maio 17, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Mais recente: enviado da China pede moderação e mais diálogo

Mais recente: enviado da China pede moderação e mais diálogo

As últimas notícias sobre a crise russo-ucraniana (Todos os horários são locais):

___

NAÇÕES UNIDAS – A China pediu moderação e incentivou todos os esforços para encontrar uma solução diplomática para a crise na Ucrânia, dizendo que Pequim acredita que todos os países devem resolver disputas por meios pacíficos, de acordo com a Carta das Nações Unidas.

O embaixador da China nas Nações Unidas, Zhang Jun, pediu às principais partes no conflito na Ucrânia que “continuem o diálogo e a consulta e busquem soluções razoáveis”.

Zhang fez comentários muito breves em uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas na noite de segunda-feira convocada pela Ucrânia, Estados Unidos e seis outros países depois que o presidente russo Vladimir Putin anunciou que a Rússia reconheceria as regiões separatistas do leste da Ucrânia como países independentes e estabeleceria Rússia. Tropas em Luhansk e Donetsk como forças de paz.

O embaixador chinês não se referiu às medidas tomadas por seu aliado de sempre, a Rússia, na segunda-feira, dizendo apenas que “todas as partes envolvidas devem exercer moderação, evitar qualquer ação que possa inflamar as tensões” e “acolher e encorajar todos os esforços para um acordo diplomático”. solução.” . “

A mídia estatal chinesa informou que a Embaixada da China em Kiev notificou seus cidadãos na Ucrânia para aumentar sua conscientização sobre segurança e evitar áreas de conflito. Na segunda-feira, o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, disse que a China espera que todas as partes busquem uma solução que seja “realmente propícia para salvaguardar a segurança da Europa”.

___

TÓQUIO – O primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, criticou a Rússia por violar a soberania e a integridade territorial da Ucrânia e disse que seu país discutirá possíveis “medidas fortes”, incluindo sanções, com a comunidade internacional.

READ  O mundo dá as boas-vindas a 2022 com celebrações silenciosas à medida que aumenta o número de casos COVID-19

Kishida estava respondendo à assinatura do presidente russo, Vladimir Putin, na segunda-feira de um decreto reconhecendo a independência de duas regiões separatistas no leste da Ucrânia e ordenando que suas forças “mantenham a paz” nessas regiões. O anúncio de Putin levantou temores de uma invasão iminente.

“Essas ações são inaceitáveis ​​e expressamos nossa forte condenação”, disse Kishida a repórteres na terça-feira. “O Japão está observando o desenvolvimento com grande preocupação.”

Enquanto isso, o ministro das Relações Exteriores, Yoshimasa Hayashi, disse na terça-feira que é importante que as nações do Grupo dos Sete que compartilham valores como democracia e estado de direito se unam e liderem a comunidade internacional. Ele se recusou a dizer se o Japão planeja impor sanções à Rússia.

___

NAÇÕES UNIDAS – O embaixador dos EUA nas Nações Unidas considerou “absurdo” o anúncio do presidente russo, Vladimir Putin, de forças russas nas regiões separatistas do leste da Ucrânia como “absurdo”, dizendo que sua presença é “claramente a base para a tentativa da Rússia de criar um pretexto para nova invasão da Ucrânia”.

Linda Thomas Greenfield disse em uma reunião de emergência do Conselho de Segurança das Nações Unidas na noite de segunda-feira que a medida e o anúncio anterior de Putin do reconhecimento da Rússia das regiões separatistas como “estados independentes” também representavam um ataque “não provocado” à soberania e integridade territorial da Ucrânia. Ela disse que as ações de Putin “destruíram o Acordo de Minsk”.

Thomas Greenfield disse que Putin “colocou diante do mundo uma escolha” e “não deve desviar o olhar” porque “a história nos diz que olhar para o outro lado diante de tal hostilidade seria um caminho muito mais caro”.

READ  Gates parece estar dobrando sua afirmação de que Biden está errado nas principais questões de política externa há décadas

Ela disse que Putin está testando para ver “até onde ele pode levar todos nós”, e todos os países devem defender a soberania, independência e integridade territorial de todos os países.

Thomas Greenfield alertou que “as consequências das ações da Rússia serão terríveis – em toda a Ucrânia, em toda a Europa e em todo o mundo”.

___

WELLINGTON, Nova Zelândia – O ministro das Relações Exteriores da Nova Zelândia, Nanaya Mahuta, disse que não há base no direito internacional para reconhecer regiões separatistas e que a Rússia está, assim, minando a soberania e a integridade territorial da Ucrânia.

Estamos preocupados que este seja um ato calculado do presidente Putin para criar um pretexto para a invasão, e é claramente agressivo. “Mais uma vez pedimos esforços diplomáticos urgentes para encontrar uma solução pacífica”, disse Mahuta em comunicado.

___

NAÇÕES UNIDAS – O secretário político das Nações Unidas abriu uma reunião de emergência do Conselho de Segurança, descrevendo o reconhecimento da Rússia das regiões separatistas no leste da Ucrânia como uma violação da integridade territorial e da soberania do país.

A vice-secretária-geral, Rosemary DiCarlo, disse: “O risco de um grande conflito é real e deve ser evitado a todo custo”.

DiCarlo disse na rara reunião de segunda-feira à noite do órgão mais poderoso das Nações Unidas – um reflexo da seriedade das ações de Moscou – que todos os envolvidos devem se concentrar em encerrar as hostilidades imediatamente.

Ela disse que a ONU deplora a ordem da Rússia de mobilizar forças russas no leste da Ucrânia e expressa profunda preocupação com relatos de vítimas civis, ataques a infraestrutura civil e uma escalada de bombardeios entre áreas controladas pelo governo e separatistas apoiados pela Rússia.

READ  Nigéria: Homens armados libertam dezenas de jovens estudantes sequestrados da escola há três meses

Ele disse que os monitores da OSCE registraram 3.231 violações do cessar-fogo na região de Donbass, no leste da Ucrânia, de sexta a domingo.

___

TRIBONA, Austrália – O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse que a Rússia deve “se retirar incondicionalmente” do território ucraniano e parar de ameaçar seus vizinhos.

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira que as tropas “mantenham a paz” nas regiões separatistas do leste da Ucrânia, horas depois de o Kremlin reconhecer a independência da região. O anúncio levantou temores de que a invasão fosse iminente, se já não estivesse em andamento.

Falando em uma entrevista coletiva na terça-feira no estado australiano da Tasmânia, Morrison disse que as ações da Rússia eram “inaceitáveis, injustificadas e injustificadas”.

“É importante que os países com ideias semelhantes que denunciam esse tipo de comportamento o sigam, e posso garantir que, no momento em que outros países imporem sanções duras e duras à Rússia, estaremos cooperando com eles e nos moveremos o mais rápido possível. rapidamente e é isso que estamos agora engajados em suas discussões há algum tempo com nossos parceiros.”

O decreto do Kremlin não deixou claro quando ou se as tropas entrariam na Ucrânia. Mas veio com promessas rápidas de novas sanções e destacou os graves desafios de evitar conflitos militares.