outubro 23, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Estudo diz que novas imagens de Marte guiarão a busca por evidências de vida antiga NASA

fotos de Marte Ele revelou como a água ajudou a moldar as paisagens do Planeta Vermelho bilhões de anos atrás e forneceu pistas que irão guiar a busca por evidências de vida antiga, de acordo com um novo estudo.

Em fevereiro, o rover “NASA” persevera Pousei na cratera de Jezero, onde os cientistas suspeitavam que um antigo rio alimentava um lago, sedimento depositado em um delta na forma de um leque visível do espaço.

O estudo da revista Science analisou imagens de alta resolução obtidas por perseverantes nas encostas que antes eram as margens do delta. Camadas dentro das encostas revelam como isso aconteceu.

A astrobióloga da NASA Amy Williams e sua equipe na Flórida encontraram semelhanças entre as características do penhasco vistas do leito da cratera e os padrões no delta do rio da Terra. A forma das três camadas inferiores mostrou uma presença constante e fluxo de água no início, indicando que Marte era “quente e úmido o suficiente para suportar o ciclo hidrológico” cerca de 3,7 bilhões de anos atrás, diz o estudo.

As camadas superiores e posteriores distinguem-se pela presença de rochas com mais de um metro de diâmetro espalhadas ao seu redor, possivelmente transportadas até ali por violentas inundações.

Mas é possível que os microssedimentos da camada central sejam alvo de amostragem em busca de sinais de extinção da vida longa – se houver – em Marte.

As descobertas ajudarão os pesquisadores a descobrir para onde enviar a sonda em busca de solo e rochas que possam conter valiosas “bioassinaturas” de supostas formas de vida em Marte.

“A partir das imagens orbitais, aprendemos que foi a água que formou o delta”, disse Williams. “Mas obter essas fotos é como ler um livro em vez de apenas olhar a capa.”

READ  Coronavírus dos EUA: aprovação total do FDA da vacina Pfizer / BioNTech que provavelmente aumentará as taxas de vacinação

Descobrir se pode existir vida em Marte é a principal tarefa da persistência, um projeto que levou décadas para ser desenvolvido e custou bilhões de dólares para ser desenvolvido.

Ao longo de vários anos, a nave multi-missão irá coletar 30 amostras de rochas e solo em tubos selados, eventualmente enviados de volta à Terra em algum momento da década de 2030 para análises laboratoriais.

Os cientistas da expedição anunciaram no mês passado que o Perseverance havia coletado duas amostras de rocha em Jezero que mostravam sinais de contato prolongado com as águas subterrâneas. Eles esperam que as amostras possam ter hospedado em algum momento vida microbiana antiga, que poderia ter sido capturada por minerais de sal.

Saber que Marte já pode abrigar vida, disse Williams, será uma das descobertas mais profundas que a humanidade já fez.

Ela também expressou seu espanto de que havia uma janela com vista para um antigo sistema de rios em outro planeta. “É realmente maravilhoso ver algo que ninguém na terra viu antes”, disse ela.