Abril 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Paul Alexander: 'Homem no Pulmão de Ferro' morre aos 78 anos

Paul Alexander: 'Homem no Pulmão de Ferro' morre aos 78 anos

O sobrevivente da poliomielite conhecido como “Homem do Pulmão de Ferro” morreu aos 78 anos.

Paul Alexander contraiu poliomielite em 1952, quando tinha seis anos, deixando-o paralisado do pescoço para baixo.

A doença o deixou incapaz de respirar de forma independente, o que levou os médicos a colocá-lo em um cilindro de metal, onde passará o resto da vida.

Ele se formou em direito – e exerceu a advocacia – além de publicar suas memórias.

“Paul Alexander, o homem com pulmão de ferro, morreu ontem”, dizia um post em um site de arrecadação de fundos.

“Nessa época, Paul foi para a faculdade, tornou-se advogado e autor publicado.

“Paul foi um modelo incrível.”

Em 1952, quando ele ficou doente, os médicos de sua cidade natal, Dallas, realizaram uma cirurgia nele, salvando sua vida. Mas a poliomielite significa que o seu corpo já não consegue respirar sozinho.

A resposta foi colocá-lo no chamado pulmão de ferro, que é um cilindro de metal que envolve seu corpo até o pescoço.

O pulmão, que ele chamava de “velho cavalo de ferro”, permitia-lhe respirar. O soprador sugava o ar do cilindro, forçando seus pulmões a se expandirem e a inalar ar. Quando o ar voltou a entrar, o mesmo processo inverso esvaziou seus pulmões.

Anos mais tarde, Alexander finalmente aprendeu a respirar sozinho para poder deixar os pulmões por curtos períodos de tempo.

Como a maioria dos sobreviventes da poliomielite colocados em pulmões de ferro, não se esperava que ele sobrevivesse por muito tempo. Mas ele viveu durante décadas, muito depois da invenção da vacina contra a poliomielite na década de 1950, que eliminou a doença do mundo ocidental.

Ele se formou no ensino médio e depois ingressou na Southern Methodist University. Em 1984, formou-se em direito pela Universidade do Texas em Austin. Ele foi admitido na ordem dos advogados dois anos depois e exerceu a advocacia por décadas.

“Eu sabia que se fosse fazer alguma coisa na minha vida, teria que ser mental”, disse ele. Ele disse ao Guardião Em 2020.

Naquele ano, ele publicou um livro de memórias que supostamente levou oito anos para ser escrito, usando um bastão de plástico para digitar no teclado e ditar para um amigo.

Os avanços na medicina tornaram os pulmões de ferro obsoletos na década de 1960 e foram substituídos por ventiladores. Mas Alexandre continuou a viver no cilindro porque, segundo ele, estava acostumado.

Ele é reconhecido pelo Guinness Book of World Records como a pessoa que viveu mais tempo com pulmão de ferro.