Junho 17, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Moscou alerta sobre escalada depois de dizer à Ucrânia que poderia atacar a Rússia

Moscou alerta sobre escalada depois de dizer à Ucrânia que poderia atacar a Rússia

Fonte da imagem, Sergey Kozlov/EPA-EFE/REX/Shutterstock

Comente a foto, As forças russas atacaram a região de Kharkiv e assumiram o controle de várias aldeias fronteiriças

  • autor, Paulo Kirby
  • Papel, BBC Notícias

A Rússia acusou a OTAN e os Estados Unidos de “provocar um novo nível de tensão” depois que os Estados Unidos e a Alemanha se tornaram os últimos aliados a permitir que os militares ucranianos usassem armas fornecidas pelo Ocidente para atacar alvos dentro da Rússia.

Um porta-voz de Berlim disse que a Alemanha está convencida de que a Ucrânia tem o direito de se defender contra a Rússia, especialmente de ataques transfronteiriços em Kharkiv, a sua segunda maior cidade.

Autoridades dos EUA disseram que as armas fornecidas pelos EUA poderiam ser usadas para conter o fogo russo perto da região de Kharkiv, seja onde as forças russas os estivessem “atacando ou se preparando para atacá-los”.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que a decisão ajudaria a proteger os civis que vivem em aldeias perto da fronteira russa.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que os países da NATO, especialmente os Estados Unidos e muitos países europeus, “entraram numa nova ronda de escalada de tensão e estão a fazê-lo deliberadamente”, em declarações divulgadas pela agência de notícias TASS.

“Eles estão provocando a Ucrânia de todas as maneiras possíveis para continuar esta guerra sem sentido.”

As forças russas obtiveram ganhos na região de Kharkiv nas últimas semanas, após um ataque surpresa na área perto da fronteira com a Rússia.

O Reino Unido e a França já haviam indicado que estavam abertos a aliviar as restrições impostas à Ucrânia contra locais militares em território russo, antes que o presidente dos EUA, Joe Biden, dissesse na noite de quinta-feira que as armas fornecidas pelos Estados Unidos poderiam ser usadas.

Mas um oficial dos EUA disse à BBC: “Nossa política é proibir o uso do sistema de mísseis táticos do Exército. [ATACMS] Ou que os ataques de longo alcance dentro da Rússia não mudaram.”

O porta-voz do governo alemão, Stephen Hebstreit, disse na sexta-feira que Berlim está “conjuntamente convencida” de que a Ucrânia tem o direito de se defender do ataque russo.

“Para isso, também pode utilizar as armas que lhe foram fornecidas para este fim, de acordo com as suas obrigações legais internacionais, incluindo aquelas que lhe fornecemos”, acrescentou.

A Alemanha ainda não forneceu à Ucrânia poderosos mísseis Taurus, enquanto o Reino Unido forneceu mísseis Storm Shadow e a França entregou mísseis de cruzeiro Sculp.

A Rússia afirmou na sexta-feira que rechaçou as forças ucranianas até nove quilómetros (6 milhas) da fronteira na região de Kharkiv, acrescentando que agora controla as colinas perto da aldeia de Liptsy. Kharkiv está localizada a pouco mais de 30 quilômetros da fronteira com a Rússia.

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, reiterou a sua mensagem no início desta semana de que os Estados Unidos continuarão a fazer o que têm feito até agora, “que é adaptar-se e ajustar-se conforme necessário”.

Ele falava aos repórteres numa reunião de ministros dos Negócios Estrangeiros da NATO em Praga, onde o secretário-geral da NATO, Jens Stoltenberg, saudou a decisão de aliviar as restrições ao uso de armas pela Ucrânia.

Os aliados da NATO também levantaram questões sobre a possibilidade de enviar aviões de guerra F-16 fabricados nos EUA através da fronteira russa.

Os pilotos ucranianos têm treinado em F-16 nos últimos meses, e espera-se que as primeiras aeronaves cheguem à Ucrânia neste verão.

O ministro da Defesa dinamarquês, Troels Lund Poulsen, disse que seus F-16 poderiam ser usados ​​para atingir depósitos de armas na Rússia, que ele descreveu como alvos legítimos.

A Dinamarca está programada para entregar 19 F-16 à Ucrânia durante o verão, e o Ministro das Relações Exteriores, Lars Lokke Rasmussen, explicou: “Esta não é uma carta branca para a Ucrânia usar F-16 para lançar ataques arbitrários à Rússia”.

A primeira-ministra Mette Frederiksen recusou-se na sexta-feira a confirmar a possibilidade de usar aeronaves F-16 dinamarquesas sobre território russo. Ela acrescentou que os aviões estavam muito perto de sobrevoar a Ucrânia, mas “não entraremos em mais detalhes”.

A Holanda evitou fazer qualquer anúncio claro sobre a aeronave F-16. O Ministro dos Negócios Estrangeiros, Hanke Bruins-Sloet, limitou-se a sublinhar que o governo holandês “permitirá que a Ucrânia utilize armas em território russo se estiver num estado de completa autodefesa”, em linha com a Carta das Nações Unidas.

O belga Alexander De Croo descartou permitir que a Ucrânia usasse seus jatos F-16 sobre a Rússia quando se reuniu com o presidente Zelensky no início desta semana. De Croo se reuniu com o presidente Biden na Casa Branca na sexta-feira.

As autoridades russas deixaram clara a sua indignação com a perspectiva de utilização de F-16 no seu território. O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergei Lavrov, disse que os F-16 seriam destruídos como tudo o mais fornecido pela OTAN, e isso não mudaria em nada a situação.

No entanto, uma vez que os F-16 têm sido utilizados há muito tempo nas “chamadas missões nucleares conjuntas” da OTAN, ele advertiu que fornecê-los a Kiev só poderia ser visto como “um sinal deliberado da OTAN em relação às armas nucleares”.