Abril 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Paridade salarial em Portugal apenas em 2071

Paridade salarial em Portugal apenas em 2071

Entre os 20 países da zona euro, Portugal é um dos quatro Estados-membros a registar um aumento nos salários de género entre 2019 e 2022.

É o país da área da moeda única com o maior aumento nas disparidades salariais entre homens e mulheres. ECO.

Atualmente, Portugal tem a nona maior disparidade salarial entre homens e mulheres, apesar de ter uma taxa inferior à média da Zona Euro (13,1%).

Apesar da regressão nos últimos quatro anos, os números do gabinete de estatísticas da União Europeia mostram que Portugal conseguiu reduzir os salários entre homens e mulheres numa média de 0,25 pontos percentuais na última década.

Portanto, se adotarmos uma visão otimista, considerando que a disparidade salarial entre homens e mulheres em Portugal irá diminuir nos últimos dez anos, veremos a igualdade salarial em 2071, dentro de 48 anos. Entre homens e mulheres em Portugal segundo cálculos do ECO.

Se nada for feito para alterar esta situação de desigualdade, Portugal será o 12.º país da Europa a alcançar a paridade salarial em 2021, atrás de países como o Luxemburgo e Espanha (2031) e a Bélgica (2046). Ou a Alemanha (2047), e mesmo a média dos países da zona euro, deverá ter salários iguais para homens e mulheres até 2052.

Ainda assim, a igualdade salarial em Portugal em 2071 será 83 anos mais cedo do que em 2154, quando o Fórum Económico Mundial estima que o mundo alcançará a paridade entre homens e mulheres – tendo em conta não só a desigualdade salarial, mas também outros factores como as oportunidades económicas , sucesso educacional, saúde e sobrevivência e política.

No entanto, Susana Tavares, Prof. ISCTEOs dados do Eurostat não são utilizados para as estatísticas oficiais portuguesas porque “consideram apenas as empresas com mais de dez trabalhadores” e, portanto, não refletem a realidade portuguesa, onde a maioria das empresas tem menos de dez trabalhadores.