agosto 7, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Papa Francisco visita Canadá para pedir desculpas por abuso de indígenas em internatos católicos

Papa Francisco visita Canadá para pedir desculpas por abuso de indígenas em internatos católicos

O Vaticano descreveu a viagem como uma “peregrinação de penitência”, e o papa será recebido em Edmonton no domingo pelo primeiro-ministro Justin Trudeau e pela governadora-geral do Canadá, Marie Simon.

Enquanto estiver no país, ele se reunirá com grupos aborígenes e abordará o escândalo de abuso e apagamento da cultura aborígene nos internatos do país.

Os líderes indígenas há muito exigem um pedido de desculpas papal pelos danos causados ​​às crianças aborígenes por décadas. ano passado, Centenas de sepulturas não marcadas Eles foram descobertos no terreno de antigas escolas residenciais na Colúmbia Britânica e Saskatchewan.

A Comissão Canadense de Verdade e Reconciliação informou que mais de 4.000 crianças aborígenes morreram por negligência ou abuso em internatos, muitos dos quais administrados pela Igreja Católica.

Em abril, o Papa disse aos líderes indígenas no Vaticano que se sentia “triste e vergonhoso pelo papel que vários católicos, especialmente aqueles com responsabilidades educacionais, desempenharam, em todas essas coisas que aconteceram a vocês, nos abusos que vocês têm sofrido e no desrespeito a sua identidade, sua cultura e até mesmo sua espiritualidade.”

O Papa também viajará para Quebec e Iqaluit, capital da província canadense de Nunavut, durante a viagem. Ele será acompanhado durante sua visita por dois cardeais canadenses, o cardeal Mark Ole e o cardeal Michael Czerny.

Francis, de 85 anos, teve uma viagem à África cancelada no início deste mês devido a problemas no joelho.

Ele disse em entrevista à Reuters que ainda pretende visitar Rússia Após a invasão da Ucrânia pelo país, ele recebeu críticas por priorizar esse destino em vez de visitar a Ucrânia e por culpar a OTAN em parte pela invasão russa.

“Eu gostaria de ir, é possível que eu vá para a Ucrânia. A primeira coisa é ir para a Rússia para tentar ajudar, mas eu gostaria de ir para as duas capitais”, disse Francisco.

READ  Presidente italiano Mattarella rejeita renúncia do primeiro-ministro Draghi

Em entrevista ao jornal italiano La Stampa em junho, Francisco disse que a guerra “pode ​​ter sido de alguma forma uma provocação ou não impedida”.

O papa Francisco disse que antes da invasão da Ucrânia pela Rússia ele conheceu um “chefe de Estado” que estava “muito preocupado com a forma como a Otan se moveria”.

Hada Messia e Radina Jegova, da CNN, contribuíram para o relatório.