dezembro 2, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

NASA e SpaceX estudam a viabilidade de empurrar o Telescópio Espacial Hubble preso para uma órbita mais alta

Na semana passada, a NASA e a SpaceX aprovaram um estudo sem financiamento para investigar a viabilidade de impulsionar Telescópio espacial Hubble, Que corre o risco de sair de órbita na próxima década, para uma órbita mais alta.

SpaceX está se aproximando da NASA No início deste ano, sobre a possibilidade de usar uma de suas espaçonaves Dragon para mover o telescópio para uma altitude maior, Thomas Zurbuchen, administrador associado da NASA para ciência, disse em uma entrevista coletiva na quinta-feira.

O telescópio Hubble foi colocado em órbita em 1990, e a última vez que os astronautas realizaram manutenção e reparo foi em 2009, a uma altitude de 350 milhas. Nos últimos 13 anos, caiu cerca de 32 quilômetros, de acordo com o New York Times.

Embora ele tenha assinado um acordo de lei espacial com a SpaceX para um projeto de seis meses em 22 de setembro, Zurbuchen acrescentou: “Quero ser absolutamente claro, não estamos anunciando hoje que definitivamente avançaremos com um plano como esse”.

O telescópio HUBBLE da NASA atinge um novo ponto de virada no mistério da taxa de expansão do universo

Um astronauta a bordo do ônibus espacial Atlantis tirou esta imagem do Telescópio Espacial Hubble em 19 de maio de 2009.
(NASA)

Qualquer tentativa de reposicionar o telescópio será financiada de forma privada sem nenhum custo para o governo, NASA disseacrescentando que o estudo não era exclusivo e receberia ofertas de outras empresas espaciais.

A NASA disse que mover o telescópio para uma órbita mais alta poderia dar ao Hubble mais anos de operação.

BOCA CHICAGO, TX - 11 DE FEVEREIRO: A tripulação do próximo voo especial do astronauta nomeado após

BOCA CHICAGO, TX – 11 DE FEVEREIRO: A tripulação do próximo voo especial dos astronautas chamado “Polaris Dawn”, (da esquerda para a direita) Anna Menon, desenvolvendo operações de astronauta para SpaceX, Sarah Gillis, engenheiro chefe de operações espaciais, SpaceX, Scott Bottet , que atuou como gerente da missão Inspiration4 da missão SpaceX, e Jared Isaacman, que está financiando a missão Pose no Starbase Complex em Boca Chica.
(Jonathan Newton/Washington)

READ  Estudo diz que novas imagens de Marte guiarão a busca por evidências de vida antiga NASA

“O que queremos fazer é ultrapassar os limites da tecnologia existente”, disse Jessica Jensen, da SpaceX, vice-presidente de relações com clientes e integração. “Queremos mostrar como usamos parcerias comerciais, bem como parcerias público-privadas para resolver de forma criativa problemas difíceis e complexos, como o serviço Hubble.”

Ela disse que a SpaceX está analisando as capacidades da cápsula Dragon para ver como ela precisaria de “ajustes para se encontrar com segurança com o Hubble”.

Ponto do Telescópio Espacial Hubble da NASA é a estrela mais distante já vista

Este conjunto de imagens disponibilizadas pela NASA mostra o telescópio espacial Hubble em órbita

Este conjunto de imagens disponibilizadas pela NASA mostra o telescópio espacial Hubble em órbita
(NASA via AP)

O Times relata que, sem realocação, a NASA pode eventualmente ter que destruir e apontar o telescópio quando ele cair da órbita no oceano.

Qualquer missão em potencial seria uma colaboração entre a SpaceX e o bilionário Jared Isaacman, Polaris, planejado Série de voos espaciais com SpaceX, Um deles, disse Isaacman, incluiria as primeiras caminhadas espaciais civis.

No ano passado, Isaacman liderou a Inspiration4, a primeira missão totalmente tripulada da SpaceX.

O M74 brilha mais intensamente nesta imagem composta óptica/infravermelho médio, que incorpora dados do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA e do Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA.  Esta imagem tem uma profundidade incrível graças à Advanced Camera for Surveys (ACS) do Hubble e ao poderoso instrumento Mid-infrared (MIRI) da Web que captura uma variedade de comprimentos de onda.

M74 brilha mais nesta imagem composta óptica/infravermelho médio, que incorpora dados do Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA e do Telescópio Espacial James Webb da NASA/ESA/CSA. Esta imagem tem uma profundidade incrível graças à Advanced Camera for Surveys (ACS) do Hubble e ao poderoso instrumento Mid-infrared (MIRI) da Web que captura uma variedade de comprimentos de onda.
(ESA/Webb, NASA & CSA, J. Lee e a Equipe PHANGS-JWST; ESA/Hubble & NASA, R. Chandar Agradecimento: J. Schmidt)

Ao longo dos anos, o telescópio Hubble tirou fotos e vídeos incríveis do universo, incluindo a descoberta de luas ao redor de Plutão.

READ  Mais de um milhão de americanos podem ter perdido permanentemente o olfato devido ao Covid-19

CLIQUE AQUI PARA O APP FOX NEWS

O telescópio recebeu o nome do astrônomo americano pioneiro do século 20 Edwin Hubble (1889-1953), que, entre outras descobertas, encontrou evidências da existência de outras galáxias fora da Via Láctea.