Março 4, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

O estudo descobriu que evitar a infecção pelo vírus Corona era mais do que apenas manter uma distância de dois metros

O estudo descobriu que evitar a infecção pelo vírus Corona era mais do que apenas manter uma distância de dois metros

Um novo estudo conduzido pela Universidade de Oxford descobriu que a duração de um encontro com uma pessoa doente com coronavírus não é menos importante do que a distância percorrida.

anúncio

Qual é a probabilidade de você conseguir isso? COVID-19 Após exposição a uma pessoa infectada? Esta tem sido uma pergunta na mente de muitas pessoas durante a pandemia, e um grupo de pesquisadores no Reino Unido finalmente encontrou uma resposta.

Pesquisadores do Departamento de Medicina de Nuffield da Universidade de Oxford analisaram dados de 7 milhões de pessoas na Inglaterra e no País de Gales que, durante a emergência de saúde, foram notificadas pelo aplicativo NHS COVID-19 do país de que estiveram em contato com uma pessoa infectada.

O objetivo era saber quantas pessoas alertadas tinham realmente sido infectadas pelo SARS-CoV-2.

O aplicativo NHS COVID-19, que foi encerrado em abril de 2023, permitiu que as pessoas que o baixaram informassem que estavam infectadas.

Ao mesmo tempo, o aplicativo enviará um alerta aos usuários caso eles estejam próximos de uma pessoa infectada (com base em relatórios não obrigatórios ao aplicativo). As pessoas terão então que se isolar ou fazer o teste.

A missão de Luca Ferretti, pesquisador principal do estudo da Universidade de Oxford publicado na revista Nature este mês, e de seus colegas era entender se o aplicativo estava funcionando corretamente.

Você notificou as pessoas quando houve um risco razoável? A resposta curta é sim. Mas os pesquisadores descobriram muito mais do que isso.

“O aplicativo enviava aos nossos servidores informações anônimas sobre quem foi avisado dos riscos, quais pessoas foram testadas, quem teve resultado positivo e informações sobre o contato específico: duração, proximidade”, diz Ferretti. Euronews Próximo.

READ  O telescópio Webb faz a primeira detecção de uma molécula de carbono crucial

“Observamos o que o aplicativo calculava como risco de um indivíduo, em termos de distância e duração, e descobrimos que os dois estavam intimamente ligados”, diz ele.

Duração versus distância

Os investigadores aproveitaram este “tesouro” de informação para estudar a relação entre a distância e a duração do encontro com uma pessoa infectada, para ver como isso afectaria o risco de infecção de alguém.

Acontece que a duração é tão importante quanto a distância, se não mais.

“Todos estavam focados na distância. Havia uma regra de distância de um ou dois metros nas lojas e estações. Mas a distância nunca deveria ter sido o foco porque, como sabemos agora, a realidade é mais sutil do que isso”, disse Ferretti.

“Quando você está a uma curta distância de alguém, o que importa é a duração. Se você ficar exposto por 10 segundos, certamente não terá sorte com partículas da boca da pessoa infectada entrando em sua boca ou nariz Mas se você ficar lá por uma hora, é claro que terá “Sua sorte é 60 vezes por minuto”.

Os pesquisadores descobriram que uma exposição mais longa a distâncias maiores apresentava um risco semelhante a uma exposição mais curta a distâncias mais próximas.

Não existe uma regra de ouro sobre quanto tempo você pode passar com uma pessoa infectada antes de pegar o COVID-19, pois isso pode mudar dependendo do que a pessoa infectada faz. Por exemplo, se uma pessoa tosse muito, a outra terá maiores chances de se infectar.

Mas quanto mais tempo uma pessoa passa com outra pessoa doente, maior é a probabilidade de adoecer, mesmo que mantenha sempre uma distância de dois metros.

“Na verdade, o que estamos vendo é que muitas das pessoas que ficaram doentes eram pessoas que presumimos serem da mesma família porque ficaram juntas por mais de 8 horas”, disse Ferretti.

READ  Os sinais de demência geralmente aparecem nesta ordem - NÃO COMA ISSO

“Isso representou aproximadamente 6% das comunicações e 40% das transmissões.”

anúncio

O que podemos aprender com isso?

Para Ferretti, a lição que podemos tirar deste estudo é que a duração será importante para o combate a uma ou à próxima pandemia.

“É claro que a distância ainda importa, mas uma vez determinada, precisamos falar sobre duração”, diz ele.

A duração do contato com uma pessoa infectada é “algo que francamente não foi contabilizado na resposta à pandemia e deveria ter sido levado em consideração”, diz Ferretti.

O investigador afirma que na era do big data, devemos ser capazes de utilizar as tecnologias mais recentes para desenvolver uma ferramenta epidemiológica que nos ajude a combater a propagação de novos agentes patogénicos.

Mas o investigador está preocupado com o facto de não estar a ser feito o suficiente para direcionar o conhecimento adquirido durante a epidemia para o combate à próxima.

anúncio

“Não condenarei ninguém nem ninguém que queira esquecer a Covid”, disse ele. “Estou mais preocupado com o facto de os decisores políticos terem decidido esquecê-lo a nível institucional, porque isso nos leva ao ponto em que todos os conhecimentos e competências que adquirimos desapareceram.”