Dezembro 1, 2023

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Portugal deve desistir de pelo menos 51% da TAP

Portugal deve desistir de pelo menos 51% da TAP

Aqui está a última parcela da privatização escalonada da TAP Air Portugal. O governo anunciou que vai vender pelo menos 51% do negócio – o controlo acionário – e os funcionários da TAP ficarão com outros 5%. A Reuters relata que será tomada uma decisão sobre a manutenção do governo.

Um ponto de viragem?

Quanto capital o governo português estava disposto a abdicar tem sido uma fonte de incerteza durante a longa venda da TAP. Só no início deste Verão, o governo disse que pretendia manter uma participação maioritária na companhia aérea, pelo que a notícia de que iria alienar a sua participação de controlo é um avanço potencial.

A aprovação do Conselho de Ministros ocorreu no entendimento de que a venda beneficiaria o sector da aviação do país como um todo, particularmente em termos de desenvolvimento de centros, oportunidades de emprego, operações aeroportuárias nacionais e receitas.

Agora agendado para meados de 2024

Após o resgate e a reestruturação de Bruxelas, a TAP registou um lucro líquido de 23 milhões de euros (24,3 milhões de dólares) no primeiro semestre do ano – uma enorme diferença em relação ao prejuízo de 202 milhões de euros um ano antes.

Os termos exatos da venda ainda não foram confirmados, mas seus termos e condições deverão estar disponíveis até o final de 2023. O ministro das Finanças, Fernando Medina, disse que a venda, agora adiada, pode terminar em meados de 2024.

Medina disse aos jornalistas que os objectivos para o desenvolvimento do DAP incluem “desenvolvimento do centro nacional, crescimento e emprego no sector da aviação, melhor utilização dos aeroportos nacionais e preços”.

Apontou as “ligações privilegiadas” da TAP com o mundo lusófono, incluindo Angola, Brasil e Moçambique.

READ  Portugal está a propor um imposto de 28% sobre os lucros anuais do comércio de criptomoedas no próximo ano

Um interesse de longo prazo

Os altos e baixos da privatização da TAP há muito que estão na imprensa, a maior parte dos quais envolveu a Air France-KLM, a IAG e a Lufthansa como partes interessadas.

A Lufthansa é conhecida por estar interessada numa rota para o mercado sul-americano com a transportadora portuguesa, o que foi confirmado por um porta-voz, acrescentando que a Lufthansa está sempre à procura de estabilizar a sua posição.

O CEO do IAG, Luis Gallego, disse que mesmo antes do último anúncio do governo, o IAG ainda vê a TAP como uma boa opção para o seu perfil. Esta é uma opinião partilhada pelo CEO da Ryanair DAC, Eddie Wilson. A TAP era “uma escolha natural para o IAG”, observou à Reuters no World Aviation Festival, em Lisboa.

Centro de Lisboa

Entretanto, a preocupação a longo prazo de Portugal é garantir que o seu próprio mercado e as infra-estruturas existentes não sejam prejudicados pela venda, um ponto reiterado por Medina na quinta-feira. Ele disse que o governo procura “atores do setor com escala relevante” em vez de “investidores estritamente financeiros”.

Wilson vê o IAG como um candidato que cumpre os critérios portugueses, dizendo que iria “melhorar o hub de Lisboa”, em oposição ao instinto natural da Air France-KLM e da Lufthansa de atrair sempre tráfego para os seus hubs.