Maio 18, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Austrália acusa um ex-soldado de assassinato pelo assassinato de um afegão

Austrália acusa um ex-soldado de assassinato pelo assassinato de um afegão

CANBERRA, Austrália (AP) – A polícia acusou o primeiro veterano da Austrália de assassinato por sua morte no Afeganistão depois que uma investigação de crimes de guerra de três anos concluiu que 19 soldados das Forças Especiais Australianas podem enfrentar acusações de conduta ilegal.

O ex-oficial do Regimento do Serviço Aéreo Especial Oliver Schultz, 41, foi preso no estado de Nova Gales do Sul e acusado de assassinato pela polícia, disse um comunicado da Polícia Federal australiana.

“Supõe-se que ele matou um homem afegão enquanto estava no Afeganistão”, disse o comunicado.

Schulz foi acusado na noite de segunda-feira no Tribunal de Queanbeyan, onde seu advogado não pediu fiança. Schulz foi colocado em prisão preventiva para comparecer a um tribunal de Sydney em 16 de maio.

Em 2020, a Australian Broadcasting Corporation transmitiu o vídeo da câmera do capacete de um soldado que disse que Schultz atirou e matou um afegão em 2012 em um campo de trigo na província de Uruzgan.

Schulz, que recebeu a Medalha de Bravura por seu serviço no Afeganistão, pode ser condenado à prisão perpétua se for condenado.

A polícia está trabalhando com o Office of the Special Investigator, uma agência de investigação australiana criada em 2021, para construir casos contra uma força especial de elite e um regimento de comando que serviu no Afeganistão entre 2005 e 2016.

Um relatório militar divulgado em 2020 após uma investigação de quatro anos encontrou evidências de que as forças australianas mataram ilegalmente 39 prisioneiros, fazendeiros e civis afegãos.. O relatório recomendou que 19 atuais e ex-soldados enfrentem uma investigação criminal.

Benjamin Roberts Smith, o membro do mais alto escalão das Forças Armadas australianas quando deixou o SAS em 2013, foi acusado por ex-colegas de tratamento ilegal de prisioneiros, incluindo assassinatos ilegais. O ex-cabo, que recebeu a Victoria Cross e a Medalha de Bravura por seu serviço no Afeganistão, negou qualquer má conduta.

Seu julgamento por difamação contra os jornais The Sydney Morning Herald, The Age e The Canberra Times foi concluído em julho de 2022, mas o veredicto ainda não foi anunciado.

Mais de 39.000 militares australianos serviram no Afeganistão nos 20 anos até a retirada de 2021 e 41 foram mortos lá.