Maio 23, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Faith Ringgold morre aos 93;  Tecendo a vida negra em colchas e livros infantis

Faith Ringgold morre aos 93; Tecendo a vida negra em colchas e livros infantis

Colaborando com sua mãe, Ringgold fez sua primeira colcha de retalhos, “Echoes of Harlem”, uma montagem de rostos pintados de preto e tecido recortado, em 1980. Foi uma versão moderna de uma tradição negra centenária.

“Acho que o quilting é uma forma clássica de arte negra na América”, disse Ringgold ao The Morning Call de Allentown, Pensilvânia, em 2005. Quando os escravos africanos vieram para a América, eles não podiam mais fazer esculturas. Eles se separaram de sua religião. Eles pegam pedaços de pano e fazem capas para o professor e para si mesmos.”

Em 1983, a Sra. Ringgold ficou frustrada com sua incapacidade de encontrar uma editora para suas memórias e começou a incorporar texto narrativo em suas colchas. Poucos artistas daquele período faziam algo assim.

Sua primeira história, “Quem tem medo da tia Jemima?”, Reimaginou o personagem estereotipado original – a mulher negra gorda e rechonchuda, tirada diretamente de um show de menestréis, e que muitos negros consideraram ofensivo. Na colcha da Sra. Ringgold, Jemima foi transformada em um modelo para o feminismo negro: elegante, elegante e uma empresária de sucesso.

No final da década de 1980, depois que um editor da Crown Publishing viu Tar Beach, Ringgold foi convidada a transformar a colcha em um livro ilustrado. O trabalho resultante conta a história de Cassie Lightfoot, de 8 anos – filha da família Picnic – que em uma noite mágica em 1939 sobrevoou os telhados da cidade para sobrevoar a ponte George Washington.

“Posso voar, sim, posso voar”, diz a carta da Sra. Ringgold. “Eu, Cassie Louise Lightfoot, tenho apenas oito anos e estou na terceira série, e posso voar. Isso significa que estou livre para ir a qualquer lugar que quiser pelo resto da minha vida.