Abril 13, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Guerra de Gaza: Navio de primeiros socorros parte de Chipre

Guerra de Gaza: Navio de primeiros socorros parte de Chipre

Comente a foto,

O navio “Open Arms” partiu de Larnaca na manhã de terça-feira, rebocando uma barcaça cheia de ajuda alimentar

Um navio espanhol que rebocava uma barcaça que transportava 200 toneladas de alimentos tão necessários para os palestinianos em Gaza partiu finalmente de Chipre.

O navio Open Arms partiu de Larnaca pouco antes das 09h00 (07h00 GMT) numa viagem que pode durar até dois dias.

Gaza não tem nenhum porto em funcionamento, por isso a instituição de caridade americana por detrás da missão, a World Central Kitchen, está a construir um cais para receber ajuda.

As Nações Unidas alertaram que enormes défices de ajuda deixaram Gaza à beira da fome.

A forma mais rápida e eficaz de entregar ajuda à região é por via terrestre. Mas as agências humanitárias dizem que as restrições israelitas significam que uma pequena fracção do que é necessário entra.

Se o navio Open Arms conseguir atracar em Gaza, outros navios seguir-se-ão como parte de um esforço naval europeu e dos Emirados para entregar mais ajuda a Gaza.

Israel diz que saúda o estabelecimento de um corredor marítimo e que facilita a transferência de ajuda para Gaza enquanto as suas forças continuam a combater o Hamas.

A guerra começou quando militantes do Hamas atacaram o sul de Israel em 7 de outubro, matando cerca de 1.200 pessoas e fazendo 253 reféns. O Ministério da Saúde administrado pelo Hamas afirma que mais de 31.180 pessoas foram mortas em Gaza desde então.

A Cozinha Central Mundial (WCK) anunciou que o primeiro carregamento marítimo de ajuda estava a caminho de Gaza na manhã de terça-feira, após semanas de preparação.

O Open Arms, um navio de resgate pertencente a uma instituição de caridade espanhola com o mesmo nome, está rebocando uma barcaça cheia de arroz, farinha, legumes, vegetais enlatados e proteínas enlatadas.

Enquanto estiverem no mar, os palestinos que trabalham na WCK continuarão a construir um cais num local não revelado na costa de Gaza, que será usado para descarregar ajuda. Eles estão usando escombros de edifícios e infraestruturas destruídos nos últimos cinco meses.

Se o cais estiver pronto a tempo, a WCK afirma que irá carregar os alimentos em camiões e distribuí-los às comunidades necessitadas. A instituição de caridade tem uma rede de cerca de 60 cozinhas em Gaza e forneceu mais de 35 milhões de refeições a cerca de 1,7 milhões de palestinianos deslocados.

“Precisamos terminar o cais que nos permitirá carregar alimentos! Falhar não é uma opção… Norte.” [Gaza] Ele precisa ser alimentado!

Mais tarde na terça-feira, o Programa Alimentar Mundial das Nações Unidas disse que conseguiu trazer um comboio de ajuda para o norte de Gaza pela primeira vez em três semanas.

A agência acrescentou que foram entregues alimentos suficientes para 25 mil pessoas na Cidade de Gaza, antes de dizer: “Precisamos que a ajuda seja entregue todos os dias”.

As Nações Unidas afirmam que pelo menos 576 mil pessoas em Gaza, um quarto da população, estão a um passo da fome.

Ele alerta que o tempo está a esgotar-se para cerca de 300 mil pessoas isoladas no norte da região, que as agências da ONU têm lutado para alcançar durante meses devido às hostilidades em curso e ao colapso da lei e da ordem.

O Ministério da Saúde de Gaza afirma que pelo menos 25 pessoas, muitas delas crianças, morreram de desnutrição e desidratação nos hospitais locais.

Fonte da imagem, Cozinha Central Mundial

Comente a foto,

O fundador da World Central Kitchen, José Andrés, postou uma foto mostrando trabalhadores construindo um cais na costa de Gaza

Yamen, pai de quatro filhos cuja família se refugia na cidade central de Deir al-Balah, disse: “Estamos morrendo de fome de duas maneiras: a comida é escassa e o pouco que está disponível é tão caro que está além da imaginação”. Agência de notícias Reuters na terça-feira.

A WCK afirma que tem mais 500 toneladas de ajuda em Chipre prontas para serem enviadas e que o seu objectivo é criar uma “estrada marítima para barcos e barcaças cheias de milhões de refeições que se dirigem continuamente para Gaza”.

O navio Open Arms é o primeiro navio de ajuda a zarpar no âmbito da Iniciativa do Corredor Marítimo lançada por Chipre, com o apoio da União Europeia, do Reino Unido e dos Estados Unidos.

O presidente cipriota, Nikos Christodoulides, disse que a sua viagem foi uma “jornada de esperança e humanidade” e que poderia tornar-se uma “tábua de salvação para os civis”.

Os Estados Unidos também lançaram uma iniciativa separada que permitirá que um navio militar construa um porto flutuante ao largo da costa de Gaza, incluindo uma doca temporária para transportar suprimentos para a costa.

Os países ocidentais e árabes também realizam lançamentos aéreos, principalmente sobre o norte de Gaza. No entanto, são considerados ineficazes e caros.

Dois altos funcionários da ONU saudaram a abertura de um corredor marítimo para Gaza, mas também alertaram que as rotas terrestres eram a única opção para transportar as grandes quantidades de alimentos necessários.

“Para a prestação de ajuda em grande escala, não há alternativa real às muitas rotas terrestres e pontos de entrada de Israel para Gaza”, afirmaram a Coordenadora Humanitária e de Reconstrução da ONU em Gaza, Sigrid Kaag, e o Diretor Executivo do UNOPS, Jorge Moreira da Silva.

“As rotas terrestres do Egipto, de Rafah em particular, e da Jordânia também continuam a ser essenciais para o esforço humanitário global.”

As Nações Unidas instam Israel a abrir as suas passagens com o norte, que foram fechadas após os ataques de 7 de Outubro, e a permitir que o porto de Ashdod, a 37 quilómetros (23 milhas) de Gaza, seja utilizado como rota de ajuda.

Israel nega ter obstruído a entrada ou distribuição de ajuda e culpa as agências da ONU por não fornecerem a ajuda permitida às pessoas que dela necessitam.

“Mais camiões de ajuda estão a chegar a Gaza através da coordenação israelita com o sector privado em Gaza – empresários palestinianos.”

Cerca de 500 camiões – adequados para transportar até 20 toneladas de material – atravessavam diariamente Gaza, em média, antes da guerra. Nos primeiros 10 dias de Março, uma média de 162 camiões entraram diariamente em Gaza através da passagem de Rafah, controlada pelo Egipto, e pela passagem de Kerem Shalom, controlada por Israel, de acordo com as Nações Unidas.

READ  KTR recebe reação negativa por usar Chandrababu Naidu!