Junho 17, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

As eleições europeias começam com uma disputa acirrada na Holanda – pesquisas de boca de urna

As eleições europeias começam com uma disputa acirrada na Holanda – pesquisas de boca de urna

Fonte da imagem, Sim van der Waal/EPA-EFE/REX/Shutterstock

Comente a foto, Os líderes da coalizão Trabalhista Verde Holandesa ficaram satisfeitos com os resultados das pesquisas

  • autor, Paulo Kirby
  • Papel, Em Bruxelas

Os eleitores holandeses começaram a votar ao longo de quatro dias em toda a União Europeia, com as sondagens à saída a indicarem uma disputa renhida entre a coligação da Esquerda Verde e o partido populista e anti-Islão de Geert Wilders.

Espera-se que os partidos de direita e de extrema-direita obtenham ganhos significativos em muitos dos 27 Estados-Membros da UE, e isto parece ter sido confirmado até certo ponto nos Países Baixos.

Embora a coligação Trabalhista Verde deva ganhar mais assentos no Parlamento Europeu, de acordo com as sondagens de opinião, o Partido da Liberdade de Wilders está no bom caminho para obter grandes ganhos.

Mas não repetiu a vitória esmagadora que obteve nas eleições gerais que tiveram lugar em Novembro passado.

De acordo com a lei europeia, os resultados finais não são publicados antes de cada país votar na noite de domingo. Cerca de 373 milhões de europeus têm direito a votar nas segundas maiores eleições democráticas do mundo, depois da Índia.

O próximo Parlamento Europeu está programado para incluir 720 assentos, com cada país tendo assentos proporcionais à sua população. A Alemanha terá 96, a França 81, a Itália 76 e a Holanda 31.

As sondagens de opinião holandesas serão acompanhadas de perto em toda a Europa em busca de possíveis tendências que possam surgir noutras partes do continente, embora muitos eleitores tendam a votar em questões nacionais pelo menos tanto como na política europeia.

A Irlanda e a República Checa votam na sexta-feira, enquanto o resto da União Europeia vota no fim de semana.

Uma mudança para a direita era amplamente esperada nestas eleições, com os partidos de extrema-direita a tentarem vencer em França, Bélgica, Áustria e Itália.

Os seus adversários deverão ficar satisfeitos com as sondagens de opinião de quinta-feira à noite, dado o desempenho da aliança Verdes/Trabalhistas. O partido de Geert Wilders ficou em primeiro lugar nas eleições nacionais holandesas em Novembro passado, garantindo um acordo ministerial com três outros partidos, embora ele não vá servir como primeiro-ministro.

Qualquer mudança fundamental para a direita na composição do Parlamento Europeu poderá afectar as políticas da UE em matéria de alterações climáticas, agricultura e talvez defesa.

De acordo com uma sondagem Ipsos I&O realizada entre 20 a 30 mil eleitores holandeses em 35 assembleias de voto, a coligação holandesa de centro-esquerda liderada pelo antigo comissário europeu Frans Timmermans está a caminho de conquistar oito assentos, um a mais que o Partido da Liberdade de Wilders.

No entanto, a margem de erro é tão grande que a corrida ficou muito acirrada. A taxa de participação foi estimada em cerca de 47%, um aumento de cinco pontos em relação a cinco anos atrás. Antes da votação, falava-se de cansaço dos eleitores após meses de debate sobre a formação de um novo governo.

Wilders disse estar feliz com o “resultado fantástico”. Disse que se tratava apenas de uma sondagem de opinião, mas era claro que o Partido da Liberdade era o grande vencedor, uma vez que o seu partido só tinha um assento no Parlamento Europeu cessante. Outro partido de extrema direita, que está em declínio há meses, está a caminho de perder todos os seus quatro assentos.

As sondagens à boca-de-urna indicam quão polarizado se tornou o voto holandês, com um partido pró-europeu a favor das políticas de alterações climáticas, seguido de perto por Wilders, que quer encolher a Europa e promete um governo com a política de asilo “mais forte” de sempre.

No entanto, os comentadores salientaram que cerca de dois terços dos votos foram obtidos por partidos pró-UE, muitos dos quais eram centristas ou liberais.

A imigração e o asilo foram o factor mais importante para os eleitores holandeses, segundo a Ipsos, e é provável que isto se reflicta em grande parte do resto da Europa.

Os eleitores com quem a BBC conversou em vários locais de votação em Haia na quinta-feira falaram sobre segurança, bem como sobre as guerras em Gaza e na Ucrânia. Muitos disseram que uma União Europeia mais forte era essencial face à insegurança global.

Embora um quarto dos eleitores holandeses tenham afirmado que foram motivados pela política europeia, 21% afirmaram que era a política interna e 48% afirmaram que era uma combinação de ambas.