Julho 16, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Califórnia processa gigantes do petróleo alegando décadas de fraude

Califórnia processa gigantes do petróleo alegando décadas de fraude

O estado da Califórnia abriu na sexta-feira uma ação judicial contra algumas das maiores empresas petrolíferas do mundo, alegando que as suas ações causaram danos de dezenas de milhares de milhões de dólares e que enganaram o público ao minimizar os riscos representados pelos combustíveis fósseis.

O processo civil, aberto no Tribunal Superior de São Francisco, é o processo mais recente e significativo que visa as empresas de petróleo, gás e carvão pelo seu papel na causa das alterações climáticas. Pretende estabelecer um fundo de redução para cobrir danos futuros causados ​​por desastres relacionados com o clima no estado.

O processo tem como alvo cinco empresas: Exxon Mobil, Shell, BP, ConocoPhillips e Chevron, com sede em San Ramon, Califórnia. O American Petroleum Institute, um grupo comercial da indústria com sede em Washington, também está listado como réu.

Outros sete estados e dezenas de municípios entraram com ações semelhantes nos últimos anos. Mas o processo na Califórnia tornou-se imediatamente um dos desafios jurídicos mais significativos que a indústria dos combustíveis fósseis enfrenta.

Além de ser o estado mais populoso do país, a Califórnia é um grande produtor de petróleo e gás, e o seu gabinete do procurador-geral tem um historial de trazer casos marcantes que os estados mais pequenos imitam. A Califórnia também está na linha de frente de condições climáticas extremas alimentadas pelas mudanças climáticas, com incêndios florestais, inundações, aumento do nível do mar, calor extremo e até tempestades tropicais que assolam o estado.

“O caso da Califórnia é a acção climática mais significativa, decisiva e poderosa contra a indústria do petróleo e do gás na história dos EUA”, disse Richard Wells, presidente do Centro para a Integridade Climática, uma organização sem fins lucrativos que acompanha processos judiciais relacionados com o clima.

Exxon, Chevron, Shell, BP e ConocoPhillips não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

“Esta campanha contínua e coordenada para lançar ações judiciais infundadas e politizadas contra uma indústria americana essencial e seus trabalhadores nada mais é do que uma distração de importantes conversas nacionais e de um aumento massivo”, disse Ryan Myers, conselheiro geral do American Petroleum Institute, em um comunicado. declaração. Um desperdício de recursos dos contribuintes da Califórnia. A política climática é algo que o Congresso debate e decide, não o sistema judicial.

A ação, movida pelo procurador-geral do estado, Rob Bonta, em nome do povo da Califórnia, foi movida na noite de sexta-feira. Alega que, a partir da década de 1950, as empresas e os seus aliados minimizaram deliberadamente os riscos que os combustíveis fósseis representavam para o público em geral, embora reconhecessem que os seus produtos eram susceptíveis de causar significativamente o aquecimento global. O processo alega que a Exxon, a Chevron e outras empresas continuaram a enganar o público sobre o seu compromisso de reduzir as emissões nos últimos anos, gabando-se de investimentos modestos em combustíveis alternativos, ao mesmo tempo que obtêm lucros recordes com a produção de combustíveis fósseis que aquecem o planeta.

“Essas pessoas tinham essa informação e mentiram para nós, e poderíamos ter evitado algumas consequências mais significativas”, disse o governador da Califórnia, Gavin Newsom. “É uma pena, isso te enoja profundamente.

O processo alega que as companhias petrolíferas causaram perturbação pública, destruíram recursos naturais e violaram leis de publicidade falsa e de responsabilidade de produtos.

“Os executivos das empresas de petróleo e gás sabem há décadas que a dependência dos combustíveis fósseis causaria estes resultados catastróficos, mas suprimiram essa informação do público e dos decisores políticos, espalhando desinformação sobre o assunto”, afirma a queixa. O seu engano atrasou a resposta da sociedade ao aquecimento global. A sua má conduta resultou em enormes custos para as pessoas, propriedades e recursos naturais, custos que continuam a aumentar todos os dias.

Numa queixa detalhada de 135 páginas, o Estado explicou que as empresas e o seu grupo comercial sabiam desde a década de 1950 que as emissões dos seus produtos aqueceriam perigosamente o planeta. Mas em vez de alertar o público, procurando reduzir as suas emissões ou investir em tecnologias mais limpas, minimizam os riscos e promovem os combustíveis fósseis como seguros.

A queixa alega que o greenwashing empresarial continua até hoje, com as empresas petrolíferas a promoverem certos tipos de gasolina como amigas do ambiente, e as empresas recentemente a renegarem os seus compromissos de redução de emissões.

O processo também detalha os danos crescentes que as alterações climáticas estão a infligir à Califórnia sob a forma de calor recorde, seca, escassez de água, incêndios florestais, tempestades severas, inundações, danos nas colheitas, erosão costeira e perda de biodiversidade.

“Nos últimos 10 anos, isso me chocou profundamente”, disse Newsom. “São coisas que imaginávamos que poderíamos ver em 2040 e 2050, mas foram transferidas para o momento presente e o momento de responsabilização é agora.”

As empresas de petróleo, gás e carvão enfrentam uma onda de processos judiciais climáticos. Cidades e estados de todo o país entraram com ações, pedindo bilhões de dólares em danos.

As empresas de combustíveis fósseis tentaram transferir muitos casos dos tribunais estaduais para os tribunais federais, onde acreditavam que teriam melhores chances de vitória. Mas no início deste ano, o Supremo Tribunal Ele se recusou a ouvir o apelo Nesse assunto, o que significa que os casos permanecerão na Justiça estadual, onde especialistas acreditam que os municípios têm maiores chances de obter indenização.

Dois casos recentes contra grandes empresas petrolíferas, um em Porto Rico e outro em Hoboken, Nova Jersey, trouxeram acusações ao abrigo das versões federal e estatal da Lei das Organizações Corruptas e Influenciadas por Racketeers. Mas o processo da Califórnia não faz reivindicações sob a lei RICO do estado.

A ação também não busca indenização por um evento climático específico, que é a estratégia usada no caso de Porto Rico e em uma ação judicial recente do condado de Multnomah, no Oregon.

Em vez disso, Bonta procura criar um fundo que possa ser utilizado para pagar a recuperação de fenómenos meteorológicos extremos e os esforços de mitigação e adaptação em todo o estado. O processo alega que a Califórnia já gastou dezenas de milhares de milhões de dólares para pagar desastres climáticos e espera que os custos aumentem significativamente nos próximos anos.

“Esta tem sido uma campanha de décadas para obter lucros infinitos à custa do nosso planeta e do nosso povo, e as empresas e indivíduos gananciosos devem ser responsabilizados”, disse Bonta numa entrevista. “Isto é onde nós entramos“.

Há precedentes para tal fundo. Várias cidades da Califórnia processaram fabricantes de tintas com chumbo por motivos semelhantes. Após décadas de litígio, as empresas concordaram Acordo de US$ 305 milhõesque foi usado para criar o fundo de descontos.