janeiro 29, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Portugal “continua a comprar energia a carvão”

Portugal pode ter parado de produzir eletricidade movida a carvão (um ‘adiantamento’ foi autocongratulatório) – mas continua a importar energia de países que usam carvão para produzi-la.

Este estado de autoderrota é hoje destacado pelo jornal nacional Correio da Manhã.

O jornal recorda como o governo do PS anunciou no ano passado que estava a ‘acelerar’ a carbonização da economia com o encerramento da fábrica da EDP em Sines e da fábrica da Endesa no Pego (Abrantes).

“Mas estas empresas continuam a gerar eletricidade queimando carvão em Espanha, que é depois utilizado pelos portugueses”, explicou o chefe.

É certo que as importações de carvão são ‘baixas’. Por exemplo, no ano passado Portugal “importou mais de 9.600 toneladas de combustíveis fósseis de Espanha de um total de 10.770 toneladas.

Ou seja, Portugal se ‘descarbonizou’ em termos de produção, mas não em consumo.

“O petróleo e seus derivados continuam a ser a fonte de energia mais consumida em Portugal”, vem agora cada vez mais de outros países: mais de metade são importados de Espanha, enquanto são vendidos por países como Rússia, Nigéria e Estados Unidos. Temos energia movida a gás natural, biomassa e carvão.

No que diz respeito à produção de energia renovável, os dados mais recentes da DGEG (Direção Geral de Energia e Geografia) mostram que 42% são gerados a partir de energia hídrica, seguidos de 39% gerados por parques eólicos.

650 trabalhadores foram afetados pela retirada de Portugal do carvão

O fechamento das usinas de ciência e peco a carvão afetou 650 trabalhadores (550 em Allendez e 150 em Repatjo).

Na Science, o CM escreve que “muitos ainda não encontraram um novo emprego” – Allendez já está numa região com “uma taxa de desemprego muito baixa e um nível de oportunidades muito baixo”.

Alguns dos cientistas estão alojados noutras centrais da EDP.

De acordo com Bego, “os trabalhadores têm sido compensados ​​pelo Fundo Ambiental como alternativa ao desemprego, mas muitas vezes são obrigados a treinar para obter formação”, disse o ministro-chefe.

Enquanto isso, a questão do gás nuclear e natural ainda é considerada ‘estável’ para a Europa e ainda flutua no ar.

Ativistas ambientais portugueses desafiaram o governo a expressar seu pensamento sobre o assunto – especialmente quando se trata de gás natural. (Clique aqui) – Mas até agora nenhuma resposta foi divulgada.

natasha.donn@algarveresident.com

READ  € 35 milhões para a transformação digital do turismo em Portugal