dezembro 5, 2021

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Apelos para “Refugiados do Clima” no Porto

Segundo um geólogo e investigador da Universidade Minho Holder Lobes, acredita-se que os “abrigos climáticos” são necessários para proteger as pessoas e os turistas das “ondas quentes” ou das “condições de frio” nas cidades.

Com base num estudo sobre as alterações climáticas na área metropolitana do Porto (AMP), foi debatido no seminário “Estratégias de Adaptação do Turismo Urbano às Alterações Climáticas no Âmbito das Oportunidades Pós-Epidémicas” organizado pelo Instituto de Ciências Sociais. UMinho disse ao geógrafo Lusa que o planeamento urbano continua cheio de “adaptação” e “analfabetismo climático”.

“Temos de criar abrigos climáticos que permitam às pessoas se protegerem das ondas de calor. O asilo do frio é um problema porque quando falamos do Porto, o inverno também é muito severo. Temos de tomar decisões que contemplem estas questões”, afirma a investigadora. reiterou, acrescentando que Umino e Barcelona Ela está envolvida em um trabalho de doutorado sobre o impacto do clima e da morfologia urbana no turismo associado à universidade.

No âmbito do seu trabalho, Holder Lopez apontou as áreas de maior procura turística e de maior “calor urbano” na AMP, bem como definiu as cinco zonas de intervenção prioritárias de “oferta e procura turística” e “nível de prioridade”. Ecologia Importante ”, zona envolvente aos sítios históricos do Porto e Vila Nova de Gaia.

Das “Medidas Microclimáticas” do “Verão 2019 e Inverno 2020 e o Verão de 2020” já condicionadas pelos Inquéritos de Infecção Govt-19 e do Questionário Turístico, o Ph.D. A escultura está ao norte de “Abundância / Os Meninos” .

Ao lado da estátua de Ardina, e ao norte, as árvores próximas ao prédio da Prefeitura são as áreas mais vulneráveis ​​ao frio.

READ  Fabricado em Portugal: Portugal Inovador!

Um investigador do Departamento de Geografia da UMinho, sediado no ‘complexo’ de Asuramin, em Guimares, referiu que o MPA não tinha uma “rede de monitorização do clima” que não o pudesse fazer devido às estações existentes e à sua localização.

Percebendo que o “analfabetismo climático” envolve a população, tecnólogos seniores e “formuladores de políticas”, Holder Lobs destacou a necessidade de garantir a “termorregulação” das áreas urbanas.

O investigador defendeu ainda que as cidades devem ser pensadas por políticos, tecnólogos, operadores turísticos e pela “comunidade local” tendo simultaneamente em conta “questões ambientais e climáticas” e “oferta e procura turística”.