Fevereiro 28, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Cientistas descobrem um colibri híbrido de garganta dourada

Cientistas descobrem um colibri híbrido de garganta dourada

(CNN) Quando os pesquisadores encontraram um beija-flor com penas douradas brilhantes em sua garganta no Parque Nacional da Cordilheira Azul, no Peru, eles pensaram que era uma espécie recém-descoberta.

O parque, parte dos cumes externos das encostas orientais dos Andes, é um lugar isolado – o lugar perfeito para encontrar espécies geneticamente distintas.

“Olhei para o pássaro e disse a mim mesmo: essa coisa é diferente de tudo. Meu primeiro pensamento foi que era uma nova espécie”, disse John Bates, curador de pássaros do Field Museum em Chicago, em um comunicado.

Depois de completar seu trabalho de campo no Peru e voltar Ao Field Museum para analisar o DNA da ave, os pesquisadores fizeram uma descoberta surpreendente.

Os pesquisadores montaram um laboratório de campo no Parque Nacional Cordillera Azul, no Peru, onde o pássaro híbrido foi encontrado.

A ave não havia sido documentada antes, mas era um híbrido que resultou de duas espécies relacionadas de beija-flores: o beija-flor-de-garganta-rosa, Heliodoxa gularis, e o beija-flor-de-fundo-felpudo, Heliodoxa branickii.

Ambos os tipos de beija-flores são conhecidos por terem penas distintamente rosadas em suas gargantas, o que levou os pesquisadores a se perguntarem como a mistura de rosa com rosa poderia resultar em plumagem dourada.

“Pensamos que seria geneticamente distinto, mas combina com Heliodoxa branicei em alguns sinais, que é um daqueles beija-flores de garganta rosa daquela área geral do Peru”, disse Bates.

A análise inicial de DNA concentrou-se no DNA mitocondrial, que é transmitido pelo lado materno, e combinou com Heliodoxa branickii.

Os pesquisadores então analisaram o DNA nuclear, resultado de contribuições genéticas de ambos os pais da ave, revelando aspectos de Heliodoxa branicei e Heliodoxa gularis.

READ  Amostras do asteróide Bennu podem mudar “fundamentalmente” a visão sobre a vida

No entanto, o beija-flor-de-garganta-dourada não foi resultado de uma divisão genética. Um de seus ancestrais provavelmente era uma mistura das duas espécies, enquanto as gerações posteriores parecem ter sido associadas aos beija-flores branickii.

Um estudo detalhado das descobertas foi publicado na quarta-feira na revista Sociedade Real para Ciência Aberta.

Como é raro beija-flores da mesma espécie terem penas de garganta completamente diferentes, Mergulhe mais fundo no mistério das penas douradas nos híbridos.

“É um pouco como cozinhar: se você misturar sal e água, sabe o que vai conseguir, mas misturar duas receitas complexas pode dar resultados ainda mais imprevisíveis”, disse Chad Eliason, coautor do estudo. Cientista pesquisador, em um comunicado. “Este híbrido é uma mistura de duas características de penas complexas das duas espécies parentais”.

A plumagem dourada da ave híbrida vem do material genético fornecido pelas duas espécies progenitoras, H. gularis (à esquerda) e H. branickii (à direita).

A cor primária das penas vem do pigmento, como a melanina, mas a estrutura celular das penas e a forma A luz reflete nas penas cor estrutural. É essa coloração estrutural que resulta na natureza iridescente da plumagem de um beija-flor.

A equipe de pesquisa estudou as penas da garganta do pássaro usando um microscópio eletrônico para medir como a luz reflete nas penas para criar cores diferentes.

“Há mais de uma maneira de fazer um roxo iridescente”, disse Ellison. “Cada espécie nativa tem sua própria maneira de produzir roxo, e acho que é por isso que você obtém um resultado tão não linear ou surpreendente quando mistura essas duas receitas para produzir uma cor de plumagem.”

READ  A tripulação do Artemis II da NASA encontra o rover lunar Ars Technica

A descoberta sugere que os híbridos podem contribuir para o arco-íris de cores visto em diferentes beija-flores.

“Com base na velocidade da evolução da cor observada nos beija-flores”, disse Eliasson, “calculamos que levaria de 6 (milhões a 10 milhões) anos para essa drástica mudança de cor rosa-ouro em uma espécie.

Bates disse que os pesquisadores esperam que seu trabalho inspire outras pessoas a ficar de olho em potenciais híbridos de beija-flores.

“Novas ferramentas, como dados genéticos, abrem uma nova compreensão de como esses eventos ocorrem na geografia e no tempo”, disse Bates. “Uma das questões que queremos considerar na região do Peru onde este estudo foi realizado é como essa complexa paisagem montanhosa evoluiu ao longo do tempo e qual o papel que essas mudanças desempenharam na diversificação de pássaros e outros organismos”.