Julho 19, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Protestos previdenciários na França: manifestantes invadem a gigante de luxo LVMH

Protestos previdenciários na França: manifestantes invadem a gigante de luxo LVMH

Paris (CNN) Manifestantes invadiram a luxuosa sede da gigante em Paris LVMHEnquanto a França testemunhava uma nova rodada de manifestações em protesto contra os planos do governo de aumentar a idade de aposentadoria de 62 para 64 anos.

“Se Macron quer encontrar dinheiro para financiar o sistema previdenciário, ele deve vir aqui para encontrá-lo”, disse o líder sindical Fabien Felidoux à afiliada da CNN BFMTV do lado de fora do prédio da LVMH.

Os protestos aconteceram no dia em que as ações da LVMH – dona de marcas como Louis Vuitton e Moët – saltou para um recorde.

E o chefe da polícia de Paris, Laurent Nunez, alertou com antecedência que os manifestantes podem “atacar, muitas vezes contra o que consideram sinais capitalistas”, falando na rádio francesa RMC.

Espera-se que até 600.000 pessoas passem pela França na quinta-feira contra as reformas previdenciárias nos últimos protestos, que acontecem um dia antes de uma decisão judicial crucial sobre a constitucionalidade da lei divisora.

Trabalhadores ferroviários em greve invadem a sede do grupo de luxo francês LVMH na quinta-feira em Paris.

O presidente francês, Emmanuel Macron, defende que são necessárias reformas para controlar as finanças públicas e tem sido consistente nesta semana, dizendo que “o país deve seguir em frente”.

Falando em um crematório perto de Paris na manhã de quinta-feira, Sophie Binet, a nova presidente do GGT, um dos principais sindicatos da França, insistiu: “Enquanto a reforma previdenciária não for retirada, a mobilização continuará de um jeito ou de outro”.

A prefeita de Paris, Anne Hidalgo, expressou seu apoio aos manifestantes antes da nova rodada de protestos.

“Nas vésperas da decisão do Conselho Constitucional, mais uma vez apoio os movimentos em Paris e em toda a França”, escreveu Hidalgo no Twitter.

“Esta reforma é injusta e violenta. Os franceses pedem a retirada há meses e o governo deve ouvi-los”, escreveu ela.

Manifestantes entram na sede da LVMH durante uma manifestação contra a reforma previdenciária no centro de Paris.

A decisão de sexta-feira será decisiva para a continuação dos protestos. A CFDT, a outra grande federação da França, estava mais disposta a negociar um acordo.

Enquanto isso, o lixo também deve encher as ruas de Paris novamente, com a greve dos coletores de lixo e dos incineradores, de acordo com o sindicato CGT.

O secretário-geral do ramo sindical da CGT confirmou em carta ao prefeito de Paris que esta seria uma greve contínua.

A greve anterior, que durou quase um mês, até o final de março, viu o acúmulo de 10.000 toneladas de lixo em toda a capital.