maio 19, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Coreia do Norte lança primeiro ICBM suspeito desde 2017

Coreia do Norte lança primeiro ICBM suspeito desde 2017

O suposto ICBM voou a uma altitude de 6.000 km (3.728 milhas) e pousou nas águas da costa oeste do Japão na quinta-feira, de acordo com o Ministério da Defesa do Japão.

O vice-ministro da Defesa do Japão, Makoto Oniki, disse a repórteres na quinta-feira que o pico indicava que era “um novo tipo de ICBM”. Oniki disse que o míssil caiu dentro da zona econômica exclusiva do Japão, 170 km a oeste do Cabo Tapi, na ponta norte da principal ilha japonesa de Honshu.

O lançamento de quinta-feira é o décimo primeiro na Coreia do Norte, incluindo Um em 16 de março que supostamente falhou, e seu teste de maior alcance desde novembro de 2017, quando enviou o míssil Hwasong-15 a uma altitude de 4.475 quilômetros (2.800 milhas).

Os líderes mundiais se reunirão na quinta-feira na capital belga no que foi descrito como uma cúpula extraordinária da Otan, enquanto buscam harmonizar suas respostas à brutal invasão russa da Ucrânia. A reunião do Conselho Europeu e do Grupo dos Sete também terá lugar na quinta-feira.

Segundo analistas, a recente onda de testes de mísseis norte-coreanos indica que o líder do país, Kim Jong Un, está tentando mostrar a um mundo cada vez mais turbulento que Pyongyang continua sendo um ator na luta por poder e influência.

“Ao ameaçar desestabilizar a Ásia enquanto os recursos globais são escassos em outros lugares, Pyongyang está exigindo que o mundo pague para agir como uma ‘potência nuclear responsável'”, disse Leif Eric Easley, professor associado de estudos internacionais da Ewa Woman University em Seul, à CNN. .Em janeiro deste ano.

É provável que os outros lançamentos recentes de Pyongyang, em 26 de fevereiro e 4 de março, tenham como objetivo esse Testando um novo sistema de mísseis balísticos intercontinentaisdisse o Departamento de Defesa dos EUA no início deste mês.

O Comando Indo-Pacífico dos EUA anunciou no início deste mês que os EUA estão aumentando “atividades de coleta de inteligência, prontidão e vigilância” relacionadas à Coreia do Norte após a última onda de lançamentos de mísseis.

READ  As forças russas estão se concentrando nas fronteiras da Ucrânia. O Ocidente teme que não seja como da última vez.

A medida é um sinal do governo Biden de que precisa reforçar sua postura militar para garantir que os Estados Unidos e seus aliados na região, como Coreia do Sul e Japão, sejam protegidos dos testes de mísseis norte-coreanos.

O comando disse que “ordenou intensificar as atividades de inteligência, vigilância e reconhecimento no Mar Amarelo, bem como aumentar a prontidão entre as forças de defesa de mísseis balísticos da região”.

Na semana passada, os militares dos EUA realizaram exercícios dentro e ao redor da península coreana para mostrar sua prontidão após a atividade norte-coreana, incluindo a simulação de sistemas de defesa de mísseis balísticos.

A 35ª Brigada de Defesa Aérea do Exército dos EUA se mudou para um local remoto, “ocupando sua posição defensiva de guerra, erguendo um sistema de mísseis Patriot e realizando operações de defesa aérea e antimísseis em um cenário de combate simulado”, disse as Forças dos EUA na Coreia em um comunicado à imprensa.

No mar, caças F-35 e F/A-18 voaram do porta-aviões USS Abraham Lincoln junto com ativos da Força Aérea dos EUA estacionados na região em uma demonstração de força no Mar Amarelo, na costa oeste da Coreia do Sul, segundo a um comunicado emitido pela Sétima Frota da Marinha dos EUA no Japão.

[O lançamento potencial na quinta-feira também ocorre apenas duas semanas após a Coreia do Sul[o lançamento potencial também ocorre apenas duas semanas após a Coreia do Sul][الإطلاقالمحتمليومالخميسأيضًابعدأسبوعينفقطمنكورياالجنوبية[potentiallaunchalsocomesjusttwoweeksafterSouthKoreaelegeu um novo presidente conservador, Yoon Seok Yeol, que deve tomar uma posição mais dura contra a Coreia do Norte do que o atual titular, Moon Jae-in.

Esta história foi atualizada para esclarecer a localização do míssil.