Abril 21, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Escândalos de corrupção lançam sombra sobre as eleições gerais antecipadas em Portugal e podem favorecer os populistas

Escândalos de corrupção lançam sombra sobre as eleições gerais antecipadas em Portugal e podem favorecer os populistas

LISBOA, Portugal (AP) – O período oficial de campanha de duas semanas antes das eleições gerais antecipadas em Portugal começou no domingo, com a expectativa de que os dois principais partidos moderados do país obtivessem novamente a maioria dos votos, mas um aumento populista deverá acelerar. A Europa está a mover-se para a direita.

O Partido Socialista de centro-esquerda e o Partido Social Democrata de centro-direita alternaram-se no poder durante décadas. Mas não sabem quanto apoio necessitam dos partidos rivais mais pequenos para os votos parlamentares necessários para formar um governo após o referendo de 10 de Março.

A corrupção paira sobre as urnas. Também alimentaram o descontentamento público com a classe política do país enquanto Portugal se prepara para celebrar 50 anos de democracia após a Revolução dos Cravos que derrubou uma ditadura de direita em 25 de Abril de 1974.

A eleição ocorre depois que o governo socialista foi derrubado em novembro passado, após uma investigação de corrupção. O caso envolveu uma rusga policial à residência oficial do primeiro-ministro António Costa e a detenção do seu chefe de gabinete. Costa não foi acusado de nenhum crime.

Nas últimas semanas, um tribunal de Lisboa decidiu que um antigo primeiro-ministro socialista deveria ser julgado por corrupção. Os promotores alegam que José Sócrates, que foi primeiro-ministro entre 2005 e 2011, embolsou cerca de 34 milhões de euros (36,7 milhões de dólares) de corrupção, fraude e lavagem de dinheiro durante seu período no poder.

O Partido Social Democrata também foi contaminado por alegações de corrupção.

Durante a campanha não oficial das últimas semanas, uma investigação de corrupção nas ilhas portuguesas da Madeira levou à demissão de dois importantes responsáveis ​​sociais-democratas. O escândalo eclodiu no mesmo dia em que o Partido Social Democrata divulgou um cartaz anticorrupção em Lisboa que dizia: “Não pode continuar assim”.

A crise imobiliária, os níveis persistentes de salários baixos e os serviços de saúde pública pouco fiáveis ​​são outras áreas onde os registos dos dois principais partidos são problemáticos.

A campanha de Portugal careceu em grande parte dos temas polémicos que alimentaram o debate político e encorajaram os partidos populistas noutras partes da Europa, como as alterações climáticas, a migração e as diferenças religiosas.

Um partido populista e nacionalista de cinco anos chamado Sega! (Chega em inglês!) fez do combate à corrupção uma das suas bandeiras políticas. “Portugal deve ser limpo”, declara um dos seus outdoors.

O líder do partido, o advogado André Ventura, de 41 anos, é o terceiro nas pesquisas de opinião e poderá tornar-se um rei se a sua influência política aumentar. Seu partido obteve apenas 1,3% dos votos nas eleições de 2019, mas subiu para 7,3% em 2022. As pesquisas sugerem que este sistema poderia arrecadar mais que o dobro disso se houvesse um contra-voto.

Uma questão fundamental é se os sociais-democratas precisarão dos votos da Sega! Depois de oito anos na oposição, tem de formar uma maioria parlamentar.

O Partido Socialista, tal como no passado, poderia formar uma coligação parlamentar com o Partido Comunista Português ou o Partido do Bloco de Esquerda para tomar o poder.

O líder socialista Pedro Nuno Santos, candidato a primeiro-ministro do seu partido, é legislador e antigo ministro da Habitação e Infraestruturas. Santos, 46 anos, deixou o governo anterior sob uma nuvem devido a disputas sobre o tratamento da companhia aérea refém DAP Air Portugal e a localização de um novo aeroporto de Lisboa.

Luis Montenegro, o líder do Partido Social Democrata, de 51 anos, é legislador há mais de 20 anos e pretende tornar-se primeiro-ministro. Ele lidera a Aliança Democrática, um agrupamento com dois partidos menores de centro-direita formados para as eleições.