Junho 22, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

A União Europeia diz que uma ação comercial unilateral é inaceitável depois que a Polônia e a Hungria proibiram as importações de grãos e alimentos da Ucrânia

A União Europeia diz que uma ação comercial unilateral é inaceitável depois que a Polônia e a Hungria proibiram as importações de grãos e alimentos da Ucrânia

VARSÓVIA (Reuters) – Medidas unilaterais sobre o comércio dos países membros da União Europeia são inaceitáveis ​​depois que a Polônia e a Hungria anunciaram proibições às importações de grãos e outros alimentos da Ucrânia para proteger o setor agrícola doméstico, disse uma porta-voz da Comissão Europeia neste domingo.

Depois que a invasão russa fechou alguns portos do Mar Negro, grandes quantidades de grãos ucranianos, mais baratos que os produzidos na União Europeia, acabaram ficando nos países da Europa Central devido a gargalos logísticos, afetando os preços e as vendas para os agricultores locais.

O caso criou um problema político para o partido nacionalista Lei e Justiça da Polônia em um ano eleitoral, pois irritou as pessoas nas áreas rurais, onde o apoio ao Lei e Justiça costuma ser alto.

“Estamos cientes das declarações da Polônia e da Hungria sobre a proibição da importação de grãos e outros produtos agrícolas da Ucrânia”, disse o porta-voz em comunicado por e-mail. “Nesse contexto, é importante ressaltar que a política comercial é prerrogativa exclusiva da UE e, portanto, medidas unilaterais são inaceitáveis.”

“Em tempos tão difíceis, é necessário coordenar e harmonizar todas as decisões dentro da União Europeia”, acrescentou o comunicado.

A Polônia e a Hungria estão envolvidas em conflitos de longa data com Bruxelas sobre questões como independência judicial, liberdade de imprensa e direitos LGBT, e ambas tiveram dinheiro retido devido a preocupações com o estado de direito.

Cruzando

O ministro do Desenvolvimento e Tecnologia disse no domingo que a proibição polonesa, que entrou em vigor na noite de sábado, também se aplica ao trânsito desses produtos em todo o país.

“A proibição é total, incluindo a proibição do trânsito pela Polónia”, escreveu Waldemar Buda no Twitter, adiantando que vão decorrer conversações com o lado ucraniano para criar um sistema que garanta que as mercadorias passem apenas pela Polónia e não cheguem ao destino. nível local. mercado.

O Ministério de Política Agrícola e Alimentar da Ucrânia disse no sábado que a proibição polonesa contradiz os acordos bilaterais existentes sobre exportações e pediu negociações para resolver a questão.

A agência de notícias estatal ucraniana, Ukrinform, disse que os ministros ucraniano e polonês devem se reunir na segunda-feira na Polônia, e que os acordos de trânsito serão o foco das negociações.

O ministro da Agricultura polonês, Robert Tellos, disse no domingo que a proibição era necessária “para abrir os olhos da União Europeia para o fato de que são necessárias mais decisões que permitirão que os produtos ucranianos penetrem profundamente na Europa e não permaneçam na Polônia. “

A Ucrânia exporta a maior parte de suas commodities agrícolas, especialmente grãos, por meio de seus portos no Mar Negro, que foram desbloqueados em julho, de acordo com um acordo entre Ucrânia, Turquia, Rússia e as Nações Unidas.

O ministério ucraniano disse que cerca de 3 milhões de toneladas de grãos saem da Ucrânia todos os meses pelo corredor de grãos do Mar Negro, enquanto apenas 200.000 toneladas viajam para portos europeus através do território polonês.

O ministro da Agricultura da Ucrânia, Mykola Solsky, disse no fim de semana que entre 500.000 e 700.000 toneladas de vários produtos agrícolas cruzam a fronteira polonesa todos os meses, incluindo grãos, óleo vegetal, açúcar, ovos, carne e outros produtos.

(Reportagem de Alan Sharlich). Edição por Sharon Singleton

Nossos padrões: Princípios de confiança da Thomson Reuters.