Abril 25, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O presidente venezuelano Nicolás Maduro recebe nomeação para as próximas eleições nacionais;  Ele busca um terceiro mandato

O presidente venezuelano Nicolás Maduro recebe nomeação para as próximas eleições nacionais; Ele busca um terceiro mandato

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, tornou-se no sábado o candidato oficial do seu partido para as próximas eleições presidenciais de julho, o que lhe permitirá entrar num terceiro mandato consecutivo sem nenhuma competição real à vista.

Não é incomum que as eleições na Venezuela tenham sido marcadas por controvérsia desde que as autoridades venezuelanas desqualificaram a principal opositora de Maduro, Maria Corina Machado – que venceu as primárias da coligação da oposição com mais de 90% dos votos – de ocupar cargos públicos durante 15 anos.

ARQUIVO – Nesta foto de arquivo de 22 de janeiro de 2021, o presidente venezuelano Nicolás Maduro fala durante uma cerimônia que marca o início do ano judicial na Suprema Corte em Caracas, Venezuela.

Foto AP/Mathias Delacroix, arquivo)


Maduro aceitou a nomeação como candidato do Partido Socialista Unido, no poder, nas eleições presidenciais que serão realizadas em 28 de julho, durante um comício do partido em Caracas, dizendo que tinha “o apoio do povo”. Segundo o partido, a sua decisão recebeu o apoio de mais de quatro milhões de membros que escolheram o seu candidato na semana passada.

“Nenhum homem pode ficar sozinho”, disse Maduro. “Estou aqui pelo povo”. Ele acrescentou: “Aqui o candidato não é Maduro. Aqui o candidato é o povo”.

Maduro, o sucessor escolhido a dedo pelo presidente Hugo Chávez, subiu ao poder em março de 2013, após a morte de Chávez, cujo charme caseiro lhe rendeu o carinho e os votos de milhões. Ganhar outro mandato deixaria Maduro como chefe do governo venezuelano até 2031.

Sob seu governoA Venezuela mergulhou numa profunda crise económica, apenas exacerbada pelas sanções dos EUA. A crise deixou milhões de pessoas desabrigadas Imigrar da América do Sulcom muitos deles agora rumando para os Estados Unidos.

O governo dos EUA revogou algumas sanções impostas aos setores de petróleo, gás e mineração da Venezuela no ano passado, depois que Maduro concordou com a oposição em trabalhar para criar condições eleitorais que permitiriam condições de concorrência equitativas.

Mas a administração Biden obteve algum alívio depois que o Supremo Tribunal da Venezuela manteve a proibição de Machado. Também ameaçou retirar a ajuda adicional se o governo de Maduro continuar a desafiar o acordo.

O prazo para inscrição de candidatos é 25 de março, mas Machado confirmou até agora que continuará “até ao fim”, embora não tenha explicado como irá contornar a proibição de exercício de cargos.

Nos últimos dias, a coligação da oposição questionou o processo eleitoral e apelou ao “respeito pela lei”.

Outras figuras da oposição também foram excluídas, como Henrique Capriles, duas vezes candidato à presidência, que se recusou a participar antes das primárias.

Capriles está entre um número crescente de vozes de opositores ao governo e de líderes estrangeiros que instam Machado a renunciar para permitir que os eleitores se unam em torno de uma alternativa. Ele a incentivou a “se sentir real” esta semana enquanto Machado avança.

“Eles pensam que isto é apenas mais uma eleição, mais uma batalha eleitoral onde podem vencer-nos ou enganar-nos, e que vamos ficar calados e manter a cabeça baixa. Eles não entendem nada”, disse Machado aos seus apoiantes. Várias marchas.