Julho 24, 2024

O Ribatejo | jornal regional online

Informações sobre Portugal. Selecione os assuntos que deseja saber mais sobre a Folha d Ouro Verde

Irã emite sentenças de prisão por derrubar um avião de passageiros ucraniano em 2020 |  Notícias

Irã emite sentenças de prisão por derrubar um avião de passageiros ucraniano em 2020 | Notícias

O Irã disse que os suspeitos incluíam pessoal de defesa antimísseis que cometeram um “erro catastrófico”.

O judiciário iraniano anunciou sentenças de prisão para 10 pessoas não identificadas que diz serem responsáveis ​​pela derrubada de um voo comercial da Ukraine International Airlines em janeiro de 2020.

O principal suspeito no caso, identificado apenas como o comandante do sistema de defesa antimísseis Tor-M1 que derrubou o avião com dois mísseis, recebeu uma sentença discricionária de 10 anos por descumprimento de ordens e três anos por sendo “cúmplice de homicídio quase doloso”, segundo o site de notícias oficial do judiciário.

Acrescentou que a pessoa não identificada cumpriria no máximo 10 anos de prisão, menos o tempo cumprido, e deve pagar uma indenização às famílias das 176 vítimas do voo.

Além disso, duas pessoas que operaram o sistema de mísseis foram condenadas a um ano de prisão, enquanto outros funcionários do Controle de Defesa Aérea de Teerã e da Divisão Espacial do Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC) receberam sentenças que variam de um a três anos.

Os suspeitos enfrentarão outras penalidades, que não foram determinadas pelo judiciário.

Todas as decisões – proferidas após 20 audiências – foram preliminares e passíveis de recurso. Um tribunal militar também foi ordenado a continuar as investigações sobre outros indivíduos que possam estar envolvidos.

Segundo a autoridade judiciária, o processo envolveu 117 autores, dos quais 55 testemunharam em tribunal e foram representados por 20 advogados.

O PS752 decolou do Aeroporto Internacional Imam Khomeini, na capital iraniana, na madrugada de 8 de janeiro de 2020, e foi abatido minutos após a decolagem. As autoridades iranianas inicialmente negaram ter derrubado o avião, mas admitiram um “erro catastrófico” três dias depois.

‘erro humano’

O relatório final do Irã sobre a queda do voo disse que “erro humano” foi a causa, já que o pessoal da bateria de defesa aérea disparou os mísseis sem primeiro obter a devida autorização dos comandantes superiores, acreditando que um míssil estava prestes a atingir Teerã.

O incidente ocorreu logo depois que a Guarda Revolucionária Iraniana lançou mísseis contra duas bases dos EUA no vizinho Iraque em retaliação ao assassinato do comandante da Guarda Revolucionária Iraniana, general Qassem Soleimani, por um drone americano.

O relatório do judiciário de domingo também corroborou esse relato, dizendo que o pessoal não calibrou o sistema de defesa depois que ele foi movido pouco antes do incidente e ignorou ordens para obter aprovação direta para disparar durante o caos daquela noite, quando o Irã antecipou um possível ataque dos EUA.

Mas várias famílias das vítimas, bem como autoridades da Ucrânia e do Canadá – que contavam com dezenas de cidadãos entre os passageiros – condenaram o Irã pelo que descrevem como falta de transparência e cooperação.

Um tribunal canadense decidiu em 2021 que a derrubada foi um “ato de terrorismo” em meio às alegações de Teerã de que o caso foi politizado. Outro tribunal também concedeu dezenas de milhões de dólares a algumas famílias que podem ser retirados de ativos iranianos no Canadá.

No final de 2020, o governo iraniano estabeleceu uma indenização de US$ 150.000 para cada uma das famílias das vítimas e posteriormente disse que os pagamentos haviam começado, mas não está claro quanto foi pago.