dezembro 9, 2022

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Debate sobre guerra na Ucrânia domina cúpula do G20 das principais economias

Debate sobre guerra na Ucrânia domina cúpula do G20 das principais economias

  • Projeto de Declaração: ‘A maioria’ dos membros do G20 condena a guerra na Ucrânia
  • Zelensky, da Ucrânia, avança em seu plano para acabar com o conflito
  • Indonésia pede fim da polarização política
  • Presidente dos EUA, Biden, pula jantar na ilha de Bali

NUSA DUA, Indonésia (Reuters) – Uma campanha liderada pelo Ocidente para condenar a invasão da Ucrânia pela Rússia dominou a cúpula do G20 nesta terça-feira na ilha indonésia de Bali, enquanto os líderes das principais economias lidavam com uma variedade estonteante de questões, da fome à energia nuclear. ameaças.

A invasão do presidente Vladimir Putin da vizinha Ucrânia em 24 de fevereiro dizimou a economia global e reviveu as divisões geopolíticas da era da Guerra Fria, no momento em que o mundo estava emergindo do pior da pandemia de COVID-19.

Como em fóruns internacionais recentes, os Estados Unidos e seus aliados têm buscado uma declaração da cúpula do G-20 de dois dias para condenar as ações militares de Moscou.

Mas a Rússia disse que a “politização” da cúpula foi injusta.

“Sim, há uma guerra acontecendo na Ucrânia, uma guerra mista que o Ocidente lançou e vem preparando há anos”, disse o ministro das Relações Exteriores Sergei Lavrov, repetindo a posição de Putin de que a expansão da aliança militar da Otan ameaçou a Rússia.

Um esboço de declaração de 16 páginas visto pela Reuters e que diplomatas disseram que os líderes ainda não adotaram, reconheceu o desacordo.

“A maioria dos membros condenou fortemente a guerra na Ucrânia e enfatizou que ela causa enorme sofrimento humano e exacerba a fragilidade existente na economia global”, acrescentou.

“Houve diferentes visões e avaliações da situação e das sanções”, acrescentou.

READ  Editor de cinema americano fala sobre sua amizade com o presidente da Ucrânia

A cúpula é a primeira reunião de líderes do G20 desde que a Rússia enviou tropas para a Ucrânia. Os 20 países respondem por mais de 80% do PIB mundial, 75% do comércio internacional e 60% de sua população.

‘Salve o mundo’

Os anfitriões pediram à Indonésia que se unisse e se concentrasse em trabalhar para resolver problemas como inflação, fome e altos preços da energia, todos exacerbados pela guerra na Ucrânia.

“Não temos outra escolha, e a cooperação é necessária para salvar o mundo”, disse o presidente indonésio Joko Widodo.

“O G-20 deve ser o catalisador para uma recuperação econômica abrangente. Não devemos dividir o mundo em partes. Não devemos permitir que o mundo caia em outra guerra fria.”

O rascunho do documento da cúpula também disse que os bancos centrais do G20 ajustariam o aperto monetário com foco no problema global da inflação, enquanto o estímulo fiscal deve ser “temporário e direcionado” para ajudar os fracos sem aumentar os preços.

No que diz respeito à dívida, manifestou preocupação com a “deterioração” da situação de alguns países de rendimento médio e sublinhou a importância de uma repartição justa dos encargos por parte de todos os credores.

Mas não mencionou a China, que tem sido criticada no Ocidente por adiar os esforços para aliviar a pressão da dívida sobre algumas economias emergentes.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelensky disse na cúpula em um discurso virtual que agora era a hora de parar a invasão russa e implementar o plano de paz de 10 pontos que ele propôs. Kyiv exige uma retirada completa da Rússia dos territórios ocupados.

READ  Biden torna-se pessoal com seus ataques a Putin

Zelensky pediu a restauração da “segurança radiológica” na usina nuclear russa de Zaporizhzhya, restrições de preços aos recursos energéticos da Rússia e uma iniciativa expandida de exportação de grãos.

Uma autoridade dos EUA disse que Washington queria uma mensagem clara do G-20 contra a invasão russa e seu impacto na economia global, enquanto o chanceler alemão Olaf Schulz disse que há sinais encorajadores de consenso de que a guerra é inaceitável.

Lavrov disse que ouviu o discurso de Zelensky. Ele o acusou de prolongar o conflito e ignorar os conselhos ocidentais.

A Rússia disse que Putin estava ocupado demais para participar da cúpula.

Quarto, entre os Estados Unidos e a China?

No entanto, houve um sinal encorajador na véspera da cúpula, quando o presidente dos EUA, Joe Biden, e o líder chinês Xi Jinping, cujos países estão cada vez mais distantes, se encontraram e prometeram contatos mais frequentes.

Ambos os homens declararam sua oposição ao uso de armas nucleares, de acordo com leituras de ambos os lados.

A Rússia disse que se reserva o direito de usar qualquer meio, incluindo capacidade nuclear, para defender sua segurança.

A China e a Rússia estão próximas, mas Pequim tem tido o cuidado de não fornecer nenhum apoio material direto à guerra na Ucrânia que possa levar a sanções ocidentais contra ela.

A mídia estatal chinesa informou que Xi disse ao presidente francês Emmanuel Macron durante outra reunião bilateral que Pequim pediu um cessar-fogo na Ucrânia e negociações de paz.

Grupos da sociedade civil criticaram o projeto de declaração do G-20 por não tomar medidas contra a fome, não aumentar os esforços para financiar o desenvolvimento e ignorar um compromisso anterior de fornecer US$ 100 bilhões em financiamento climático até 2023.

READ  Mulher presa por roubar joias de falecido em uma funerária francesa

“O G-20 está apenas repetindo compromissos antigos de anos anteriores ou observando desenvolvimentos em outros lugares, em vez de assumir a liderança”, disse Frederic Rueder, da Global Citizen. “Cinquenta milhões de pessoas estão à beira da fome enquanto falamos. Não há tempo para o G-20 fazer apelos à ação – são eles que têm de agir.”

Os líderes se misturaram em um jantar na noite de terça-feira, muitos deles vestindo camisas tradicionais de batik indonésio. O anfitrião Widodo disse sarcasticamente que esperava que a comida não fosse muito picante para os estrangeiros.

Mas Biden perdeu a refeição. “Foi um longo dia e ele tem outras coisas para cuidar”, disse um funcionário da Casa Branca.

(Reportagem de Francesca Nangue, Stanley Widianto, Nandita Boss, Lika Kihara, David Lauder, Simon Lewis em Nusa Dua, Andrea Shalal em Washington, Andreas Renke em Berlim, Lydia Kelly em Melbourne e Eduardo Baptista em Pequim; Escrito por Raju Gopalakrishnan e Andrew Cawthorne; Edição por Tom Hoggrich e Mark Kawthorne

Nossos critérios: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.