Fevereiro 26, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Como Portugal está a atrair compradores de casas quenianos

Como Portugal está a atrair compradores de casas quenianos

Mercados e Finanças

Como Portugal está a atrair compradores de casas quenianos


Lisboa. Foto | Obturador

Os quenianos ricos procuram comprar segundas e terceiras casas em Portugal, passando de corridas anteriores para o Reino Unido e Dubai, à medida que procuram diversificar a sua riqueza e comprar casas que prometem retornos mais elevados quando permitem a cidadania.

Francisco Salguero, advogado de investimentos e imigração baseado no Quénia, afirma que o valor dos imóveis em Portugal aumentou 87 por cento nos últimos cinco anos e oferece bons retornos para os compradores de casas.

Investir em imobiliário é uma forma fácil para os quenianos adquirirem uma segunda cidadania em Portugal, onde podem dar aos seus filhos acesso a melhor educação, tecnologia e qualidade de vida.

Lisboa tornou-se um destino de férias obrigatório para os quenianos ricos e possuir uma casa lá tem as suas vantagens.

“As pessoas procuram alternativas de investimento, especialmente aquelas provenientes de países onde a desvalorização cambial é um grande problema e o potencial para diversificar carteiras de investimento em áreas estáveis ​​é muito atraente”, afirma Salguero. Diário de negócios.

De acordo com: Italianos são os principais compradores de imóveis no Quénia

No passado, os quenianos ricos procuravam uma segunda habitação em São Cristóvão e Nevis, dois estados insulares na América do Norte. A razão? A exigência de investimento é razoável em comparação com outros países e é favorável à criptografia para atrair investidores e empreendedores de tecnologia, o seu sistema educacional é melhor, a cidadania é mais barata.

São Cristóvão e Nevis abriga algumas das instituições médicas mais procuradas e a matrícula no ensino médio é de 91%, o que significa que um queniano que passa nos testes de segurança investe pelo menos Sh30,6 milhões a Sh45,9 milhões (US$ 200.000). até US$ 300.000) em imóveis, eles podem transmitir sua cidadania aos filhos, que se beneficiarão de educação de nível superior e de cuidados de saúde.

Portugal é agora um pouco mais caro para lidar com os africanos.

“Muitos investidores e empresários podem ter capacidade financeira, mas o processo de visto é um obstáculo”, diz Salguero.

“É necessário um investimento de Sh46,6 milhões (280 mil euros) para obter uma autorização de residência, quer viva ou não em Portugal. Uma autorização de residência dá direito à cidadania em cinco anos. investir em imóveis”, acrescentou.

Anteriormente, os compradores de casas mais deslocados em Portugal eram chineses, mas mais tarde foram ultrapassados ​​pelos americanos. Em África, mais sul-africanos investem em imobiliário em Portugal do que em qualquer outro país.

Então, quais são os benefícios para os investidores quenianos?

Drusher Gedia, fundador e CEO da Casa Capital, uma empresa de investimento privado que oferece oportunidades a aspirantes a portugueses-quenianos, obtém todos os benefícios da cidadania, exceto a capacidade de votar com uma autorização de cidadania.

BDCASACAPITALSe

PORTUGAL – O advogado de investimentos e imigração Francisco Salguero (à esquerda) e o fundador e CEO da CASA Capitals Thrusher Gedia posam para uma foto no Capital Club em Nairobi em 01 de dezembro de 2023. Foto | Billy Okada | NMG

Os quenianos-portugueses têm a liberdade de viajar, trabalhar e viver em qualquer país da Europa e podem transmitir a cidadania através de gerações, uma vez que não existe imposto sobre heranças.

“A maioria das pessoas quer agora possuir propriedades e transferir a sua cidadania para Portugal devido aos benefícios favoráveis ​​e à vida acessível, especialmente para os padrões europeus”, diz ele.

Rendimento do aluguel

Existe a opção de aquisição de edifícios comerciais, apartamentos ou hotéis.

Em média, um investidor pode recuperar o seu investimento em apartamentos para alugar após um ano com um retorno de pelo menos cinco por cento, diz Salguero.

Para quem procura uma segunda ou terceira habitação, um apartamento de dois quartos em Lisboa, por exemplo, é vendido por 83,3 milhões de xelins e chega a 2 milhões de xelins por ano quando arrendado a curto prazo.

Por outro lado, um apartamento de três quartos custará apenas Sh109 milhões.

“É precisamente 87 por cento da valorização da propriedade em cinco anos. Os rendimentos dos aluguéis tiveram um desempenho muito bom. Eles permitem que investidores muito inteligentes diversifiquem e, ao mesmo tempo, obtenham valorização nas receitas de aluguel. Para outros, nós os encorajamos a construir um portfólio de propriedades através de compra e venda”, disse Khedia.

Demanda por investidores

Os investimentos no estrangeiro tornaram-se atractivos, uma vez que os subúrbios de Nairobi, Runda e Spring Valley, viram os preços cair a taxas de dois dígitos à medida que a liquidez aumentava.

De acordo com: Em meio a demandas gananciosas, compradores retomam o debate sobre preços

O custo de vida em Portugal também é baixo em comparação com os países vizinhos, afirma o investidor Sr. Kethia.

Desde 2019, os compradores estrangeiros tiveram um impacto significativo no mercado, adquirindo 40.700 casas e contribuindo com 12 mil milhões de euros em investimento. Contudo, a sua contribuição representa apenas 6% das transações de vendas e 11% do volume de vendas”, afirma Khedia. Diário de negócios.

Além disso, Portugal terá o quinto passaporte mais poderoso do mundo até 2023, proporcionando acesso sem visto a 187 destinos. O clima é bom, não caracterizado por extrema severidade no inverno.

“O turismo está em franca expansão, 80 por cento dos voos são internacionais. Cerca de 23% vieram como visitantes. Isto indica que mais pessoas estão dispostas a investir”, afirma Kethia.

→ [email protected]

READ  RWE inicia construção de parque solar em Portugal