maio 17, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Sergei Shoigu: As perguntas estão pairando sobre o paradeiro do ministro da Defesa russo

Sergei Shoigu: As perguntas estão pairando sobre o paradeiro do ministro da Defesa russo

Shoigu, um aliado próximo do presidente Presidente russo Vladimir PutinEle manteve um perfil discreto recentemente, apesar de ter desempenhado um papel de liderança na invasão russa da Ucrânia. A agência de investigação independente da Rússia, AgnesTevo, informou na quarta-feira que Shoigu está com problemas de saúde, citando fontes anônimas do ministério.
Peskov evitou perguntas na quinta-feira sobre a saúde de Shoigu. Quando perguntado pela CNN sobre a ausência de Shoigu, ele disse: “O ministro da Defesa tem muito no momento”. “A operação militar especial continua. Claro, agora não é hora de atividade da mídia, isso é completamente compreensível.”

Um porta-voz do Kremlin se recusou a refutar a reportagem do Agentstvo quando perguntado pela CNN. “Eu não posso. Você não deve ouvir o meio de comunicação Agestvo. Por favor, resolva o assunto [these questions to] Ministro da defesa “.

Shoigu apareceu na transmissão do Channel One em 18 de março, disse o canal russo naquele dia, mas jornalistas russos especularam que o evento que estava sendo transmitido era de 11 de março.

O canal de TV estatal Rossiya 24 exibiu as imagens na quinta-feira De uma reunião virtual que Shoigu participou, mas não disse quando foi a reunião.

O locutor citou Peskov dizendo que Shoigu estava enviando um relatório ao Conselho de Segurança Nacional sobre a operação militar na Ucrânia à distância. A filmagem da transmissão, que interrompeu uma entrevista ao vivo, não mostrou Shoigu falando, mas sua foto apareceu na tela entre outros participantes da videochamada que se reportaram a Putin.

Durante uma reunião televisionada do Conselho de Segurança da Rússia em 11 de março, Shoigu disse a Putin que sua invasão da Ucrânia havia sido realizada com sucesso. Apesar das evidências O oposto.

Líderes ocidentais disseram na época que os militares russos encontraram obstáculos e resistência não planejada.

READ  Como a Estônia quer ficar longe da propaganda russa

“Tudo está indo de acordo com o planejado”, disse Shoigu. “Estamos relatando a vocês aqui todos os dias desta semana.”

Ele também afirmou que o exército russo recebeu mais de 16.000 pedidos de voluntários no Oriente Médio que queriam se juntar à guerra na Ucrânia.

O ministro da Defesa também pediu a Putin que lhe fornecesse mais armas para armar as regiões separatistas do Donbass da Ucrânia.

O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, disse em um comunicado na quinta-feira que os líderes militares russos, incluindo Shoigu, estão obstruindo seus colegas americanos e recusaram convites desde o início da invasão. Ele acrescentou que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, e o presidente do Estado-Maior Conjunto, Mark A. Mili “procuraram e ainda estão buscando contatos com seus colegas russos. O ministro Shoigu e o general (Valery) Gerasimov até agora se recusaram a participar”.

“Continuamos a acreditar que a comunicação entre os líderes de defesa dos EUA e da Rússia é fundamental neste momento”, acrescentou Kirby.

A CNN informou anteriormente que a última vez que Austin falou com Shoigu foi em 18 de fevereiro. A última vez que Mili falou com Gerasimov foi em 11 de fevereiro.

O enviado pede demissão

As especulações sobre a saúde de Shoigu surgem quando Anatoly Chubais, um membro de longa data do governo russo, é a figura mais proeminente no Kremlin a renunciar desde o início da guerra, há um mês.

Peskov confirmou que Chubais renunciou ao cargo de enviado climático de Putin, mas negou qualquer conhecimento da alegada oposição de Chubais à invasão da Ucrânia.

“Não, o Kremlin não sabe nada sobre isso”, disse Peskov à CNN quando solicitado a comentar sobre relatos de que Chubais havia renunciado ao cargo por sua desaprovação à decisão de Putin de ir à guerra na Ucrânia.

Anatoly Chubais se tornou a figura mais importante do Kremlin a renunciar desde o início da guerra, há um mês.

Peskov também enfatizou que sua carta de demissão deve ser enviada ao próprio Putin.

READ  Novas casas na Inglaterra devem ter pontos de recarga de carros elétricos

“Os nomeados por decreto presidencial estão escrevendo (cartas de renúncia) endereçadas a Putin”, acrescentou.

Peskov disse que Chubais não era funcionário do governo em tempo integral e estava trabalhando de forma voluntária.

Chubais ganhou destaque como ministro das Finanças do presidente russo Boris Yeltsin na década de 1990, antes de assumir posições poderosas na indústria de energia russa.

Correção: Uma versão anterior desta história afirmava incorretamente a última vez que Mili falou com Gerasimov. Isso foi no dia 11 de fevereiro.