Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Sorrir muda as percepções emocionais – Neuroscience News

Sorrir muda as percepções emocionais – Neuroscience News

resumo: Os pesquisadores descobriram que um sorriso curto e induzido eletricamente pode fazer rostos neutros parecerem mais felizes, uma descoberta que é promissora para a compreensão da percepção emocional e potencialmente para o tratamento de distúrbios afetivos. O estudo utilizou estimulação elétrica facial, técnica inspirada no trabalho de Charles Darwin, para produzir sorrisos rápidos e involuntários nos participantes.

Esta nova abordagem mostrou que mesmo um sorriso fugaz pode alterar dramaticamente a percepção emocional, representando a primeira evidência deste tipo. Com implicações para discussões teóricas e aplicações clínicas, esta pesquisa poderia abrir caminho para novos tratamentos para condições como depressão, doença de Parkinson e autismo, melhorando o reconhecimento de emoções faciais.

Principais fatos:

  1. Experimentação inovadoraUsando estimulação elétrica, o estudo é o primeiro a mostrar que a ativação dos músculos do sorriso faz com que rostos neutros pareçam mais alegres.
  2. Inspiração histórica: Esta tecnologia atualiza métodos desenvolvidos por Duchenne de Boulogne e principalmente por Charles Darwin, pois aplica correntes elétricas controladas para estimular sorrisos com precisão.
  3. Potenciais aplicações clínicas: As descobertas abrem novos caminhos para explorar tratamentos para transtornos de humor e condições que afetam a expressão emocional, como a doença de Parkinson e o autismo, melhorando a compreensão das reações faciais na percepção das emoções.

fonte: Universidade de Essex

Um novo estudo conduzido pela Universidade de Essex revelou que sorrir por apenas uma fração de segundo aumenta a probabilidade de as pessoas verem felicidade em rostos inexpressivos.

O estudo, conduzido pelo Dr. Sebastian Korb, do Departamento de Psicologia, mostrou que mesmo um sorriso curto e fraco faz os rostos parecerem mais alegres.

O experimento pioneiro utilizou estimulação elétrica para provocar sorrisos e foi inspirado em fotografias que ficaram famosas por Charles Darwin.

Acontece que produzir um sorriso fraco durante 500 milissegundos foi suficiente para induzir a percepção de felicidade. Crédito: Notícias de Neurociências

Uma corrente indolor manipula temporariamente os músculos, criando um sorriso curto e incontrolável.

Esta é a primeira vez que foi demonstrado que a estimulação elétrica facial afeta a percepção emocional.

Dr. Korb espera que a pesquisa possa explorar tratamentos potenciais para a depressão ou distúrbios que afetam a expressão, como a doença de Parkinson e o autismo.

“A descoberta de que a ativação tensa, curta e fraca dos músculos faciais pode literalmente criar a ilusão de felicidade num rosto neutro ou mesmo ligeiramente triste é inovadora”, disse ele.

“É relevante para discussões teóricas sobre o papel do feedback facial na percepção emocional e tem potencial para futuras aplicações clínicas.”

Dr. Corp usou uma versão moderna de uma técnica desenvolvida pela primeira vez no século 19 pelo médico francês Duchenne de Boulogne.

Darwin publicou desenhos do trabalho de Duchenne em A Expressão das Emoções no Homem e nos Animais, seu terceiro grande trabalho sobre evolução.

Porém, a voltagem dos novos experimentos foi reduzida para garantir a segurança dos participantes e melhor controle dos sorrisos.

Usando computadores, a equipe conseguiu controlar o aparecimento de sorrisos com precisão de milissegundos.

Ao todo, 47 pessoas participaram do estudo de Essex, publicado na revista Social Cognitive and Affective Neuroscience.

Eles viram avatares digitais e foram solicitados a avaliar se pareciam felizes ou tristes. Em metade dos testes, os músculos do sorriso foram ativados quando o rosto apareceu.

Acontece que produzir um sorriso fraco durante 500 milissegundos foi suficiente para induzir a percepção de felicidade.

Dr. Korb diz que as descobertas nos ajudam a entender as reações faciais e ele espera expandir o escopo do estudo.

“Atualmente estamos conduzindo mais pesquisas para explorar ainda mais esse fenômeno em participantes saudáveis”, disse ele.

“No entanto, no futuro esperamos aplicar esta técnica para explorar o reconhecimento de emoções faciais, para pessoas com doenças como a doença de Parkinson, que são conhecidas por terem diminuição da imitação facial automática e fraco reconhecimento de emoções faciais.”

“Além disso, publicamos diretrizes para permitir que outros pesquisadores comecem a usar a estimulação elétrica dos músculos faciais com segurança”.

Sobre notícias de pesquisa de processamento emocional

autor: Ben Salão
fonte: Universidade de Essex
comunicação: Ben Hall – Universidade de Essex
foto: Imagem creditada ao Neuroscience News

Pesquisa original: Acesso fechado.
A estimulação do zigoma por meio da estimulação elétrica neuromuscular facial (fNMES) estimula a percepção de felicidade em expressões faciais ambíguas e afeta os correlatos neurais do processamento facial.“Por Sebastian Korb et al. Neurociência cognitiva social e emocional


um resumo

A estimulação do zigoma por meio da estimulação elétrica neuromuscular facial (fNMES) estimula a percepção de felicidade em expressões faciais ambíguas e afeta os correlatos neurais do processamento facial.

O papel do feedback facial no reconhecimento de emoções faciais permanece controverso, em parte devido às limitações dos métodos atuais para manipular a ativação muscular facial, como fazer voluntariamente uma expressão facial ou segurar uma caneta na boca. Na verdade, esses procedimentos são limitados no controle sobre quais músculos são (desativados), quando e em que grau.

Para superar essas limitações e investigar de forma mais controlada se o reconhecimento de emoções faciais é modulado pela atividade muscular facial, utilizamos a estimulação elétrica neuromuscular facial controlada por computador (fNMES). Num experimento de EEG pré-gravado, expressões faciais ambíguas foram classificadas como felizes ou tristes por 47 participantes.

Em metade dos ensaios, o sorriso fraco foi induzido com fNMES aplicado no músculo zigomático maior bilateral por 500 ms. A probabilidade de classificar expressões faciais ambíguas como felizes foi significativamente aumentada usando fNMES, como mostrado nos modelos lineares mistos frequentistas e bayesianos. Além disso, o fNMES reduziu a amplitude do P1, N170 e LPP.

Estes resultados sugerem que o feedback facial induzido por fNMES pode influenciar o reconhecimento de emoções faciais e modificar os correlatos neurais do processamento facial. Concluímos que o fNMES tem potencial como ferramenta para estudar os efeitos do feedback facial.