feira com oito equipes. Ambos os treinadores notaram que não tinham certeza do quanto a diferença importaria no final – especialmente para o Wolfpack, que acertou 50 por cento na faixa de 3 pontos, atrás do armador Isaiah James, que marcou 27 pontos e acertou 7 de 9 em profundidade. .

“Se você olhar, acho que arremessamos melhor do outro lado em ambos os jogos porque essa é a linha natural”, disse Moore. “Mas eu não culparia isso. Quero dizer, essas crianças… atiram tão longe (a linha dos 3 pontos) às vezes hoje em dia, quem sabe onde está a linha?” (James acertou uma flâmula tripla no início do fim de semana contra Stanford.)

“Não sei se foi uma vantagem ou uma desvantagem. Ambos desempenhamos um papel em cada ponta.

Ao voltarmos nossa atenção para os confrontos de segunda-feira – que, aliás, devem ser emocionantes – é hora do torneio retornar aos momentos mágicos que todos conhecemos e amamos.

Mas o basquete feminino ainda merece mais, começando pelo básico: dimensões precisas da quadra.

(Foto da quadra central da Moda: Ashley Young/ O atleta)