Maio 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Influenza aviária altamente patogênica foi identificada em um golfinho morto na Flórida

Influenza aviária altamente patogênica foi identificada em um golfinho morto na Flórida

Um golfinho-nariz-de-garrafa na Flórida foi encontrado infectado com gripe aviária em um caso histórico estudado por pesquisadores da Universidade da Flórida e de outras agências, destacando os riscos de transmissão deste vírus entre espécies.

Os investigadores documentaram o primeiro caso de gripe aviária em cetáceos na América do Norte num golfinho na Florida, sublinhando a necessidade de mais investigação sobre esta doença.Classificar vírus se mudando.

Um golfinho-nariz-de-garrafa na Flórida foi descoberto infectado com o vírus da gripe aviária altamente patogênico, ou HPAIV – uma descoberta feita por Universidade da Flórida Pesquisadores em colaboração com várias outras agências e um dos primeiros relatórios sobre a lista cada vez maior de mamíferos afetados por este vírus – foram publicados em Biologia da comunicação.

Investigação e análise detalhadas

O relatório documenta esta descoberta, a primeira detecção de HPAIV em um cetáceo norte-americano, desde a resposta inicial de uma equipe de resgate de animais marinhos da UF até o relato de um golfinho em perigo no condado de Dixie, Flórida, até a subsequente identificação do vírus no cérebro. e amostras de tecido obtidas no exame post-mortem.

Análises inicialmente realizadas no Laboratório de Diagnóstico Zoológico da Universidade da Flórida descartaram outros fatores potenciais em jogo na doença dos golfinhos, com o vírus HPAI sendo confirmado no pulmão e no cérebro no Laboratório de Diagnóstico de Doenças Animais de Bronson, em Kissimmee, Flórida.

Estes resultados foram confirmados pelo Laboratório Nacional de Serviços Veterinários em Ames, Iowa, que identificou o subtipo e o patótipo do vírus. O vírus foi confirmado como sendo o vírus HPAI A (H5N1) do clado HA 2.3.4.4b. A análise tecidual subsequente foi realizada no laboratório de nível 3 de biossegurança aprimorada do St. Jude Children's Research Hospital, em Memphis.

Esforços colaborativos e implicações de pesquisa

Alison Murawski, DVM, ex-estagiária do programa de Medicina de Animais Aquáticos da UF, foi a primeira autora do estudo e desenvolveu um relato de caso sobre o golfinho como parte de seu projeto de pesquisa. Viajei para Memphis e trabalhei em estreita colaboração com o Dr. Richard Wiebe, que dirige o Centro Colaborador da OMS para Estudos sobre a Ecologia da Gripe em Animais e Aves em St.

O laboratório de Wiebe investiga casos de gripe aviária em muitas espécies e tem sido fundamental para determinar onde o vírus pode ter se originado e o que ele tem de único. ARN Havia características ou mutações que poderiam indicar a sua capacidade de infectar outros mamíferos, e como o vírus poderia ser rastreado a partir desta fonte.

Os pesquisadores sequenciaram genomas de aves nativas e analisaram vírus isolados de populações de focas do nordeste.

“Ainda não sabemos de onde o golfinho pegou o vírus e mais pesquisas precisam ser feitas”, disse Wiebe.

“Esta investigação foi um passo importante na compreensão deste vírus e é um exemplo maravilhoso de onde o acaso encontra a curiosidade, tendo que responder o ‘porquê’ e depois ver como múltiplos grupos e conhecimentos transformaram isto numa maravilhosa representação de excelência colaborativa”, disse ele. . Mike Walsh, DVM, professor associado de saúde de animais aquáticos, que atuou como mentor do corpo docente de Murawski.

Referência: “Vírus da gripe aviária A (H5N1) altamente patogênico no golfinho-nariz-de-garrafa comum (Tursiops truncatus) na Flórida” por Alison Murawski, Thomas Fabrizio, Robert Osipov, Christina Kakos, Trushar Givan, Jeremy C. Jones, Ahmed Kandil, David Walker, Yasmin CM Turner, Christopher Patton, Elena A. Govorkova, Helena Hock, Susanna Miki, Brittany Barbeau, Y. Reddy Bomenini, Mia Turcetti, Christina Lantz, Lisa Kircher, Andrew B. Allison, Peter Vogel, Michael Walsh e Richard J. Webby, 18 de abril de 2024, Biologia da comunicação.
doi: 10.1038/s42003-024-06173-x