Junho 14, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Autoridades israelenses excluem imagens ao vivo de Gaza, citando nova lei de mídia

Autoridades israelenses excluem imagens ao vivo de Gaza, citando nova lei de mídia

JERUSALÉM (AP) – Autoridades israelenses confiscaram uma câmera da Associated Press e equipamento de transmissão no sul de Israel na terça-feira, acusando a agência de notícias de violar uma lei. Nova lei de mídia Fornecendo fotos para a Al Jazeera.

O canal via satélite do Catar está entre os milhares de clientes que recebem transmissões de vídeo ao vivo da Associated Press e de outras organizações de notícias. A Associated Press denunciou a medida.

“A Associated Press condena nos termos mais veementes as ações do governo israelense ao encerrar a nossa transmissão ao vivo de longa data que mostrava uma vista de Gaza e apreender equipamento AP”, disse Lauren Easton, vice-presidente de comunicações corporativas da organização de notícias. “A paralisação não se baseou no conteúdo da transmissão, mas sim no uso arbitrário da nova lei de transmissão estrangeira do país pelo governo israelense. Instamos as autoridades israelenses a devolverem nosso equipamento e nos permitirem retornar as transmissões ao vivo imediatamente para que possamos. continuar a fornecer este importante jornalismo visual a milhares de meios de comunicação em todo o mundo.”

Funcionários do Ministério das Comunicações chegaram às instalações da AP na cidade de Sderot, no sul, na tarde de terça-feira e confiscaram o equipamento. Eles entregaram à AP um pedaço de papel, assinado pelo Ministro das Comunicações, Shlomo Karhi, alegando que violava… Lei de transmissão estrangeira no país.

Pouco antes de o equipamento ser apreendido, ele transmitia uma visão geral do ocorrido Norte de Gaza. A AP adere às regras de censura militar israelita, que proíbem a transmissão de detalhes como movimentos de tropas que possam colocar os soldados em perigo. As imagens ao vivo geralmente mostravam fumaça subindo pela área.

A apreensão seguiu-se a uma ordem verbal na quinta-feira para interromper a transmissão ao vivo – o que a organização de notícias se recusou a fazer.

O ministério afirmou num comunicado: “De acordo com a decisão do governo e as instruções do Ministro das Comunicações, o Ministério das Comunicações continuará a tomar todas as medidas executivas necessárias para limitar as transmissões que prejudicam a segurança do Estado”.

As autoridades israelitas usaram a lei para fechar os escritórios do canal com sede no Qatar em 5 de maio, bem como para confiscar o equipamento do canal, proibir a sua transmissão e bloquear os seus websites.

Israel sempre teve uma relação tensa com a Al Jazeera, acusando-a de preconceito contra o país. O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, descreveu-o como um “canal terrorista” que espalha o incitamento.

A Al Jazeera é um dos poucos meios de comunicação internacionais que permaneceu em Gaza durante a guerra, transmitindo cenas de ataques aéreos e hospitais lotados e acusando Israel de cometer massacres.

A guerra em Gaza começou com um ataque do Hamas em Israel que matou 1.200 pessoas e fez 250 reféns. Mais de 35 mil palestinos foram mortos desde então, segundo o Ministério da Saúde de Gaza, que não faz distinção entre civis e combatentes nas suas estatísticas.

___

Acompanhe a cobertura de guerra da AP em https://apnews.com/hub/israel-hamas-war